Posts

Laghetto Viverone: quando a arquitetura de hotel gera valor para a marca

Tempo de leitura: 5 minutos

O mais novo hotel da rede Laghetto Viverone, localizado na cidade de Canela, na Serra Gaúcha, tem a assinatura da VZ&CO. O conceito do projeto traduz a cultura e o aconchego da região, famosa por sua hospitalidade e um dos destinos turísticos mais visitados do país.

Em 2016, recebemos o convite da Forma Espaços — cliente com o qual já desenvolvemos outros projetos de arquitetura de hotel — para projetar um novo complexo para a rede Viverone. Para tanto, tivemos de unir um programa de necessidades bem arrojado, em um terreno repleto de desafios e, ainda, atender à legislação municipal, que nos trazia várias limitações.

O programa de necessidades buscava, além de um projeto de arquitetura de hotel, uma experiência completa de hospedagem em um espaço contemporâneo, multifuncional e ainda aconchegante, que traduzisse a experiência de hospedagem da Serra Gaúcha. Buscamos, através da escolha dos materiais, traduzir essa cultura que tanto se buscava: os tons de cinza remetem ao frio e a madeira traz o aconchego da hospitalidade.

Além da hospedagem, esse projeto de arquitetura de hotel contempla, no pavimento do acesso principal, espaços do lobby e vários lounges. Junto a estes, projetamos espaços de lazer como piscina térmica, espaço fitness, sauna, kids, jogos, além de um restaurante, um centro de convenções e ambientes com cobertura de vidro que fazem a ligação entre as torres na base.

O terreno possui um aclive de mais ou menos 4m, que foram totalmente aproveitados na proposta de projeto de arquitetura do hotel. Como tínhamos restrições de altura em função da legislação, aproveitamos o declive para criar áreas de subsolo semi-enterradas, viabilizando então o estacionamento e as áreas de serviço que não demandam conexão com o meio externo.

Todo o projeto de arquitetura do hotel foi desenvolvido através da metodologia BIM, que nos proporcionou elaborar estudos precisos e completos da topografia local. Conseguimos entender os volumes de escavação e aterro para definir, junto ao cliente, os níveis de projeto e custos de implantação.

Com os níveis validados, tivemos de realizar diversos estudos de layout que atendesse todo o programa de necessidades que a rede Laghetto Viverone exigia para o padrão desta arquitetura de hotel. Com isso, o projeto foi dividido em base e torres. Estas últimas foram divididas em três para atender tanto às exigências da legislação local quanto ao número de apartamentos necessários à operação do hotel. As torres abrigam os apartamentos, que são conectados através da base/térreo onde se encontram todas as áreas de lazer e recepção.

Soluções de projeto

Entre as soluções do projeto de arquitetura de hotel, podemos destacar algumas determinantes para a estratégia de aproveitamento máximo do terreno e de viabilidade para a obra:

Aproveitamento do aclive do terreno para concepção do subsolo

Tiramos partido da topografia do terreno, aliado às estratégias de setorização dos usos, deixando todas áreas de serviço no espaço menos nobre do terreno. Também mostramos ao cliente um estudo de custos de movimentações de terra, antes mesmo de a obra começar — uma análise que só foi possível pelo uso da metodologia BIM.

 Aproveitamento máximo das alturas limites da legislação

Como tínhamos uma limitação de altura em função da legislação municipal, realizamos o aproveitamento máximo das alturas permitidas no projeto de arquitetura do hotel. Nas áreas de sótão, sob o telhado, inserimos suítes com o madeiramento do telhado aparente. Tal solução proporciona um ambiente aconchegante, trazendo um ganho de áreas e uma experiência diferenciada ao hóspede, similar às residências da Serra Gaúcha. Esse aproveitamento foi fruto de muitos estudos no BIM em relação às alturas do telhado, respeitando os valores mínimos exigidos e o conforto dos usuários.

Tecnologias construtivas para reduzir o tempo de obra

Na base das torres tivemos de utilizar um sistema construtivo convencional com vigas, pilares e vedações em função dos grandes vãos exigidos pelos usos. Já nas torres, pela facilidade de modulação, conseguimos viabilizar o uso de alvenaria estrutural e steel frame no sótão — tecnologias construtivas que proporcionam uma maior velocidade e assertividade na obra, reduzindo os tempos de execução. Diversas compatibilizações foram realizadas no BIM para proporcionar essa conexão entre tecnologias construtivas diversas e modulações.

Coberturas leves na conexão entre torres

Para ampliarmos as áreas de lounge/lazer na base e ainda proporcionar a conexão entre as torres, coberturas metálicas foram projetadas para dar maior permeabilidade e leveza ao projeto. Essas coberturas foram pensadas de forma a criar espaços mais contemplativos e conectados ao ambiente externo, com o seu teto e painéis em vidro que permitem uma maior visualização sem contar com a ampliação da iluminação natural nesses espaços.

Planejando um conceito

Aconchego, conforto, experiência e a sensação de lar, esses foram os conceitos utilizados para criação da arquitetura de hotel do Laghetto Viverone Canela. Trazer aos hóspedes do hotel, uma experiência diferenciada e única, através da arquitetura. 

Pensamos em cada detalhe no projeto para que a arquitetura estivesse totalmente conectada a paisagem da Serra Gaúcha, criando espaços contemplativos, materialidades da região e que traduzisse essa experiência.

O conceito do projeto mescla o contemporâneo e a cultura através do uso de telhado, pele de vidro, grandes aberturas de vãos e tudo conectado em meio às cores que se mesclam à paisagem. Nossa maior preocupação foi sempre privilegiar o espaço onde estamos inseridos, respeitando o entorno. 

Projeto de interiores: Silvia Benedetti

Visão estratégica

A contratação da VZ&CO para a realização deste projeto de arquitetura de hotel agregou enorme valor ao Hotel Laghetto Viverone. Nossa equipe conseguiu ampliar a capacidade de hospedagem do empreendimento, aumentando, portanto, sua capacidade de gerar resultados.  Além disso, nossa experiência no mercado de varejo trouxe ao empreendimento uma visão mais estratégica de como potencializar a experiência do hóspede em espaços de uso comum, como o restaurante, as lojas de conveniência e os salões de eventos.

Para completar, o uso da metodologia BIM trouxe mais precisão para o projeto e assertividade para a obra. Um projeto de arquitetura de hotel que tem tudo para conquistar a Serra Gaúcha.

Projeto de interiores: Silvia Benedetti

 

GALERIA DE FOTOS


FICHA TÉCNICA

  • Nome do cliente: Forma Espaços
  • Projeto: Hotel Laghetto Viverone
  • Localização: Canela (RS)
  • Categoria: Hotel
  • Ano: 2020 Área: 11.389,57m²
  • Desafio: Criar um complexo hoteleiro multifuncional, que oferecesse uma experiência completa ao cliente, unindo hospedagem de alto padrão, comodidade, lazer, gastronomia e a possibilidade de participar/realizar grandes evento
  • Diferenciais: Projeto realizado dentro de um terreno em aclive, aproveitando ao máximo os espaços disponíveis; Adequação à legislação do município, prevendo o uso de telhados e de materiais originais da Serra, para combinar os elementos e traduzi-los em projeto de arquitetura de hotel contemporâneo e de destaque para a cidade; Além de projetar áreas de lazer aos hóspedes, o projeto de arquitetura do hotel também previu espaços para abrigar eventos de grande porte, com salas de convenções em um pavimento exclusivo.

BIM e arquitetura: como essa união aumenta a produtividade na Construção Civil

Tempo de leitura: 4 minutos

O futuro da indústria da construção civil já começou. Em 2017, um estudo apresentado no Fórum Econômico Mundial apontou que, nos 10 anos seguintes, essa indústria passaria por transformações tecnológicas e de inovação para tornar os processos mais produtivos, evitando desperdícios. E tudo isso seria possível por meio dos projetos desenvolvidos em BIM — metodologia utilizada para projetar, gerenciar e compatibilizar todas informações de um projeto ou obra.

De acordo com o Fórum, a perspectiva é que a  construção civil seja planejada e simulada em todas as etapas por meio do BIM por se tratar de uma tecnologia que oferece recursos e condições para gerar mais impacto de produtividade na indústria 4.0. Para se ter uma base, a implementação do sistema pode reduzir os custos totais do ciclo de vida de uma construção em 20%, assegurando melhorias no tempo de conclusão.

Nas construções de prédios comerciais, por exemplo, o estudo de caso realizado pelo Boston Consulting Group empresa de consultoria americana especializada , apontou que o impacto no custo total do ciclo de vida reduziria em 15%. Já no tempo de construção, em 30%.

Passados cinco anos da divulgação do estudo, é possível perceber como o BIM e suas tecnologias vêm impactando positivamente a indústria da arquitetura e da construção civil. Tendo em vista os resultados positivos na eficiência e economia de recursos com o uso da metodologia, em 2017 foi criado o Comitê Estratégico de Implementação da plataforma BIM, com o intuito de definir estratégias e diretrizes para estimular o desenvolvimento e implantação da tecnologia no Brasil. Para a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a expectativa é que ocorra um aumento de 10% na produtividade do setor com a implementação da metodologia BIM em larga escala no país.

Nos projetos de arquitetura, o BIM, além de conseguir simular todas as etapas de qualquer obra [antes, durante e o pós-construção], permite o acompanhamento real dos projetos e simulação digital da construção. As representações dos projetos em BIM são feitas em 3D e possibilita a detecção de conflitos entre disciplinas envolvidas.

Além da modelagem de um projeto de arquitetura, o BIM conta com uma logística segura, auxilia no controle de custo, possui ferramentas com foco na sustentabilidade e é totalmente interdisciplinar. 

Um passo à frente

Três anos antes do BIM ser citado no Fórum Econômico Mundial, a VZ&CO já tinha implementado a metodologia  por meio do Revit. A tecnologia otimizou a gestão entre as diferentes equipes, garantindo projetos significativamente mais compatibilizados e assertivos, dando mais eficiência no fornecimento de dados e precisão nas informações de um projeto.

Por ser uma metodologia totalmente inovadora e tecnológica, o BIM também permite a criação de aprimoramentos [plugins e ferramentas] dentro do sistema para melhorar não só o funcionamento de cada etapa do projeto de arquitetura ou engenharia, mas a possibilidade de colaboração e comunicação entre os envolvidos da obra. Esse processo reduz erros e aumenta a agilidade na produção da documentação final do projeto – a metodologia BIM permite a compatibilização de todas as informações de um projeto em um sistema seguro de banco de dados.

Benefícios do BIM para setores da construção civil

Redução de erros e incompatibilidades do projeto O BIM é focado em resultados, por isso a tecnologia permite cálculos precisos e assertivos para evitar erros dentro de um projeto de arquitetura ou engenharia. Com as informações compatibilizadas no banco de dados, o BIM permite prever as possíveis incompatibilidades da obra evitando refações durante a construção.

Produtividade – A tecnologia BIM permite o mapeamento de todas as etapas e uma estimativa mais precisa do tempo de execução do projeto e da obra. Por ter um sistema totalmente digital e seguro, com todas as disciplinas envolvidas, é possível monitorar o que está sendo feito  em todas as áreas. Além disso, o BIM reforça a importância do trabalho em equipe por promover  a multidisciplinaridade nos projetos.  

Práticas sustentáveis – O BIM auxilia na redução dos impactos ambientais. Por possuir ferramentas que possibilitam detalhar e medir tudo o que será utilizado em uma obra, a tecnologia permite realizar o mapeamento  do consumo de água, gera dados sobre a eficiência energética do edifício e consegue calcular o consumo de todos os materiais a serem utilizados na construção, o que nos permite buscar soluções mais sustentáveis e que gerem menor quantidade de resíduos durante a etapa de projeto.


Você sabia? 

O governo federal brasileiro publicou, em 2020, o Decreto 10.306 para regulamentar o uso do BIM na execução direta ou indireta de obras e serviços de engenharia ou arquitetura realizada por órgãos e pelas entidades da administração pública federal. A fase de implementação passou a valer a partir de 2021. Países como Reino Unido, Austrália, Canadá e Estados Unidos já exigiam a utilização do sistema  BIM em projetos custeados por seus governos.  

O impacto do metaverso na arquitetura de varejo

Tempo de leitura: 4 minutos

O mercado está mais digital e com o foco bem centrado ao metaverso  universo digital que explora diversas tecnologias, como realidade aumentada, inteligência artificial para criar interações e muito mais. Com a ascensão tecnológica e o avanço da era digital, lojistas e varejistas têm se adaptado para seguir o ritmo e adequar suas lojas físicas às lojas virtuais para continuar oferecendo experiências diferenciadas ao público. Se você ainda está pensando em como o metaverso vai impactar o seu negócio no varejo, nós temos uma excelente notícia: o método abre diversas possibilidades dentro da arquitetura de varejo, permitindo que profissionais da arquitetura desenvolvam soluções inteligentes e que são adaptáveis tanto às lojas físicas, quanto às virtuais.

Até 2024, a previsão é que o mercado do metaverso cresça cerca de R$ 4,5 trilhões e movimente a economia. Os dados são de um levantamento realizado pela Bloomberg Intelligence — empresa global de pesquisa sobre o mercado financeiro.

Pensando na imersão do metaverso e como ele pode transformar o mercado, o Facebook mudou o nome para Meta com o intuito de se aprofundar neste universo virtual e explorar diferentes formas de oferecer experiências diferenciadas aos clientes. Além disso, a gigante da tecnologia pretende abrir lojas físicas no varejo  para ampliar produtos e serviços da marca, como óculos com câmeras embutidas e modelos do Oculus para atrelar a vivência da loja física à tecnologia do metaverso. Excelente estratégia dentro do varejo para atrair o público aos espaços físicos, inovar no atendimento e impulsionar a venda dentro da loja.

Apesar do metaverso ter ganho destaque por causa do anúncio feito por Mark Zuckerberg à sua companhia, grandes marcas do varejo, como a Gucci, Nike, Renner e Carrefour já estão investindo na tecnologia para expandir a atuação e unificar serviços de lojas físicas às digitais.

O varejo no metaverso

Realidade virtual famosa em empresas de tecnologia, o metaverso ganhou espaço no mercado de varejo para ampliar as experiências dos clientes nas lojas e potencializar as vendas no setor. A Renner, cliente da VZ&CO desde 2010, já adentrou neste mercado inovador para expandir o nome da marca e comercializar os produtos das lojas. Em parceria com o Fortnitejogo multiplayer que já trabalha com o conceito de metaverso com diferentes marcas do varejo —, a rede varejista de moda inaugurou uma loja virtual dentro da plataforma online, e ainda realizou um levantamento interativo com os jogadores para selecionar estampas dos catálogos presentes nas lojas físicas da rede de varejo

No varejo de supermercados, o grupo francês Carrefour comprou um terreno no The Sandbox para ampliar a experiência de compras dos clientes da rede de varejo. O domínio corresponde a 30 supermercados e é um investimento para que a rede de supermercados  entenda o que o metaverso proporciona e como ele pode impulsionar as vendas no mercado de varejo.  

Arquitetura de varejo e projetos para o metaverso

Assim como as lojas físicas precisam de um plano de arquitetura, as lojas virtuais dentro do metaverso precisarão seguir um projeto arquitetônico capaz de interligar funcionalidades tecnológicas, programação e design à arquitetura destes espaços para oferecer experiências diferenciadas aos internautas.

Dentro do mercado de metaverso, a arquitetura pode ser feita por meio de uma criação virtual, e ainda ser comercializada por meio de criptomoedas e NFTs. O espaço, além de ser aberto, permite a interação de diferentes profissionais, como arquitetos, designers e programadores, em busca de desenvolver interfaces diferenciadas e de fácil acesso. E isso não está longe do que já é feito dentro da arquitetura e o uso do BIM.

A metodologia digital é utilizada dentro da arquitetura e construção civil para fazer representações em 3D das construções, permitindo a visualização de cada etapa do projeto arquitetônico. No metaverso, o BIM pode ser utilizado para desenvolver e potencializar os projetos de lojas virtuais.  

Confira algumas vantagens:

O BIM é uma metodologia inteligente e focada em resultados. O método, que já fornece representações digitais em 3D, pode ir além do seu uso tradicional, simulando comportamentos reais de uma maneira digital;

Por ser uma inteligência digital, os projetos de arquitetura podem ser adaptados para funcionarem dentro do mundo virtual;

Os dados digitais dos projetos  no metaverso podem ser transferidos e compatibilizados ao sistema BIM.

 

“Talento é mais importante do que presença física”

Tempo de leitura: 4 minutos

Após dois anos de pandemia, muita coisa mudou na VZ&CO. A começar pela forma como trabalhamos. Percebemos que o trabalho remoto não afetou o desempenho da equipe e ainda abriu novas oportunidades para o escritório. Prova disso, é que agora abrimos nossas portas para arquitetos e estagiários de todo o Brasil que, além de terem interesse em BIM, se encaixam ao perfil de valores e cultura do nosso escritório. Hoje, dos 24 profissionais que trabalham conosco, 4 vivem em outros estados — o que trouxe maior diversidade para o time. 

“Antes mesmo da pandemia, fizemos um planejamento de migração para dar suporte a dois profissionais que estavam pensando em morar fora do Brasil. Sabíamos que eram excelentes profissionais. Então procuramos soluções para mantê-los no time, mesmo não estando mais fisicamente conosco. Esse processo prévio nos auxiliou quando precisamos adaptar o trabalho remoto a todos quando começou a crise sanitária”, explica a gestora de produção da VZ&CO, Graciela Zaffari. 

Segundo a executiva, o processo de migração do trabalho presencial para  o remoto no escritório foi fluido, já que a VZ&CO sempre esteve na vanguarda das novas tecnologias. Confira a entrevista:

Vocês tiveram dificuldades para implementar o novo modelo de trabalho?

GZ: Não tivemos e foi um processo simples, ainda bem. Como já tínhamos organizado um ambiente “online” para alinhar a rotina do escritório às tarefas dos nossos arquitetos que foram para o exterior, a migração foi rápida. No dia seguinte, todos já tinham acesso remoto ao sistema da VZ&CO e conseguiam trabalhar normalmente. A adaptação mesmo foi na comunicação. Presencialmente,  usávamos pacotes do Google e fomos fazendo mais estudos para ampliar a comunicação ágil dentro do escritório. Usamos o Slack e o Rocket Chat até migrarmos para o Teams, que é a ferramenta usada para o nosso dia a dia. 

Como foi a decisão de ampliar a divulgação de vagas no escritório para todo o Brasil?

GZ: Nós tínhamos preferência em contratar pessoas perto da gente, especialmente de Porto Alegre (RS). Ainda mais os estagiários, pois pensávamos no acompanhamento profissional, aprendizagens e o percurso entre faculdade e trabalho também. Não queríamos que ficasse pesado e que eles conseguissem desfrutar ao máximo a experiência, com aproveitamento! 

Aos poucos, fomos percebendo que não fazia sentido ficarmos presos a esse pensamento, uma vez que já tínhamos pessoas de outros lugares trabalhando conosco.

O processo de expansão das oportunidades para outros estados começou quando? 

GZ: Agora, em 2021. Primeiro, abrimos oportunidades remotas para arquitetos e foi um processo muito divertido! Recebemos diversos talentos de todos os cantos do Brasil e conseguimos selecionar o que mais se encaixava ao perfil VZ&CO. Depois, com a convivência e os resultados positivos, decidimos ampliar e buscar novos talentos de outros estados brasileiros para compor o nosso time de estagiários. Foi uma seleção acirrada, pois recebemos inúmeros perfis interessantes de cada canto do país. A experiência tem sido única, pois conseguimos expandir nossa visão para encontrar diversos talentos e agregar valor. 

A VZ&CO tem colaboradores em quais estados brasileiros? 

GZ: Hoje, temos arquitetos e estagiários trabalhando conosco do Rio Grande do Sul, Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro. Inclusive, dois dos nossos sócios residem em São Paulo.

Quais foram os ganhos trazidos pelo trabalho remoto?

GZ: Esse modelo nos dá possibilidade de não ficar preso apenas ao eixo do sul, por exemplo. Isso inclui tudo: arquitetos, estagiários, clientes, os nossos parceiros de outras disciplinas etc. Outro ponto importante é a interação entre o time. O sistema digital permite que todos interajam entre si e troquem informações, ideias, estratégias e muito mais. Não há “paredes” ou salas que atrapalhem a comunicação.  É um espaço para todos e é bem legal ver como o trabalho em equipe é forte!  

Para mim, como gestora de produção, também facilitou a implementação de uma comunicação mais  rápida com todos. Antes, quando tinha de passar alguma informação, planejar estratégias e outros assuntos com alguém, precisava esperar a sala de reunião desocupar. Agora, com ajuda das ferramentas digitais de conversação que temos no escritório, conseguimos manter o nosso espaço de conversa bem fluído e rapidamente resolvemos o que tem de resolver.

Como é a interação da equipe? 

GZ: Nos adaptamos para manter a aproximação como se estivéssemos na sede física da VZ&CO. Realizamos dinâmicas para termos um momento de descontração da equipe, fazemos reuniões virtuais diariamente para alinharmos nossas demandas da produção, os projetos que estão sendo executados ou estudados. Isso facilita a organização de cada time. Além disso, mantivemos a nossa reunião de produção e inovação. São reuniões que fazemos para discutirmos ideias, melhorias para as nossas ferramentas, métodos inteligentes de plugins etc. Tudo para manter a qualidade de sempre e tem dado certo. 

Qual a sua visão para o futuro? 

GZ: São inúmeras visões, mas o que penso é: como fazer o trabalho remoto continuar funcionando para todos? Nós tivemos sucesso em 2021 e para 2022, pretendemos seguir o modelo de trabalho que satisfaça toda a nossa equipe, sem exceção. Temos relatos de colaboradores que preferem o modelo remoto, porque gastam menos tempo com deslocamento; temos mães que conseguiram adaptar a rotina e ficar mais tempo com os filhos; pessoas que conseguem se concentrar mais em casa e outras, no escritório; e tem gente que sente falta do ambiente profissional. Estamos atentos a todos. Essa é a visão que tenho, como gestora: um trabalho híbrido e que não exclua ninguém.

Arquitetura e varejo: conheça os detalhes da nova loja C&A

Tempo de leitura: 3 minutos

Iniciar um novo cliente é sempre uma aventura maravilhosa, com muitas trocas e muitos desafios! São reuniões frequentes de alinhamento para entender expectativas e sanar todas as dúvidas para aprender o padrão existente da marca; pensar na aplicabilidade de cada loja e atender o modelo de rollout para garantir a expansão no varejo.

Em 2020, tivemos o prazer de comemorar a conquista de vários novos clientes, entre eles a C&A uma das maiores redes de varejo do mundo. A rede varejista procurou a VZ&CO com um desafio: projetar espaços físicos funcionais que atendesse as necessidades da marca, mantendo a padronização de qualidade para continuar oferecendo as melhores experiências aos clientes.

Alinhamentos iniciais com o cliente

Nós, da VZ&CO, procuramos ir sempre além do que é proposto, visualizando possibilidades de melhoria nos nossos processos internos para não só otimizar, mas oferecer ainda mais qualidade na entrega do resultado final. No caso da C&A, a partir das soluções de padronização recebidas, estruturamos um template BIM com todas as informações necessárias, configurações de materialidade e famílias a serem aplicadas aos projetos para termos a extração de quantitativos mais apurada.  Além disso, criamos checklists e cronogramas para possibilitar a visualização de informações importantes ao decorrer do projeto,  garantindo a qualidade das entregas.

Desenvolvimento do projeto

Em novembro, tivemos a oportunidade de participar da inauguração de um projeto da nossa autoria: a C&A Park Shopping Canoas, localizada na região metropolitana de Porto Alegre (RS). Ter uma loja inaugurando próxima a nossa sede nos proporcionou uma experiência que ainda não tínhamos vivenciado com esse cliente. 

Toda a equipe realizou  o mapeamento preciso do espaço disponível, acompanhou o andamento da obra desde a demolição do shell existente. Essa supervisão possibilitou  a visualização de  interferências e peculiaridades da loja desde o primeiro momento, permitindo que o nosso time compreendesse todo o conceito do projeto para oferecer as melhores soluções de arquitetura e evitar  o surgimento de surpresas no decorrer da obra.

 

Diferenciais e desafios do projeto

O grande diferencial dessa loja é a quantidade de área de fachada para os corredores do shopping. Junto à equipe de arquitetura da C&A, tivemos atenção redobrada para compor uma solução que fizesse sentido em relação ao shopping: estudamos as circulações verticais e horizontais, os sentidos e a intensidade dos fluxos. 

Resultado? Planejamos um acesso totalmente estratégico em frente a subida das escadas rolantes, aplicamos revestimento 3D e logo da C&A em pontos com boa visualização dos consumidores inclusive de outros pavimentos do shopping, com vitrines e fachadas envidraçadas para melhor  visualização dos produtos e  interior da loja.

Outro grande desafio desse projeto foi a coordenação e compatibilização dos projetos de infraestrutura em relação ao projeto estrutural do mezanino. Com o auxílio da visualização 3D dos modelos, a utilização de plugins que detectam colisões e diversos alinhamentos com nossos parceiros, tivemos maior facilidade para organizar o entreforro e entregar um projeto bem resolvido aos executores.

Sucesso na entrega do projeto C&A Park Shopping Canoas

A constante troca entre cliente, projetistas, gerenciadora e construtora foi fundamental para cumprir essa entrega com êxito! A colaboração de todos os interessados em ver essa linda loja inaugurada enriqueceu o processo, ultrapassando os obstáculos encontrados pelo caminho e resultou em uma loja eficiente e completa para seu público e colaboradores.


FICHA TÉCNICA

  • Dados do projeto: C&A Park Shopping Canoas.
  • Endereço: Av. Farroupilha, 4545, Canoas / RS.
  • Ano: 2021 Área: 494.42 m² ABL  e aproximadamente 2.000 m² construídos.
  • Arquitetos: Arq. Vera Zaffari, Arq. Alexia Becker, Arq. Luisa Nunes, Acad. Gabriel Crispim, Acad. Giovanna Parisotto, Acad. Kamila Santos.

Visão de negócios, gestão de projetos e inovação são a chave do sucesso da VZ&CO

Tempo de leitura: 3 minutos

A arquitetura de varejo faz mais do que projetar espaços de compras atraentes e de fácil circulação. Ela ajuda a construir um relacionamento sólido entre o consumidor e a marca, ajudando o varejista a oferecer  uma melhor experiência de compras para seus clientes. 

A VZ&CO se especializou no assunto e oferece as melhores soluções arquitetônicas para o mercado de varejo. E como encantar o cliente faz parte do nosso negócio, desenvolvemos estratégias para oferecer a quem nos contrata a  melhor experiência possível, desde os levantamentos iniciais até o processos executivos do projeto.

“Por aqui, a gente não pensa só em projetar com qualidade, porque isso é o mínimo esperado de um escritório.  Nosso foco é fazer arquitetura comercial com um olhar de negócios, com foco nos resultados. Exploramos e desenvolvemos projetos para melhorar a experiência não só dos nossos clientes, mas dos clientes dos nossos clientes, para gerar resultados para todas as partes envolvidas” explica Vera Zaffari, CEO da VZ&CO. 

INOVAÇÃO EM FOCO

Buscar os melhores métodos para atingir resultados é tradição na VZ&CO. Ainda em 2014, após realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil, implementamos a metodologia Building Information Modeling (BIM) em nossos projetos, para torná-los mais assertivos e confiáveis.

“O BIM impactou de forma positiva a cultura de trabalho do nosso time e trouxe benefícios para os nossos clientes. Por ser focado em resultados, conseguimos interligar todas as partes de um projeto para automatizar, diminuir custos na obra, acelerar processos de execução e muito mais”, exemplifica Vera.

A metodologia também facilita a colaboração e a comunicação à distância entre os diferentes profissionais envolvidos no projeto, seja dentro ou fora do nosso escritório. Como o diálogo e a troca de informações é constante e sempre documentada, conseguimos reduzir erros e aumentar a produtividade do time. Para completar, como todo o projeto é construído conjuntamente, existe um significativo aumento na confiabilidade da documentação final entregue ao cliente. 

 

 

“O modelo em BIM ajuda nos processos simples e complexos de um projeto. Alguns exemplos vão desde a visualização a partir de um modelo integrado em três dimensões até a gestão e manutenção do edifício construído”, exemplifica. Ele permite, ainda, trabalhar de maneira interdisciplinar, atendendo até mesmo às demandas de custos, como o de planejamento e sustentabilidade. 

GESTÃO DE QUALIDADE

A equipe da VZ&CO é treinada e qualificada, constantemente, para oferecer as melhores e mais modernas  soluções arquitetônicas para os clientes.  “Desde o início, prezamos pela inovação, por gestão de qualidade e referência no mercado para entregar resultados e confiança aos clientes, por meio de um trabalho único, aliado às mais novas  tecnologias e as melhoras práticas sustentáveis”, pondera.

“Sempre que iniciamos um projeto novo, nossa equipe se divide para entender e atender a todas as necessidades do cliente. Organizamos uma estratégia. Um integrante da equipe fica responsável por desenvolver o template e, o outro, responsável por entender o padrão do cliente para verificar quais as oportunidades de automatizar alguma tarefa e os documentos que serão entregues em cada etapa de projeto, a fim de realizar uma entrega com excelência” explica a sócia e arquiteta da VZ&CO, Alexia Becker. 

Os projetos da VZ&CO são feitos a partir de uma profunda compreensão do programa, do local, das normas que impactam, das necessidades a serem atendidas, dos conceitos a serem mantidos sem deixar de descobrir o potencial do que pode ser entregue no fim. 

“Nossa experiência, conhecimento e recursos são mais eficazes quando ouvimos um ao outro. Trabalhamos uns com os outros e aprendemos uns com os outros. Afinal, além de entregar projetos eficientes, acreditamos na força da experiência, colaboração e na construção de relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros. Sempre olhando para o futuro” finaliza Vera Zaffari. 

Sobre a VZ&CO

Há 22 anos trazendo soluções inteligentes e inovadoras de arquitetura para o mercado, a VZ&CO atua na área comercial e de varejo, além de contar, em seu portfólio, projetos em hotelaria, centros logísticos e de distribuição, restaurantes, centros médicos, shoppings, redes de lojas, supermercados, projetos de renovação e restauro de prédios antigos.

Arquiteta de futuros

Tempo de leitura: 4 minutos

O sotaque não deixa dúvidas: a arquiteta Vera Zaffari é gaúcha, nascida em Cachoeira do Sul. Filha de empresário da Construção Civil e de empresária no ramo de alimentação, ainda criança, descobriu sua paixão pela arquitetura. Em vez de pentear as bonecas, preferia criar casas e ambientes para elas. Interessada por aquele universo, passou a vivenciar com o pai nas obras e entendeu que ali estava o seu futuro. 

“A arquitetura foi sempre a minha paixão. O cheiro da obra, a convivência diária desde pequena em construções, me moldaram e me tornaram o que sou hoje”, comenta Vera, que além de arquiteta, é  uma empreendedora respeitada, com projetos espalhados pelo Brasil, Uruguai e Argentina. 

Formada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), de Porto Alegre (RS), Vera aprendeu já no primeiro estágio a se destacar profissionalmente. Antes mesmo de se formar, assumiu a liderança de vários projetos, aprendendo a lidar não só com a execução de projetos, mas também com os clientes. Resultado? Aos 23 anos, foi  convidada a virar sócia do escritório onde atuava.

Depois de alguns anos na profissão, a arquiteta percebeu que havia adquirido uma especialização na área que mais lhe dava prazer: a arquitetura comercial, em função das empresas que atendia. Em 1998, ela deixou a antiga sociedade para empreender por conta própria. Apesar de sentir o frio na barriga —  por ser uma mulher em uma época em que a arquitetura era majoritariamente dominada por homens —, ela  não desanimou e encarou o desafio. Nascia assim a VZ&CO. 

“Não foi fácil impulsionar o meu próprio negócio, mas as portas foram se abrindo por conta da qualidade dos projetos e pela determinação de sair vencedora – era vencer ou vencer. Fui convidada a participar de uma rodada de seleção de escritórios de arquitetura para atender uma grande rede varejista multinacional”, recorda Vera. 

A disputa somou 44 escritórios e deu à Vera o segundo lugar na classificação geral. Foi o suficiente para ela ser contratada. Esse primeiro grande cliente está até hoje na VZ&CO — mais uma prova da excelência não só dos projetos, mas do atendimento do escritório ao varejista.

E vale destacar: a VZ&CO coleciona prêmios em Gestão de Qualidade e projetos de arquitetura, como você pode conferir nesta linha do tempo da empresa

 GESTÃO INOVADORA  

Logo que começou a empreender, Vera entendeu a importância de ser inovadora para criar diferenciação. Por isso, ela investiu fortemente na qualidade da gestão e na entrega de resultados para os clientes. 

“Nunca quis que a VZ&CO fosse apenas mais uma empresa de arquitetura, mas sim um nome de referência no mercado. Por isso,  fiz inúmeros cursos e MBA em Gestão Empresarial para entender e saber como posicionar o escritório como uma corporação inovadora, que preza pela gestão da qualidade, para entregar resultados e confiabilidade aos clientes”, afirma. 

Há 22 anos no mercado,  a VZ&CO se especializou  em arquitetura comercial e de varejo, mas também tem em seu portfólio projetos em hotelaria, centros de distribuição, restaurantes, arquitetura hospitalar e projetos de renovação e restauro de prédios antigos. 

“Nosso compromisso é entregar um trabalho inovador de qualidade, por meio de tecnologias e práticas sustentáveis. Como gestora,  busco manter relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros, sempre pensando em como deixar o escritório alinhado com o futuro”, complementa Vera.

BIM


 

Inovação é um conceito importante na vida de Vera Zaffari. Sempre em busca de trazer mais e melhores resultados para os clientes, ela faz questão de investir em novas tecnologias capazes de agregar valor na realização de projetos, melhorando tanto a qualidade quanto o tempo de entrega.

Em 2014, depois de realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil , Vera decidiu implantar uma das mais modernas ferramentas de modelagem de projetos na VZ&CO: o Building Information Modeling (BIM). Objetivo? Tornar os projetos da empresa o mais precisos e confiáveis possível.

“Por meio do BIM, conseguimos impactar de forma positiva a cultura de trabalho dos nossos arquitetos e, também, os projetos apresentados aos clientes. Por ser uma ferramenta  com foco em resultados, o BIM  interliga todas as partes interessadas, diminui custos, acelera processos de execução e muito mais”, explica.

Sempre em busca de melhores processos e resultados, Vera e equipe estão sempre estudando novas funcionalidades e pluggins para a ferramenta, Com isso, a metodologia está sempre evoluindo, ajudando a VZ&CO a fazer a gestão de projetos de forma assertiva, otimizando a gestão do tempo de obras, evitando custos desnecessários, maximizando o investimento dos clientes.  Outro ponto importante é a visualização do projeto, que pode alcançar a dimensão até 8D ou mais.  

O uso do BIM  também facilita a colaboração e a comunicação a distância, fazendo com que os erros sejam reduzidos e a produtividade seja aumentada. Esse resultado traz confiança na documentação final”, conclui a executiva, que percebeu na sua experiência com a ferramenta uma oportunidade de negócio. Hoje, além de realizar projetos de arquitetura comercial,  a VZ&CO também apoia  empresas com grande fluxo de projetos comerciais a fazer a transição para o BIM. 

Para finalizar, Vera nos conta qual seria — para ela — o segredo do sucesso: “Eu acredito muito na tecnologia e na inovação, por isso as uso em favor de melhorar a qualidade do trabalho que entrego no meu escritório. Como gestora, faço questão de  oferecer o melhor para quem nos contrata e estamos sempre evoluindo para fazer a diferença e trazer resultados felizes para todas as partes interessadas”. 

Vera Zaffari no portal Falando de Varejo

Tempo de leitura: < 1 minuto

vza falando de varejo“Aliados a novas tecnologias, espaços e ambientações geram experiências de interação garantida com o consumidor”, afirma Vera Zaffari, arquiteta especializada em projetos para lojas, shoppings centers e supermercados, ao portal Falando de Varejo.

Os ambientes no varejo devem proporcionar experiências inspiradoras ao consumidor, que busca autenticidade, conforto, praticidade e interatividade durante a compra. Nesse escopo, o investimento em Arquitetura Comercial pode contribuir para a melhoria do negócio.

Confira a matéria completa: http://bit.ly/1l3Qo0Z .

Qual o futuro dos shoppings centers?

Tempo de leitura: 2 minutos

Tendências internacionais, sobretudo norte-americanas, apontam para mudanças na arquitetura tradicional dos shoppings centers. Aqueles prédios fechados e projetados como caixas-fortes já estão ficando no passado!

Se antes a regra era não ter janelas nem áreas que distraíssem o consumidor, agora a tendência aponta para a construção de shoppings como espaços que estimulem a convivência e proporcionem experiência aos frequentadores. Áreas verdes, espaços de entretenimento e atividades alternativas estimulam a frequência da nova mentalidade do público que, cada vez mais, busca locais para conviver, se encontrar com os amigos e familiares e, consequentemente, consumir.
Shopping Center
Alguns líderes de empresas privadas dos Estados Unidos afirmam que desde 2006 não são construídos shoppings fechados em seu país e que aqueles que não se reinventarem nos próximos 15 anos irão ter sérios problemas.

A tendência visa à permanência duradoura do cliente no shopping e nos pontos de vendas. “Hoje o mercado está se consolidando. As redes de lojas estão aumentando em número e complexidade. O que mais o mercado exige é que o padrão de projeto seja mantido para ganhos de produtividade, redução de custos e força da marca”, comenta Vera Zaffari, arquiteta e diretora do escritório VZA|Vera Zaffari Arquitetura.

De acordo com a empresária, outro fator relevante é o impacto do universo digital e das novas tecnologias no setor varejista, o qual pode colaborar para experiências únicas e memoráveis em vendas, projetos e faturamentos. Portanto, estar atento às novidades do segmento aplicadas à arquitetura comercial é um ponto relevante aos empresários e arquitetos.

Primeira loja da Apple na América Latina será no Brasil

Tempo de leitura: < 1 minuto

Loja da Apple em Nova York é exemplo do conceito de design que a marca vende.

A primeira loja física da Apple no Brasil já tem data e local definido: 15 de fevereiro. A cidade escolhida foi o Rio de Janeiro. O lugar? O Shopping Village Mall, na Barra da Tijuca, Zona Oeste da cidade. A informação foi divulgada no site oficial da Apple no Brasil, que confirma a data e o local da inauguração.

A Apple Store carioca, que surge no ano em que a marca completa 30 anos, é a primeira do Brasil – e também da América Latina. A filial brasileira promete manter o padrão que a Apple emprega nas demais filiais ao redor do mundo: conceito será no estilo “pavillion”, expressão criada pela própria Apple para designar lojas com apenas um andar e uma fachada curvilínea com cerca de 30 metros de cumprimento e toda em vidro.

Um dos diferenciais da loja é o Genius Bar, um balcão de 7,6 metros onde os clientes vão poder esclarecer dúvidas e receber conselhos sobre a utilização, configuração e manutenção dos produtos da Apple.