Posts

Rollout no Varejo e a Transformação Digital

Tempo de leitura: 5 minutos

roll out rollout arquitetura varejo

O varejo está passando por muitas mudanças para acompanhar os novos comportamentos do consumidor 4.0. Estas mudanças geraram transformações na indústria e agora impulsionam o varejo a inovar para atingir e atender este consumidor a partir das novas premissas de comportamento – onde nunca foi tão importante ter o foco do cliente nas decisões na forma como se relacionar com ele.

O comércio eletrônico, após o advento da popularização da internet mostrou que, para sobreviver, era preciso inovar, e o faz bem até hoje. Agora é a vez do varejo físico passar por esse processo de transformação digital, se reinventar através da arquitetura e oferecer novas experiências de compra para o consumidor de hoje, cada vez mais exigente.

Esta adequação ao novo consumidor precisa ser a base de um novo conceito e soluções adotadas na arquitetura e layout da loja física, consolidadas e replicadas para as demais unidades da rede. A isto chamamos de rollout.

Impacto do e-commerce na experiência da loja física

Urge as experiências on line e off line andarem juntas. Com a explosão do e-commerce, as lojas não são apenas pontos de transação, mas um ponto de contato em potencial em uma jornada maior do cliente. Este novo consumidor busca encontrar na loja física a mesma conveniência do digital, mas com uma experiência mais humana nas relações. Sendo assim, inovar na loja física não é mais uma opção – é mandatório. Quem continuar fazendo o mesmo, vendendo da mesma forma que sempre vendeu, não terá mais espaço no mercado.

As grandes redes de varejo, assim como as redes de bancos e hotéis com atuação regional ou nacional, precisam replicar os conceitos da suas propostas de valor através da arquitetura dos espaços, seja na implantação de novos pontos físicos ou na reforma dos pontos já existentes. Neste sentido, o rollout de projeto é quando todos os conceitos e inovações que são implementados precisam ser disseminados para toda a empresa. Rollout é uma tecnologia aplicada no layout – um novo processo de abastecimento ou novas formas de atendimento, após serem criados, testados e aprovados, padronizam-se os processos e, a partir disso, inicia-se a busca da próxima transformação em vários sites. Por isso o rollout é tão importante para a arquitetura de varejo.

roll out rollout arquitetura varejo

Arquitetura de varejo com rollout

No projeto são definidos o conceito e os itens que farão a composição do espaço em relação a layout, tecnologias, equipamentos, revestimentos, instalações e atendimento a todas as necessidades do novo consumidor. Esse projeto é desdobrado e adequado a cada novo espaço existente, o que permite ao empreendimento ganho em escalas e a certeza de que as melhores práticas já testadas e consolidadas serão implementadas.

O rollout no varejo é um passo natural para todo varejista que deseja expandir sua rede, se manter competitivo no mercado e à frente dos seus concorrentes a partir da entrega de novos produtos, serviços e conceitos inovadores. Os desafios existem, mas é possível superá-los com a ajuda de bons parceiros. São eles que tornarão essa jornada fluída, sem atrito, no menor tempo e custo possível. E a tecnologia aplicada ao processo de expansão das lojas físicas será a nova aliada do segmento para ser ainda mais competitivo na indústria 4.0.

A prática do rollout significa escalar o projeto que deu certo e adotá-lo de maneira abrangente. É estender o que deu certo em uma loja para toda a sua rede. É amplificar os resultados finais e compartilhar os benefícios de implementação benfeita. Para isso, existem inúmeros critérios a serem considerados antes, durante e depois de um rollout. O uso da inovação e de novas tecnologias ajudam na forma de conseguir eficiência operacional, como é o caso do uso do BIM em toda a cadeia do processo de expansão.

A implantação do rollout de um novo conceito, uma nova marca ou uma nova oferta em um grande número de locais de varejo como lojas, concessionárias, franquias, restaurantes ou postos de gasolina, pode ser um esforço extremamente complexo para uma empresa em nível nacional. Não é incomum que muitas dessas iniciativas sofram grandes atrasos ou falhas. Ainda mais comuns são os casos em que as lideranças não possuem visibilidade do progresso ou descobrem tarde demais que as metas de implantação não serão atingidas.

Metodologia BIM na arquitetura de varejo

A partir do uso da modelagem de informações na construção de um projeto 3D / 4D (BIM – Building Information Modeling), é possível implementar várias tecnologias de ponta que viabilizam a transformação digital da área de rollout dos pontos de venda fornecendo design, informações, dados, implementação e distribuição do varejo mais inteligentes e econômicos nos ciclos de vida do projeto. Com o uso da tecnologia BIM é possível se obter desenhos com maior qualidade e confiabilidade, antecipadamente, resultando em menos pedidos de alteração na obra ou geração de custos extras, facilitando aberturas mais rápidas, no prazo. A metodologia BIM não somente gera um projeto com entrega mais eficiente da loja, mas também às operações de instalação por meio do desenvolvimento de banco de dados confiável, conferindo melhores resultados a todo o processo.

Com o uso da tecnologia BIM, o processo de arquitetura (projeto e obra) são vinculados a um banco de dados onde é possível ter toda a inteligência e informações ao seu alcance, não importa onde você esteja. Ter o seu modelo BIM na nuvem significa que você terá acesso a informações detalhadas e atualizadas do projeto em qualquer dispositivo, em qualquer lugar que você esteja.

roll out rollout arquitetura varejo

Conclusão: A tecnologia acelera o futuro da arquitetura

Com o avanço rápido da tecnologia, agora existem muitas ferramentas que permitem aos arquitetos e projetistas simular situações como a luz solar durante diferentes horários do dia e estações do ano – buscando a redução de recursos naturais. A tecnologia BIM também pode calcular o desempenho energético da construção, o que pode ajudar os engenheiros e outros membros da equipe do projeto na busca de maior eficiência das soluções adotadas.

O BIM permite que todas as disciplinas envolvidas no projeto interajam sobre um mesmo modelo, ao mesmo tempo, garantindo que as possíveis interferências de uma disciplina na outra sejam resolvidas ainda em projeto.

Também é possível, através da utilização de tecnologias de Realidade Aumentada, visualizar na obra ou no local onde o mesmo será construído, como o projeto elaborado em BIM se comportará no ambiente quando concluído. Qual o nível de interferências e problemas que podem ser resolvidos antes mesmo da obra iniciar, gerando ganhos de tempo e de redução de custos extras no futuro.

Através da aplicação de novas tecnologias aplicadas sobre o projeto digital, é possível o acompanhamento da obra e dos seus estágios, comparando projeto com a realidade que que está sendo construída no conforto da sua casa ou escritório, assim como em qualquer lugar que você estiver.

O uso do BIM é a base da transformação digital do setor de expansão das empresas e pode se tornar um grande aliado nos processos de rollout do varejo.

Arquitetura comercial impulsiona vendas

Tempo de leitura: 2 minutos

nacional gramadoO investimento em tecnologia de ponta e automação no atendimento aos clientes nos Pontos de Venda (PDV) é uma realidade no varejo internacional e começa a chegar com tudo ao mercado brasileiro. Mas, além da instalação da tecnologia, é preciso criar uma infraestrutura adequada para acomodar as inovações em ambientes já conhecidos pelos clientes. Entra aí o desafio e as soluções da Arquitetura Comercial. “Adaptar o novo ao existente e orientar o cliente frente às novas tecnologias é uma missão para a Arquitetura Comercial, que também busca entender as novas formas de comportamento do consumidor. E passa a introduzir, em seus projetos, espaços e ambientações que geram novas experiências”, resume a arquiteta Vera Zaffari, expert no tema. É do escritório VZA l Vera Zaffari Arquitetura o projeto do supermercado Nacional na cidade de Gramado (RS), por exemplo (veja outros projetos clicando aqui).

Os ambientes no varejo devem proporcionar experiências inspiradoras ao consumidor, que busca autenticidade, conforto, praticidade e interatividade durante a compra. Nesse escopo, o investimento em Arquitetura Comercial pode contribuir para a melhoria do negócio. “Mas é preciso ter cuidado. O novo modelo deve seguir garantindo a identidade da marca e promovendo a permanência do público por mais tempo no PDV, situação que hoje compete com a experiência virtual”, ressalta Vera.

Assim, aproximar o envolvimento tátil e emocional garante pontos para o mercado varejista se destacar frente ao e-commerce. “As pessoas querem tocar, sentir, cheirar, experimentar, interagir, conviver, deixar-se encantar. É isto que faz com que uma pessoa queira ir à loja física”, afirma Vera Zaffari. Nesse sentido, o investimento em Arquitetura Comercial para o varejo pode contribuir para o avanço das vendas e garantir clientes mais satisfeitos.

Arquitetura comercial deve impulsionar venda no varejo

Tempo de leitura: 2 minutos

VZA-65 escolhida VeraEm crescimento, o segmento varejista tem apresentado bons resultados no início de 2014 – ano que promete grandes mudanças no setor. Conforme dados do Instituto para Desenvolvimento do Varejo, referentes ao Índice Antecedente de Vendas (IAV-IDV), a expectativa para o primeiro semestre deste ano indica alta de 6,4%, em relação ao mesmo período do ano anterior.

Alinhado ao desenvolvimento gradual está a necessidade de se construir um ambiente destinado a proporcionar experiência inspiradora ao consumidor, que busca, cada vez mais, autenticidade, conforto, praticidade e interatividade durante a compra.

Neste escopo, o investimento em arquitetura comercial pode contribuir para a melhoria do negócio. “O modelo tem por interesse garantir a identidade da marca, além de promover a permanência do público por maior tempo no ‘ponto de venda’”, explica Vera Zaffari, diretora do escritório VZA | Vera Zaffari arquitetura.

Para tanto, o projeto de arquitetura comercial – tais como redes de lojas, shopping, hiper e supermercados –, deve andar em paralelo com a estratégia de marketing da empresa.

Uma tendência crescente e aderida por varejistas internacionais e, em adaptação no mercado brasileiro, é o investimento em tecnologia de ponta e automação para o atendimento aos clientes nos Pontos de Venda (PDV). Porém, além da instalação da tecnologia é necessário criar uma infraestrutura para acomodar as inovações em ambientes já conhecidos pelos clientes.

Assim, é preciso criar projetos que sejam user friendly e intuitivos para quem faz compras.  “Adaptar o novo ao existente e orientar o cliente frente às novas tecnologias é uma missão para arquitetura comercial, que também busca entender estas novas formas de comportamento, e que introduz nos seus projetos espaços e ambientações que gerem experiências”, afirma a empresária.

Um exemplo de tecnologia, cujo formato foi debatido recentemente no Big Retail’s Show – feira de tendência varejista de Nova York –, é sistema utilizado no Virtual Style Pod. Serviço que permite aos consumidores provar roupas virtualmente, realizar ajustes de tamanho e de cores. Esta ferramenta, também desenvolvida pela inglesa Engage com a companhia Space3D, permite uma experiência única, interativa e considerável ganho em produtividade.

Outra solução, que também merece destaque no mercado, são os caixas de autoatendimento, que têm reduzido filas, agilizado o processo de pagamento e substituído o processo humano pelo mecânico.

Segundo a arquiteta, aproximar o envolvimento tático e emocional ao mercado varejista pode ser um ganho tanto para o setor quanto para o público, além de se destacar frente ao e-commerce. “As pessoas querem tocar, sentir, cheirar, experimentar, interagir, conviver, deixar-se encantar. É isto que faz com que uma pessoa queira ir à loja física”, pontua Vera Zaffari.

Nesse sentido, o investimento em arquitetura comercial para o varejo pode contribuir para o avanço das vendas e a satisfação dos clientes. Para 2014, o Instituto para o Desenvolvimento do Varejo (IDV), prevê uma injeção de R$ 7.8 bilhões no setor.

Boa notícia cliente VZA

Tempo de leitura: 2 minutos


Canoas Shopping segue trajetória de crescimento com cinco  novas  operações

Leia mais

OPEN MALL: UMA TENDÊNCIA DE VAREJO NO BRASIL

Tempo de leitura: 2 minutos

Conceito vindo dos Estados Unidos nos anos 80, os Open Malls estão ganhando força no mercado brasileiro. A tendência mundial, que está recriando os shoppings centers e transformando-os em centros comerciais a céu aberto, além de ser uma solução arquitetônica que viabiliza a redução de custos de manutenção, é uma opção que resulta em um espaço mais agradável ao público.

Leia mais