Posts

Gestão da qualidade: um diferencial em escritórios de arquitetura

Tempo de leitura: 3 minutos

 Confira artigo publicado no Jornal do Comércio por Vera Zaffari sobre práticas de gestão!


Leia mais

Graciela Zaffari e o trabalho pela qualidade na VZA

Tempo de leitura: 2 minutos

Foto: Tiago TrindadeO padrão de qualidade do escritório VZA – Vera Zaffari Arquitetura é construído diariamente, com práticas de gestão atuais e de resultado comprovado – um trabalho reconhecido pelo Programa Gaúcho de Qualidade e Produtividade (PGQP) com a Medalha (2012) e o Troféu Bronze (2013). Braço direito de Vera Zaffari no escritório, a arquiteta Graciela Zaffari (foto) trabalha para garantir essa qualidade. Como gerente de produção, ela organiza o trabalho, equilibra demandas, chama parceiros das áreas complementares para demandar projetos e otimiza o trabalho para que tudo ande de forma fluída – e para que novos projetos possam ser entregues ao cliente atendendo às suas necessidades. “Com o PGQP, aprendemos a identificar necessidades instrumentais que melhor nos ajudam na organização dos sistemas. Procuramos distribuir os projetos de acordo com os perfis de nossos profissionais para atendermos as necessidades dos clientes com excelência, rapidez e inovação”, teoriza.

VZA_GMMUma das atividades que integram o plano de ação na gestão de qualidade da VZA é o Good Morning Meeting. Trata-se de uma reunião semanal, sempre às segundas-feiras pela manhã, em que os líderes de equipe trocam informações sobre os novos projetos, atualizam os dados dos trabalhos em andamento e discutem indicadores e ideias para novas ações na empresa. “Filtramos todos os projetos do escritório e os organizamos, unificando a linguagem para o cliente”, conta Graciela. O tema da reunião é escolhido conforme a demanda. Reuniões quinzenais e um fórum de melhorias também fazem parte do escopo do trabalho pela busca de qualidade no dia a dia do escritório. “A comunicação entre os arquitetos é fundamental. Projetos de grandes clientes, dos quais vários profissionais participam, precisam estar alinhados. Nas reuniões podemos esclarecer dados, tirar dúvidas, vemos no que um e outro pode auxiliar, estabelecemos prioridades, orientamos mudanças”, especifica Graciela.

verazaffariA trajetória, o conhecimento e as experiências de Graciela colaboram em seu trabalho de busca da qualidade. Ela destaca o trabalho na Enia, em Paris (acima, Graciela e Vera Zaffari com diretores da agência). “Trata-se de um escritório no estilo ‘descolado’, como o Google costuma ser. Eles participam de muitos concursos, o que é comum na Europa. O fato de trabalharem com projetos grandes, empreendimentos de até 70 mil metros quadrados, renovou minha experiência. Lá os projetos são mais direcionados à criação e os profissionais visitam mais a obra, o arquiteto tem maior poder de decisão”, relata.

Fronteira entre lojas virtuais e físicas segue diminuindo

Tempo de leitura: < 1 minuto

Mkt03A inserção de objetos virtuais no ambiente físico, com o apoio de dispositivos tecnológicos, vem chegando aos poucos ao varejo nacional. O conceito tecnológico não é novo, mas ganha cada vez mais evidência com campanhas institucionais que promovem a relação real/virtual em um ambiente mais amplo de mercado. Além das lojas, ruas e espaços públicos também estão sendo repensados sob essa ótica. Assim, salões de beleza usam a realidade aumentada para simular cortes de cabelo, por exemplo. “As pessoas querem tocar, sentir, cheirar, experimentar, interagir, conviver, deixar-se encantar. É isto que faz com que uma pessoa queira ir à loja”, explica a arquiteta Vera Zaffari. Nesse sentido, o investimento em Arquitetura Comercial torna-se um diferencial que contribui para o avanço das vendas e a satisfação dos garantidas dos clientes.

Os ambientes no varejo devem proporcionar experiências inspiradoras ao consumidor, que busca autenticidade, conforto, praticidade e interatividade durante a compra. Nesse escopo, o investimento em Arquitetura Comercial contribui para a melhoria do negócio e a captação e fidelização de clientes.

Visual da loja começa pela fachada

Tempo de leitura: < 1 minuto

luisSegundo dados do Sebrae, 81% das pessoas tomam a decisão de compra no ponto de venda, quando se deparam com o ambiente da loja, as disposições dos produtos na prateleira, a iluminação, o layout. Os números reforçam a ideia de que, mesmo com o advento do comércio on line, a loja física ainda é fundamental no processo de consumo, na atração e na fidelização do consumidor.

Nesse sentido, a fachada da loja é o cartão de visitas. De nada adianta ter um vasto mix de produtos e funcionários bem treinados se a fachada da sua loja não consegue atrair os clientes para dentro dela. Seja por excesso de informação ou falta de identidade, o ponto de venda não pode deixar de ser notado pelos consumidores – ou, por outro lado, espantá-los. Artifícios e ferramentas para tornar uma fachada funcional, eficiente e que mostre a personalidade e potencial da loja não faltam no mercado. Atente-se!

Vera Zaffari no portal Falando de Varejo

Tempo de leitura: < 1 minuto

vza falando de varejo“Aliados a novas tecnologias, espaços e ambientações geram experiências de interação garantida com o consumidor”, afirma Vera Zaffari, arquiteta especializada em projetos para lojas, shoppings centers e supermercados, ao portal Falando de Varejo.

Os ambientes no varejo devem proporcionar experiências inspiradoras ao consumidor, que busca autenticidade, conforto, praticidade e interatividade durante a compra. Nesse escopo, o investimento em Arquitetura Comercial pode contribuir para a melhoria do negócio.

Confira a matéria completa: http://bit.ly/1l3Qo0Z .

Cross merchandising na Alemanha

Tempo de leitura: < 1 minuto

crosssNo supermercado da rede Real localizado na cidade de Bonn, na Alemanha, a ideia é aproveitar cada espaço disponível para despertar o desejo de compra nos consumidores. Neste caso, o lugar vago ao lado do corrimão da escada rolante que separa o andar térreo do mezanino foi adaptado para abrigar um expositor de guloseimas. Uma sacada de cross merchandising daquelas, para ninguém resistir em passar a mão em umas balinhas antes de ir para o caixa.

Estudos comprovam que esta prática aumenta em cerca de 15% a venda deste tipo de produto se exposto só em seu ponto habitual de venda dentro da loja.

Arquitetura comercial impulsiona vendas

Tempo de leitura: 2 minutos

nacional gramadoO investimento em tecnologia de ponta e automação no atendimento aos clientes nos Pontos de Venda (PDV) é uma realidade no varejo internacional e começa a chegar com tudo ao mercado brasileiro. Mas, além da instalação da tecnologia, é preciso criar uma infraestrutura adequada para acomodar as inovações em ambientes já conhecidos pelos clientes. Entra aí o desafio e as soluções da Arquitetura Comercial. “Adaptar o novo ao existente e orientar o cliente frente às novas tecnologias é uma missão para a Arquitetura Comercial, que também busca entender as novas formas de comportamento do consumidor. E passa a introduzir, em seus projetos, espaços e ambientações que geram novas experiências”, resume a arquiteta Vera Zaffari, expert no tema. É do escritório VZA l Vera Zaffari Arquitetura o projeto do supermercado Nacional na cidade de Gramado (RS), por exemplo (veja outros projetos clicando aqui).

Os ambientes no varejo devem proporcionar experiências inspiradoras ao consumidor, que busca autenticidade, conforto, praticidade e interatividade durante a compra. Nesse escopo, o investimento em Arquitetura Comercial pode contribuir para a melhoria do negócio. “Mas é preciso ter cuidado. O novo modelo deve seguir garantindo a identidade da marca e promovendo a permanência do público por mais tempo no PDV, situação que hoje compete com a experiência virtual”, ressalta Vera.

Assim, aproximar o envolvimento tátil e emocional garante pontos para o mercado varejista se destacar frente ao e-commerce. “As pessoas querem tocar, sentir, cheirar, experimentar, interagir, conviver, deixar-se encantar. É isto que faz com que uma pessoa queira ir à loja física”, afirma Vera Zaffari. Nesse sentido, o investimento em Arquitetura Comercial para o varejo pode contribuir para o avanço das vendas e garantir clientes mais satisfeitos.

Colaboradores das empresas Trevo e Restinga visitam a VZA

Tempo de leitura: < 1 minuto

Objetivo foi conhecer a trajetória, as práticas e os planos do escritório para a gestão da qualidade. As pessoas selecionadas para a visita, dentre os 1.800 funcionários do grupo, estão ligadas às iniciativas de qualidade e produtividade da Trevo.

trevo

“Em 24 de Julho, tivemos a oportunidade de conhecer a trajetória, as práticas, e os planos do Escritório de Arquitetura Vera Zaffari. Foi uma tarde incrível! Fazemos parte de um grupo empresarial com 54 anos de história, que emprega mais de 1.800 colaboradores, e cuja complexidade e relevância social do serviço que prestamos nos impõe práticas de excelência. Ainda assim, ficamos surpresos e felizes ao ver como uma pequena empresa é capaz de, com muito entusiasmo e dedicação, engajar-se e desenvolver-se em um projeto de qualidade e produtividade. Foi um excelente benchmarking!”.

Roger Born – Diretor Executivo – Transportes Coletivos Trevo S.A.

SAVE THE DATE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Contamos com a presença de todos!

save the date final VZA

PGQP 2013

Tempo de leitura: < 1 minuto

Equipe da VZA é homenageada pelo trabalho e dedicação ao PGQP. A conquista do Troféu Bronze só foi possível graças ao empenho de todos.

anunciovzaface2