Posts

Você sabe a diferença entre dark stores, transit points e galpões logísticos?

Tempo de leitura: 3 minutos

Essas três soluções de logística trazem ganhos diferentes para quem vende seus produtos online e deseja melhorar sua performance de entregas.

Antes da pandemia, receber um produto em casa em até  três dias era visto com muito bons olhos pelo consumidor. Então, tudo mudou! Agora, o coração do cliente tende a bater mais forte por quem entrega o produto no mesmo dia ou no menor espaço de tempo. E a melhor maneira de fazer isso, é investindo em uma ou mais das seguintes soluções logísticas:

1. Centros de distribuição/Galpões logísticosProjeto de CD do Centro Himalaia

Esses dois nomes são utilizados para definir espaços de armazenagem de produtos localizados em pontos  estratégicos, com acesso às principais rodovias. O objetivo é facilitar a logística das entregas, além de acelerar processos e beneficiar os dois lados — cliente e varejista

“O galpão logístico é estratégico, pois facilita a entrega dos produtos de modo contínuo e direto, reduzindo a necessidade de estoque e, consequentemente, gerando ganhos entre o custo, a armazenagem e o transporte”, explica Vera Zaffari, arquiteta fundadora da VZ&CO.

Para completar, essas estruturas garantem controle de estocagem e distribuição por centralizarem toda a logística de uma operação. Sendo assim, exigem grandes áreas para serem implementados. Seu funcionamento é focado em receber, movimentar, armazenar, separar e expedir mercadorias de forma prática e centralizada. 

Uma das empresas que aposta pesado na estratégia dos centros logísticos é a Amazon — uma das principais referências globais em agilidade de entrega e satisfação do consumidor. Somente aqui no Brasil, ela possui galpões em São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Rio de Janeiro. Essas unidades viabilizam a realização de entregas em até 24 horas nas grandes capitais.

2. Transit points

Diferentemente dos centros de distribuição, o transit point mantém a ideia de acelerar as entregas, mas com uma outra proposta de logística. As mercadorias que chegam a esses espaços já têm seus destinos definidos. Elas chegam com a nota fiscal endereçada aos consumidores finais, podendo ser liberados imediatamente para a entrega local.

“Os transit points são menores no tamanho e maiores em quantidade, garantindo a gestão eficiente das mercadorias, trazendo maior a agilidade para a entregas de produtos comprados em lojas físicas ou na internet. Para a indústria, é um local de armazenamento de produtos saídos da linha de produção. Para o comércio, é um armazém logístico para organizar mercadorias vindas de diversos fornecedores. Lá, esses produtos serão organizados e distribuídos às redes de lojas ou consumidores”, exemplifica Vera. 

As operações realizadas nesses espaços são essenciais para organizar processos, reduzir gastos e melhorar a gestão de riscos e dos estoques. E assim como os centros logísticos, os transit points são econômicos na construção e manutenção dos espaços, por se tratar de uma estrutura simples e gerencial para controlar a distribuição de mercadorias e exigirem uma área menor para implantação.

3. Dark Stores

Eis aqui a mais nova tendência do mercado de varejo. As dark stores são espaços voltados à armazenagem, separação e envio de produtos comprados pela internet. Diferente dos transit point e centros logísticos tradicionais, elas se parecem como um comércio de proximidade, com espaço menor,  localizadas em centros urbanos, mas fechadas ao público.

Um dos projetos de dark store feito pela VZ&CO

Apesar de as dark stores serem fechadas ao público, elas complementam as lojas físicas e seus e-commerces, permitindo que o cliente retire o produto no local ou receba em casa no mesmo dia ou em poucas horas, garantindo a conveniência tão esperada pelo consumidor. Boa parte das dark stores permite ao consumidor retirar suas compras 24 horas por dia, 7 dias por semana. É o máximo de flexibilidade na hora de realizar uma compra. 

“Particularmente, considero uma solução logística inteligente. As dark stores não demandam grandes investimentos de arquitetura ou manutenção, costumam ter localização central, exigem áreas físicas menores, aumentam a visibilidade da marca e ainda ampliam a satisfação do cliente — que pode retirar o produto comprado de forma rápida e prática, como o clique e retire”, complementa a CEO da VZ&CO.

Agora que você já entendeu a diferença entre essas três soluções logísticas, que tal conversar conosco sobre qual delas seria melhor para a sua marca? Estamos à disposição para ajudá-lo!

Dark stores: solução inteligente para logística

Tempo de leitura: 3 minutos

As vendas no comércio eletrônico já se tornaram realidade na vida dos brasileiros. Apenas entre janeiro e março de 2021, as compras online somaram R$ 35,2 bilhões, registrando o aumento de 72,2% comparado ao ano anterior. Os dados são da Neotrust. 

Para acompanhar o ritmo de expansão, grandes marcas do varejo investem em soluções inteligentes para complementar a oferta das lojas físicas e também de seus e-commerces. E um jeito eficiente de fazer isso é apostando nas dark stores — espaços para armazenagem, separação e envio de produtos comprados online. Diferentemente dos galpões logísticos tradicionais, as dark stores parecem lojas comuns localizadas em centros urbanos, mas fechadas ao público.  

Gigantes do mundo do varejo, como Carrefour e Walmart, estão inaugurando “lojas escuras” em diferentes regiões do mundo. Em alguns estabelecimentos, os clientes podem inclusive retirar os produtos comprados pela internet nesses pequenos galpões. Como esses espaços não são pensados para receber pessoas, eles não podem acessar, mas conseguem retirar a compra já embalada, em um sistema drive through ou “clique e retire”

Para explicar o potencial das dark stores para o mercado de varejo, convidamos uma especialista no assunto: a arquiteta Vera Zaffari, CEO da VZ&CO. Confira: 

Por que os varejistas deveriam investir na construção de dark stores

VZ: Esse modelo de galpão logístico está ganhando espaço, porque ajuda a melhorar a experiência e conveniência do cliente, que pode escolher se prefere receber o produto  em casa em um breve tempo ou retirá-lo na loja física. Além de facilitar o atendimento pelos canais de compras, esse modelo oferece conveniência, qualidade e o investimento ao varejista é reduzido. Afinal, esses espaços de armazenagem são menores do que um galpão logístico tradicional. Na prática, esses empreendimentos lembram o tamanho e localidade de um comércio de proximidade, pois normalmente estão localizados em centros urbanos. 

O conceito de dark stores não é novo, mas tem se tornado mais popular agora, depois da pandemia. Por que isso aconteceu? 

VZ: É praxe que os consumidores busquem mais comodidade, qualidade e valor na hora de fazer suas compras. A pandemia apenas acelerou esse movimento, que já era crescente, de ampliação do consumo online. Acontece que muitas lojas físicas não estavam preparadas para atender as demandas de seus e-commerces. Muitas não tinham um planejamento logístico consistente, com centros de distribuições, transit points e dark stores.  Agora, o varejo começou a buscar soluções de arquitetura para se adaptar a essa realidade e, por isso, aumentou o interesse pelas dark stores. Particularmente, considero uma estratégia inteligente porque essas lojas não demandam grandes investimentos de arquitetura ou manutenção, têm localização central, exigem áreas físicas menores, aumentam a visibilidade da marca e ainda ampliam a satisfação do cliente — que pode retirar o produto comprado de forma rápida e prática, como o clique e retire.

Você disse que uma das vantagens desse modelo no varejo é a conveniência. Por quê?  

VZ: Se pararmos para pensar, ninguém quer passar horas para realizar uma compra, nem esperar muito tempo para receber um produto em casa. As dark stores solucionam esses dois problemas. Isso porque elas oferecem economia ativa, 24 horas por dia e 7 dias por semana, possibilitando o máximo de flexibilidade ao cliente para realizar uma compra. Tudo sem fila, espaços lotados e sem problema de estacionamento. Assim é mais fácil compreender o porquê dessa logística funcionar. 

Quais os ganhos dessa solução para os varejistas? 

VZ: Como são modelos menores de galpões logísticos, o investimento não é tão alto quanto investir em um centro de distribuição, por exemplo. E eles são colocados em áreas residenciais, em pontos estratégicos para atender a todos. Pelo espaço não oferecer essa opção de presença física para comprar, os lugares podem ser menores e exigirão menores custos na manutenção estética. O projeto de arquitetura é otimizado, focando na organização do espaço e em estratégias para facilitar as retiradas dos produtos. Além disso, a qualidade e o frescor dos produtos (no caso de alimentos) poderão ser melhor gerenciados. Pelos produtos serem vendidos online, poderão ser armazenados em condições ideais, sem exageros e sem a preocupação de algo faltar. Além disso, nas dark stores os donos do varejo podem controlar melhor o estoque, evitando desperdícios. 

E para os clientes? 

VZ: Oferecer a possibilidade de escolher se quer receber o produto ou fazer a retirada, passa segurança e satisfação. Se o consumidor tiver urgência e preferir não esperar o serviço de entrega, a opção do clique e retire é rápida e com fácil acesso, já que o espaço não está distante de bairros residenciais. Além disso, pelo lugar estar bem localizado, o valor do frete também é reduzido na hora do fechamento da compra.

Transit Point: investimento com retorno certo!

Tempo de leitura: 4 minutos

Com a pandemia, as vendas pela internet dispararam no Brasil. Foram 301 milhões de compras apenas em 2020, de acordo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Alta de 68% em relação ao ano anterior. Nesse cenário,  cresceu também a pressão por entregas mais rápidas a custo cada vez menores, fato que tem levado grandes varejistas a reverem seus processos de logística e distribuição. Para eles, temos uma ótima notícia: existe uma solução arquitetônica econômica e eficiente, capaz de reduzir significativamente os custos e os prazos de entrega de uma loja virtual. Trata-se dos  transit points —  pontos intermediários de armazenagem e logística que atende regiões distantes dos armazéns centrais. 

“Com o crescimento do e-commerce, cresce a demanda por galpões logísticos menores e em maior quantidade, localizados mais próximos dos centros urbanos para atender mais regiões e com mais agilidade. Muitas empresas adicionaram ao modelo tradicional de ter um centro de distribuição central, vários transit poits, com várias unidades menores e mais dispersas geograficamente”, explica Vera Zaffari, CEO da VZ&CO, escritório de arquitetura especializado em varejo, com histórico de projetos voltados aos centros de distribuição, transit point, cross docking, condomínio logístico etc.

Investir em transit points é uma  estratégia-chave para empresas interessadas em expandir suas operações online.

“A gestão eficiente da logística confere um melhor desempenho para o varejo.  Para a indústria, é um espaço de armazenamento de produtos saídos da linha de produção. Para o comércio, é um armazém logístico para organizar mercadorias vindas de diversos fornecedores, para serem consolidadas e enviadas para as redes de lojas ou consumidores”, acrescenta Vera. 

As operações realizadas em transit point são fundamentais para  reduzir  custos, organizar processos, eliminar pontos de estrangulamento, melhorar a gestão de riscos e dos estoques, além de agilizar a distribuição dos produtos. Assim, a empresa é capaz de oferecer ao cliente uma melhor experiência na compra, fato que aumenta a satisfação, a fidelidade e os índices de recompra. 

 

AS VANTAGENS DO TRANSIT POINT NO VAREJO

Diferentemente dos centros de armazenagem comuns, o transit point é um galpão logístico menor e não um espaço para o estoque de produtos.  Por ser menor e estar estrategicamente localizado nos pontos mais próximos dos centros urbanos, eles são capazes de atender com mais eficiência e rapidez as áreas mais afastadas dos armazéns centrais, atuando como um corredor de passagem das mercadorias. 

Por não exigir grandes estruturas de armazenagem, eles são financeiramente econômicos tanto no momento da construção quanto na manutenção dos espaços. 

“Os transit points  não necessitam de um grande investimento construtivo. Trata-se de uma estrutura mais simples e gerencial, para controlar a distribuição dos produtos”, exemplifica Vera. 

Outra característica importante destes galpões: as mercadorias que chegam já têm seus destinos definidos. Cada produto  já chega com a respectiva nota fiscal endereçada aos clientes finais, podendo ser expedidos imediatamente para a entrega local. Isso acaba otimizando e conferindo maior agilidade às operações da empresa. 

PROJETOS DA VZ&CO 

 

A VZ&CO tem em seu portfólio diversos  projetos na área de transit point, centros de distribuição (CD) e galpões logísticos. No momento, temos dois projetos em execução: a expansão de um CD da Leroy Merlin e um armazém logístico que será inaugurado nos próximos meses na cidade de Dois Irmãos (RS).  

A expansão do CD da Leroy Merlin visa a automatização do sistema integrado de armazenagem de pisos. A área total conta com 21.163m², aproximadamente.

“Este será o primeiro CD da Leroy Merlin para armazenagem de pisos e sua aplicação implica em cuidados especiais no Brasil. Desenvolvemos o layout implementando as salas de administrativos, sanitários, docas de recebimento e expedição, circulação externa e interna etc, e estamos atuando ativamente na compatibilização dos projetos complementares de contenção, estruturas de concreto e metálica”, explica o arquiteto Bruno Garcia, da VZ&CO.

Além dessa expansão, o escritório também está em curso com o case de um armazém logístico na cidade de Dois Irmãos (RS). Em um espaço de quase 37000 m², a VZ&CO projetou o plano de arquitetura para o melhor funcionamento do condomínio logístico, além de agilizar processos. 

“Fizemos um estudo do terreno para saber o que iria funcionar. Era mais estreito, com a largura inferior ao comprimento, então projetamos com atenção para a circulação de caminhões, com o pátio de manobras e as docas em apenas um lado do galpão industrial. Isso auxilia a logística de operação do cliente”, conta Vera Zaffari. 

Outro ponto importante da execução da obra: os arquitetos do projeto também pensaram em possíveis ampliações do espaço conforme a necessidade das demandas. “O projeto está sendo desenvolvido em fases e tem previsão de duas ampliações no futuro. Por isso, norteamos a setorização do CD, determinando a posição das docas, do estacionamento e da área administrativa em espaços que podem ser ampliados”, finaliza Vera.  

 

Desmistificando o BIM

Tempo de leitura: 4 minutos

Uma ferramenta prática, eficiente e que foca resultados. Esse é um resumo das entregas do Building Information Modeling (BIM), uma das metodologias de modelagem de projetos mais potentes do mercado. Se você ainda está em dúvidas sobre migrar seus projetos para ele, precisa ler esta matéria.  Aqui, a VZ&CO — que utiliza o BIM em seus projetos desde 2014 — desconstrói 4 mitos sobre a implantação da ferramenta. Confira:

1 – Arquitetura em BIM é mais cara? 

Quando se fala em implementar o BIM, a maioria das pessoas reluta por achar que a mudança pode ser muito cara — um pensamento estranho para quem conhece os benefícios de um projeto correto na execução de uma obra, como os arquitetos. É fato que existe um custo inicial para a mudança dos processos de trabalho, mas assim como em qualquer reforma, o investimento se paga e traz retorno.  Especialmente porque  todo o valor de implantação é compensado pelo ganho de eficiência dos processos internos. Afinal, no BIM evita desperdícios, refação de trabalhos e gera mais confiança para o cliente orçar a obra.  

Outro ponto importante: o sistema conta com uma logística segura. Isso facilita o cálculo da construção e agiliza o processo.

“Uma das vantagens de projetar utilizando o BIM é estimar custos com maior precisão, gerir e diminuir os gastos com processos materiais. À medida em que vamos alterando informações no modelo, o quantitativo é alterado simultaneamente. As informações ficam salvas em tabelas explicativas, dando mais clareza para o cliente entender o que foi feito”, explica a gestora de produção da VZ&CO, Graciela Zaffari.  

2 – O BIM é complexo?

 Não, não é. Assim como em qualquer outro sistema informatizado, é  fundamental treinar a equipe na ferramenta para que ela possa aproveitar todas as funcionalidades do BIM.  Mas a modelagem, em si, não é difícil de executar. Nós, da VZ&CO, buscamos facilitar a introdução dos nossos clientes no processo BIM, junto aos seus setores internos de projetos e obras, facilitando o processo e o manuseio do modelo, assim como agilizando o aprendizado do time.

3 – O BIM é só mais uma representação de modelo 3D

De jeito nenhum!  Por mais que o BIM faça uma representação visual do projeto, ele entrega muito mais do que visualização em três dimensões.  O sistema ajuda a produzir conjuntos de dados digitais e bancos de dados com informações gráficas e não gráficas do projeto. Além do detalhamento de forma virtual, os projetos gerados pode m ser quantificados, coordenados, planejados e podem ter informações recuperadas a qualquer momento, pois o registro fica salvo. São até 8 dimensões de informação que tornam a modelagem do projeto muito mais precisa e eficiente.

4 – O BIM é um software 

 Engana-se quem pensa assim. O BIM não é um software, é uma metodologia de modelagem capaz de aumentar significativamente a precisão e a previsibilidade de um projeto.  A implementação dele traz mudanças em pessoas, processos e tecnologias. Além disso, facilita a comunicação e a colaboração, deixando a modelagem de projetos mais ágil, facilitando os fluxos e a conversa à distância entre diferentes disciplinas. Essa melhoria na gestão do projeto reflete diretamente na redução de erros e no aumento da produtividade de todo o time. 


Otimizando o BIM  

A VZ&CO é referência no suporte à implantação do BIM em empresas. Desde 2014, trabalhamos com essa tecnologia e, desde então, aprendemos a otimizar a metodologia para  impulsionar, ainda mais, nossos  resultados e a qualidade da gestão. 

Listamos, a seguir,  alguns aplicativos complementares que podem ser adicionados ao BIM.  Saiba como elas são aplicadas ao nosso escritório e  como podem ser vantajosas para o seu negócio:

Navisworks – É um software criado para prever falhas de compatibilização, realizar a gestão do projeto ou a obra com a possibilidade de coordenação, integração, análise de custos e logística. Com essa ferramenta, é possível mapear elementos que só eram percebidos na obra. 

Visualização 360º – Com essa ferramenta, é possível oferecer ao cliente uma visualização mais clara do projeto, realizando uma verdadeira tour virtual pelo projeto para que ele consiga entender o espaço. 

Automação com Dynamo ou Phyton – Uma complementação que permite automatizar tarefas e  entregar resultados ainda mais confiáveis, tendo o especial cuidado no gerenciamento, que deve ser  entregue dentro do prazo. 

A  implementação dessas ferramentas trouxeram  resultados positivos na cultura do trabalho, permitindo a colaboração e agilidade nos processos. Os clientes também sentiram a melhora e os benefícios ao receberem os projetos detalhados, por exemplo.

Arquiteta de futuros

Tempo de leitura: 4 minutos

O sotaque não deixa dúvidas: a arquiteta Vera Zaffari é gaúcha, nascida em Cachoeira do Sul. Filha de empresário da Construção Civil e de empresária no ramo de alimentação, ainda criança, descobriu sua paixão pela arquitetura. Em vez de pentear as bonecas, preferia criar casas e ambientes para elas. Interessada por aquele universo, passou a vivenciar com o pai nas obras e entendeu que ali estava o seu futuro. 

“A arquitetura foi sempre a minha paixão. O cheiro da obra, a convivência diária desde pequena em construções, me moldaram e me tornaram o que sou hoje”, comenta Vera, que além de arquiteta, é  uma empreendedora respeitada, com projetos espalhados pelo Brasil, Uruguai e Argentina. 

 

Formada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), de Porto Alegre (RS), Vera aprendeu já no primeiro estágio a se destacar profissionalmente. Antes mesmo de se formar, assumiu a liderança de vários projetos, aprendendo a lidar não só com a execução de projetos, mas também com os clientes. Resultado? Aos 23 anos, foi  convidada a virar sócia do escritório onde atuava.

Depois de alguns anos na profissão, a arquiteta percebeu que havia adquirido uma especialização na área que mais lhe dava prazer: a arquitetura comercial, em função das empresas que atendia. Em 1998, ela deixou a antiga sociedade para empreender por conta própria. Apesar de sentir o frio na barriga —  por ser uma mulher em uma época em que a arquitetura era majoritariamente dominada por homens —, ela  não desanimou e encarou o desafio. Nascia assim a VZ&CO. 

“Não foi fácil impulsionar o meu próprio negócio, mas as portas foram se abrindo por conta da qualidade dos projetos e pela determinação de sair vencedora – era vencer ou vencer. Fui convidada a participar de uma rodada de seleção de escritórios de arquitetura para atender uma grande rede varejista multinacional”, recorda Vera. 

A disputa somou 44 escritórios e deu à Vera o segundo lugar na classificação geral. Foi o suficiente para ela ser contratada. Esse primeiro grande cliente está até hoje na VZ&CO — mais uma prova da excelência não só dos projetos, mas do atendimento do escritório ao varejista.

E vale destacar: a VZ&CO coleciona prêmios em Gestão de Qualidade e projetos de arquitetura, como você pode conferir nesta linha do tempo da empresa

 

GESTÃO INOVADORA  

Logo que começou a empreender, Vera entendeu a importância de ser inovadora para criar diferenciação. Por isso, ela investiu fortemente na qualidade da gestão e na entrega de resultados para os clientes. 

“Nunca quis que a VZ&CO fosse apenas mais uma empresa de arquitetura, mas sim um nome de referência no mercado. Por isso,  fiz inúmeros cursos e MBA em Gestão Empresarial para entender e saber como posicionar o escritório como uma corporação inovadora, que preza pela gestão da qualidade, para entregar resultados e confiabilidade aos clientes”, afirma. 

Há 22 anos no mercado,  a VZ&CO se especializou  em arquitetura comercial e de varejo, mas também tem em seu portfólio projetos em hotelaria, centros de distribuição, restaurantes, arquitetura hospitalar e projetos de renovação e restauro de prédios antigos. 

“Nosso compromisso é entregar um trabalho inovador de qualidade, por meio de tecnologias e práticas sustentáveis. Como gestora,  busco manter relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros, sempre pensando em como deixar o escritório alinhado com o futuro”, complementa Vera.

 

BIM


 

Inovação é um conceito importante na vida de Vera Zaffari. Sempre em busca de trazer mais e melhores resultados para os clientes, ela faz questão de investir em novas tecnologias capazes de agregar valor na realização de projetos, melhorando tanto a qualidade quanto o tempo de entrega.

Em 2014, depois de realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil , Vera decidiu implantar uma das mais modernas ferramentas de modelagem de projetos na VZ&CO: o Building Information Modeling (BIM). Objetivo? Tornar os projetos da empresa o mais precisos e confiáveis possível.

“Por meio do BIM, conseguimos impactar de forma positiva a cultura de trabalho dos nossos arquitetos e, também, os projetos apresentados aos clientes. Por ser uma ferramenta  com foco em resultados, o BIM  interliga todas as partes interessadas, diminui custos, acelera processos de execução e muito mais”, explica.

Sempre em busca de melhores processos e resultados, Vera e equipe estão sempre estudando novas funcionalidades e pluggins para a ferramenta, Com isso, a metodologia está sempre evoluindo, ajudando a VZ&CO a fazer a gestão de projetos de forma assertiva, otimizando a gestão do tempo de obras, evitando custos desnecessários, maximizando o investimento dos clientes.  Outro ponto importante é a visualização do projeto, que pode alcançar a dimensão até 8D ou mais.  

O uso do BIM  também facilita a colaboração e a comunicação a distância, fazendo com que os erros sejam reduzidos e a produtividade seja aumentada. Esse resultado traz confiança na documentação final”, conclui a executiva, que percebeu na sua experiência com a ferramenta uma oportunidade de negócio. Hoje, além de realizar projetos de arquitetura comercial,  a VZ&CO também apoia  empresas com grande fluxo de projetos comerciais a fazer a transição para o BIM. 

Para finalizar, Vera nos conta qual seria — para ela — o segredo do sucesso: “Eu acredito muito na tecnologia e na inovação, por isso as uso em favor de melhorar a qualidade do trabalho que entrego no meu escritório. Como gestora, faço questão de  oferecer o melhor para quem nos contrata e estamos sempre evoluindo para fazer a diferença e trazer resultados felizes para todas as partes interessadas”. 

Comércio de proximidade ou e-commerce: quem conquistará o coração dos clientes após a pandemia?

Tempo de leitura: 2 minutos

Em um mundo pós pandêmico, as pessoas vão estar carentes de presença física e loucas para sair de casa ou cada vez mais dispostas a continuar comprando pela internet? Essa é uma dúvida que vem inquietando os varejistas não apenas do Brasil, mas do mundo. O que poucos deles perceberam é que não precisa haver uma disputa entre os mercados de proximidade e os e-commerces. Cada um deles atende, à sua maneira, públicos distintos. Em alguns casos, inclusive, eles podem somar forças. Confira:

 

 

MERCADOS DE PROXIMIDADE

Direcionado para compras rápidas e selecionadas, os mercados de proximidade são ideais para quem gosta de ver de perto o que está comprando.

 

No caso de hortifrutis, por exemplo, muitas pessoas preferem escolher a dedo, pessoalmente, o que vão levar para casa. Esse tipo de consumidor,  que gosta de ver de perto o produto, não gosta de fazer compras por site ou aplicativo”, explica Vera Zaffari, arquiteta e fundadora da VZ&CO.

 

Para esse público, o mercado de proximidade é uma excelente opção. Localizados em pontos estratégicos — dentro de bairros com demanda para consumo — eles contam com opções diferenciadas de produtos. Grandes marcas como o Grupo Pão de Açúcar (GPA) e o Carrefour, já investem no conceito.

No Brasil, esse tipo de mercado já corresponde por 40% do volume de compras do varejo. Os dados são da GFK — empresa alemã especializada em estudos de mercado,

 

E-COMMERCE

Comprar pela internet é sinônimo de praticidade. No primeiro semestre do ano passado, cerca de 7,3 milhões de brasileiros fizeram compras online de acordo com um levantamento feito pela Ebit/Nelson — plataforma de opinião de consumidores do Brasil. A estimativa é que as vendas aumentem 26% em 2021.

 

O e-commerce não vai perder força. É um segmento que tem se reinventado e investido na melhoria da experiência dos clientes por meio de novas tecnologias, como a inteligência artificial”, comenta Rubiane Schneider, arquiteta da VZ&CO”.

 

O perfil de quem compra online, no entanto, é bem específico. Normalmente são pessoas que dominam as novas tecnologias da informação, levam uma vida corrida e não sentem prazer em sair para comprar alimentos. “Os clientes do e-commerce não são os mesmos dos mercados de proximidade. Em nossa experiência com arquitetura de varejo, fica claro que existe espaço para ambos”, destaca Vera.

 

SOMANDO FORÇAS

Grande marcas do varejo já entenderam que a melhor maneira de atender bem aos diferentes perfis de  consumidor é investindo em ambas as tendências. Por isso, o Grupo Pão de Açúcar (GPA) fortaleceu suas plataformas de venda online em 2020 e, em paralelo, apostou na bandeira Minuto — uma versão menor e mais personalizada de seus mercados.

No início desse ano, a rede inaugurou mais uma loja na Avenida Marechal Mallet, em Praia Grande (SP). O projeto foi assinado pela VZ&Co, que está planejando outras quatros lojas, que serão inauguradas ainda este ano. No total, o GPA pretende lançar mais 30 lojas nesse conceito de proximidade.

Qual o resultado desses investimentos? Em 2020, as vendas da marca Pão de Açúcar — on-line e off-line —  cresceram 334,1% em relação ao ano anterior.  Um recorde de crescimento, que garantiu um faturamento líquido de R$  2,7 bilhões para o varejista.

VZA projeta expansão de Lojas Eliane

Tempo de leitura: 2 minutos

eliane2O escritório VZA – Vera Zaffari Arquitetura elaborou o novo projeto dos pontos de venda das Lojas Eliane, rede de varejo de roupas e calçados em franca expansão pelo interior dos estados de São Paulo e Paraná.

elianeAs mudanças representam uma mudança de posicionamento da empresa, que iniciou suas atividades com uma pequena loja em Carlópolis (PR) e hoje busca uma profissionalização em sua gestão.

eliane3“O projeto de Piraju, quarta loja, tem como premissas básicas favorecer o autosserviço e criar ambientes que conversem com seu público-alvo, sem perder o jeito de ser de cidade do interior, onde todos se conhecem”, especifica Vera Zaffari. Facilitar a operação para poder crescer sem perder a identidade é o principal desafio a ser vencido pelo projeto de arquitetura comercial. “Trabalhar com um projeto de loja que seja facilmente replicável, mas que tenha uma conceituação firme, consistente, se faz necessário no momento de expansão das redes de varejo”, ensina a arquiteta.

 

Veja os novos ambientes da Luel projetados pela VZA

Tempo de leitura: 2 minutos

Luel_fachada-1024x682Um dos mais recentes projetos finalizados pelo escritório VZA – Vera Zaffari Arquitetura é o da loja Luel, localizada na Av. Ipiranga, em Porto Alegre.

A proposta era remodelar o espaço, que a partir de agora é destinado para variados segmentos de decoração e móveis planejados. Era preciso criar ambientes como em uma residência, para que o público entrasse e vislumbrasse a sala de estar, a cozinha, a sala de jantar, o quarto, o closet. “Vera Zaffari e sua equipe captaram com exatidão e sensibilidade essa ideia. Tudo ficou melhor do que imaginávamos”, atesta Elvete de Oliveira Garcia Sá, diretora da loja.

Confira os ambientes projetados por Vera Zaffari e como ficou a nova loja Luel:

SALA DE ESTAR

Luel4

 SALA DE JANTAR

Luel

COZINHA

Luel5

 QUARTO DO CASAL

Luel6

 QUARTO DE SOLTEIRO

Luel3

Graciela Zaffari e o trabalho pela qualidade na VZA

Tempo de leitura: 2 minutos

Foto: Tiago TrindadeO padrão de qualidade do escritório VZA – Vera Zaffari Arquitetura é construído diariamente, com práticas de gestão atuais e de resultado comprovado – um trabalho reconhecido pelo Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP) com a Medalha (2012) e o Troféu Bronze (2013). Braço direito de Vera Zaffari no escritório, a arquiteta Graciela Zaffari (foto) trabalha para garantir essa qualidade. Como gerente de produção, ela organiza o trabalho, equilibra demandas, chama parceiros das áreas complementares para demandar projetos e otimiza o trabalho para que tudo ande de forma fluída – e para que novos projetos possam ser entregues ao cliente atendendo às suas necessidades. “Com o PGQP, aprendemos a identificar necessidades instrumentais que melhor nos ajudam na organização dos sistemas. Procuramos distribuir os projetos de acordo com os perfis de nossos profissionais para atendermos as necessidades dos clientes com excelência, rapidez e inovação”, teoriza.

VZA_GMMUma das atividades que integram o plano de ação na gestão de qualidade da VZA é o Good Morning Meeting. Trata-se de uma reunião semanal, sempre às segundas-feiras pela manhã, em que os líderes de equipe trocam informações sobre os novos projetos, atualizam os dados dos trabalhos em andamento e discutem indicadores e ideias para novas ações na empresa. “Filtramos todos os projetos do escritório e os organizamos, unificando a linguagem para o cliente”, conta Graciela. O tema da reunião é escolhido conforme a demanda. Reuniões quinzenais e um fórum de melhorias também fazem parte do escopo do trabalho pela busca de qualidade no dia a dia do escritório. “A comunicação entre os arquitetos é fundamental. Projetos de grandes clientes, dos quais vários profissionais participam, precisam estar alinhados. Nas reuniões podemos esclarecer dados, tirar dúvidas, vemos no que um e outro pode auxiliar, estabelecemos prioridades, orientamos mudanças”, especifica Graciela.

verazaffariA trajetória, o conhecimento e as experiências de Graciela colaboram em seu trabalho de busca da qualidade. Ela destaca o trabalho na Enia, em Paris (acima, Graciela e Vera Zaffari com diretores da agência). “Trata-se de um escritório no estilo ‘descolado’, como o Google costuma ser. Eles participam de muitos concursos, o que é comum na Europa. O fato de trabalharem com projetos grandes, empreendimentos de até 70 mil metros quadrados, renovou minha experiência. Lá os projetos são mais direcionados à criação e os profissionais visitam mais a obra, o arquiteto tem maior poder de decisão”, relata.

Museu em Miami expõe arenas da Copa

Tempo de leitura: < 1 minuto

beirarioO Coral Gables Museum, na Grande Miami, apresenta a exibição “12 Stadiums, 12 Cities”, que traz imagens e maquetes de todos os estádios projetados para a Copa do Mundo no Brasil. O foco é a arquitetura esportiva de ponta, a sustentabilidade dos estádios e a diversidade cultural do Brasil representada pelo conjunto das 12 cidades (na foto, o Beira-Rio, em Porto Alegre).

12Stadiums12Cities-dates-440-logoDurante a exposição, que pode ser conferida até 14 de setembro, o museu também apresenta uma programação paralela, que inclui a transmissão dos jogos da Copa na praça externa do Museu, uma palestra com arquitetos que projetaram alguns dos estádios, a exibição de filmes e palestras sobre cultura brasileira, música, e futebol, além de oficinas de arte e cultura brasileira para crianças.