Posts

Aplicações estratégicas do BIM na arquitetura de varejo

Tempo de leitura: 4 minutos

A arquitetura comercial é aliada para aumentar o fluxo de clientes e as vendas dentro das lojas de varejo. Ainda mais quando se trata de projetar espaços atemporais, inovadores e de qualidade, pois a arquitetura comercial e de varejo utiliza técnicas e soluções inteligentes para garantir o funcionamento de cada loja dentro do mercado e que ofereçam não só comodidade aos clientes, mas experiências diferenciadas. Uma delas é o uso do Building Information Modeling (BIM) — metodologia utilizada dentro da arquitetura e construção civil para projetar, gerenciar e consolidar todas informações de etapas, processos e execuções de qualquer construção.

Por meio do seu sistema automatizado e totalmente digital, é possível unir todas as disciplinas de um projeto de arquitetura [arquitetos, engenheiros e construtores] e criar modelos virtuais precisos de uma edificação, permitindo a inclusão de dados como o cálculo energético, controle de materiais, orçamento e muito mais! Essas informações, além de auxiliar no fluxo de um projeto de arquitetura, também permitem a visualização completa do que está sendo feito. E como a inteligência é focada em resultados, ela diminui refações de um layout arquitetônico, aumenta a produtividade e ainda reduz gastos e o risco mitigado de uma construção.

O BIM NA PRÁTICA

Implementado em nosso escritório de arquitetura desde 2014, inicialmente através do Revit, o BIM já mostrou a sua essencialidade estratégica dentro dos nossos projetos de arquitetura para o varejo e revolucionou os trabalho feito pelo time da VZ&CO, pois além da confiabilidade das informações, ele automatizou processos repetitivos com segurança e ampliou a comunicação entre as disciplinas.   

Com o apoio da inteligência aos projetos de arquitetura, é possível acompanhar todas as etapas de uma obra de forma digital, desde a fase inicial de planejamento até mesmo o pós-construção. O que é uma vantagem para os lojistas e varejistas, pois o BIM prevê a funcionalidade das lojas e o seu desempenho com os insumos até chegar o momento das primeiras manutenções da edificação.

“O BIM permite cálculos precisos e facilita a compreensão de quando uma loja de varejo vai precisar de manutenção ou alguma reforma simples. Como a metodologia une uma série de informações em uma base de dados, a gente consegue prever processos e já se antecipar para reduzir gastos”, comenta a arquiteta Alexia Becker, arquiteta especializada em arquitetura comercial de varejo.  

Além disso, ele prevê as incompatibilidades no projeto de arquitetura, a percepção de possíveis interferências e riscos durante o ciclo de vida da construção. Confira, abaixo, como o uso da metodologia BIM é estratégica para os projetos de arquitetura comercial e de varejo, e saiba a importância dele ao seu negócio:

Redução de erros nos projetos de arquitetura e minimização de gastos com materiais – Uma das vantagens de se projetar aplicando o BIM aos projetos de arquitetura comercial e de varejo, é estimar custos com mais precisão e certeza. Assim, com as informações todas consolidadas, o arquivo digital permite a gestão e organização do  que vai ser gasto com material para a construção . A cada alteração que for realizada no modelo do projeto de arquitetura,  o BIM atualiza, automaticamente, o quantitativo da obra e salva as informações em tabelas detalhadas, facilitando a compreensão do que foi feito, pelo cliente e todas as disciplinas envolvidas no projeto.

Coordenação aprimorada e visualização completa de um projeto de arquitetura – O BIM é uma metodologia interdisciplinar e multifuncional. Ele auxilia no processamento de projetos de arquitetura simples e complexos, sempre focando nos resultados. Por se tratar de um modelo digital, a colaboração e comunicação a distância entre as disciplinas se tornam possíveis e ajuda na construção dos processos projetuais e no desempenho de cada execução do projeto. 

Ele entrega mais do que a representação do projeto em 3D, pois o BIM constrói um conjunto de bancos de dados digitais com informações gráficas e não gráficas do projeto de arquitetura. As informações ficam registradas e salvas, podendo chegar até 8 dimensões de informação que tornam a estrutura do projeto arquitetônico mais precisa e eficiente.

Gestão de qualidade, manutenção de lojas e sustentabilidade – Aplicar o BIM aos projetos de arquitetura comercial de varejo permite a coordenação das operações e manutenção das instalações, rastreando os dados da construção com segurança, além de possibilitar planos de manutenção e suporte técnico. Além disso, o BIM permite análises sustentáveis de energia e consumo a partir do modelo gerado, ajudando a reduzir o consumo de recursos naturais e permitindo o controle de desperdícios.

Uso de templates – Com a aplicação do BIM, conseguimos realizar projetos de forma muito mais ágil, através de templates no modelo. Dessa forma, conseguimos ter todos os padrões do cliente, com informações de materiais, descrição de itens de construção já pré-configurados, o que facilita muito a modelagem do projeto e garante informações e dados do modelo muito mais assertivos e padronizados, sem necessidade de extensas revisões.

Complementações de ferramentas – o BIM permite a implementação de meios para complementar a compreensão dos projetos de arquitetura para que os clientes entendam cada etapa da implementação. O nosso escritório aprimorou alguns plugins dentro da metodologia para apoiar na resolução de problemas, garantindo agilidade e precisão dentro dos modelos de projetos. 

Utilizamos a nuvem de pontos para ter um ganho exponencial na precisão dos levantamentos das lojas; o Navisworks para prever falhas de compatibilização; o Dynamo para automatizar tarefas e a Visualização 360º para permitir que o cliente tenha uma visão mais clara do projeto de arquitetura.

 

Supermercados: arquitetura é estratégica para crescimento do setor

Tempo de leitura: 4 minutos

A afirmação acima é de Ernesto Ortiz, gerente de expansão de uma das maiores redes de supermercados do Rio Grande do Sul, a Asun Supermercados. Ele nos procurou no final do ano passado com um desafio: desenvolver uma loja física litorânea, com identidade visual diferenciada, capaz de preservar a leveza, as cores e os valores da marca Asun.

Com o brieffing na mão, nós começamos a projetar um layout de supermercado inovador e, ao mesmo tempo, funcional. O edifício terá pé direito alto, iluminação natural e uma fachada de tirar o fôlego.

Com 38 supermercados espalhados pelo Rio Grande do Sul — sendo 14 no litoral, 9 em Porto Alegre e 15 na região metropolitana —, a Asun Supermercados está em fase de expansão, com planos para inaugurar mais três lojas físicas até 2023.

Nós já sabíamos que a VZ&CO era referência em arquitetura de varejo e, quando os planos para expandir a rede se tornaram reais, tivemos a oportunidade de conversar com o escritório e firmar uma parceria para desenvolver algo único e funcional” explica o gerente de expansão da Asun Supermercados, Ernesto Ortiz.

A VZ&CO ficou responsável por projetar o supermercado que dará início ao ciclo de inaugurações da rede, localizada em Xangri-lá (RS) a segunda do Asun na cidade. Para entrar no clima da praia, projetamos uma fachada com painéis coloridos que, com certeza, encantarão os clientes.

Confira, a seguir, mais detalhes sobre o projeto. Com a palavra, Ernesto Ortiz, que falará um pouco mais sobre como a arquitetura de varejo pode ajudar a potencializar o mercado de supermercados.

Como a arquitetura pode ajudar o mercado de supermercados a crescer?

EO: Engana-se quem diz que a arquitetura é só decoração. A arquitetura está além, ela é a organização de espaços para fazer os nossos supermercados funcionarem de forma mais estratégica e eficiente. É um trabalho conjunto: arquitetura e bom atendimento.

Por que vocês decidiram contratar a VZ&CO para ajudá-los nesse processo de expansão dos supermercados da Asun?

EO: O que nos chamou a atenção foi a vasta experiência na arquitetura de varejo e a agilidade para propor soluções eficientes. Quando falamos em arquitetura, pensamos em um conjunto de linguagem que vai desde o acabamento até o edifício pronto. A VZ&CO se diferencia por fazer uma extensa pesquisa de quais  tendências ou soluções se encaixam melhor às nossas necessidades. Como um projeto de loja física é pensado para o funcionamento de 20, 30 anos, a VZ&CO propôs alternativas inteligentes de forma rápida e sem delongas. Além disso, o escritório tem profissionais competentes que sabem o que estão fazendo, estão por dentro das principais tendências do mercado da arquitetura de varejo. Saber o que está disponível, o que pode ser ou não usado, é essencial em um projeto.

O supermercado de Xangri-lá está sendo projetado em BIM. Como a metodologia auxilia nos resultados do projeto de arquitetura

EO: Não tenho dúvida que esse formato facilita e agiliza o processo. Temos compatibilização, conseguimos conciliar o projeto de arquitetura às disciplinas complementares, as alterações que surgem durante o percurso são rapidamente alteradas. É tudo muito ágil. 

Como está sendo o desenvolvimento desse projeto de supermercado para vocês?

EO: Nós estamos na etapa inicial e tudo está caminhando bem. A comunicação é rápida, as soluções arquitetônicas estão sendo bem assertivas e estamos em constante troca para continuarmos alinhando as informações até o fim dessa primeira etapa. Neste período, já conseguimos desenvolver a parte da composição e linguagem de fachada do supermercado e definimos alguns materiais que serão utilizados, como grafites, tijolos, metais etc.

Para finalizar, como foi o processo da Asun Supermercados até chegar ao conceito arquitetônico que a marca segue em suas lojas?

EO: Desde o início, a Asun foi passando por transformações e experimentando acabamentos para construir uma identidade arquitetônica que representasse bem os nossos valores nos supermercados. Testamos forros, granito, porcelanato e outros materiais para encontrarmos as melhores opções. Viajamos para conhecer o mercado, fizemos levantamentos e estudamos bem o segmento para começarmos a melhorar os nossos espaços e garantir o funcionamento de cada loja. Antigamente, logo no começo, tínhamos corredores com 1,4 a 1,6 metros de largura, e achávamos que estava tudo certo. Hoje, compreendemos ser preciso ter 2 metros no mínimo para garantir a boa circulação dos clientes.  

O diferencial dos espaços dos nossos supermercados é que nós trazemos sempre um elemento novo para cada loja física, que tenha a cara da região onde ela foi construída. Sempre é uma loja nova, uma arquitetura nova. Um estilo diferente.

Curiosidades do projeto de supermercado

O novo supermercado da Asun Supermercados está inserido numa área de 5.000m², com 2.400m² de área construída e 1.700m² de área de venda. Está sendo trabalhado para destacar a região litorânea.

A fachada do supermercado é diferenciada, com painéis coloridos e partes envidraçadas para permitir a entrada de luz natural. Toda a construção da loja física está sendo pensada para utilizar grafites, tijolos e até mesmo um revestimento ondulado em metal para dar vibração no espaço.

Villa Mercato e VZ&CO: uma parceria para inovar o varejo

Tempo de leitura: 5 minutos

Com o aumento das compras online, nasceu a ideia do cliente Villa Mercato, um projeto inovador que promete entrega rápida e de qualidade, com atendimento personalizado. 

O começo

Buscando atender um público altamente selecionado, que prioriza a comodidade em compras de supermercado,  a  Villa Mercato criou seu primeiro aplicativo. E para  viabilizar a logística da plataforma, com todas as necessidades que o projeto de implantação demandava, o cliente procurou a VZ&CO — em função da nossa experiência no atendimento de grandes redes de supermercados.

No briefing, o cliente nos trouxe algumas necessidades do negócio que precisariam estar contempladas no processo, como agilidade e confiabilidade, além de um baixo custo de implantação inicial do Centro de Distribuição (denominado dark store) para atender a plataforma digital.

O projeto contempla o atendimento da plataforma digital através de um Centro de Distribuição que ao invés de separar os produtos selecionados no pedido, diretamente da gôndolas do próprio supermercado, ele conta com um estoque dedicado ao e-commerce, funcionando como uma loja fechada ao público. Por isso a denominação de dark store (loja escura), com shopper’s exclusivos para essa seleção. Com esse processo, a operação ganha agilidade e qualidade, que é o diferencial prometido pelo cliente.

O projeto

Para atender às demandas do cliente na implantação do  projeto, trabalhamos em conjunto com o cliente durante o desenvolvimento da plataforma digital. Nesse processo, entendemos as principais preocupações  da operação e traduzimos em um layout funcional, com iluminação adequada e a mesma identidade que está sendo criada digitalmente.

Além do espaço denominado dark store, o projeto também conta com a implantação de lojas de proximidades para atender o público de forma física, melhorando ainda mais a experiência de compra ao cliente — o que fortalece o produto digital e a marca. Essas lojas serão inicialmente implantadas na cidade de Maringá (PR), sendo a primeira junto à dark store.

O projeto foi dividido em duas etapas de execução: dark store (que será inicialmente implantada) e loja de proximidades. O terreno escolhido foi em um antigo galpão logístico, onde anteriormente estava instalada uma empresa de distribuição de laticínios. Portanto, todas as câmaras frias existentes, deveriam ser reaproveitadas no projeto.

Dark Store

O layout da área da dark store foi desenvolvido em parceria com uma consultoria de logística e as gôndolas foram distribuídas configurando ruas internas, que permitirão uma rápida separação dos pedidos.

Desenvolvemos um conceito de caráter industrial para o espaço, valorizando as gôndolas/porta paletes, neutralizando o restante com pinturas onde a cor da marca está presente e valorizada. A comunicação visual foi o ponto mais explorado do projeto, que precisaria ser funcional.  Através da logomarca do cliente, exploramos formas que delimitam espaços e humanizaram o ambiente.

Projeto da dark store feita pela VZ&CO

Os tons neutros de cinza foram aplicados no piso e nas paredes com intuito de contribuir na eficiência da iluminação. Para o projeto luminotécnico, foi contratada uma consultoria que analisou todos os condicionantes para propiciar um ambiente agradável e com iluminação adequada, já que a iluminação natural em grande escala não seria possível pois a edificação está implantada nas divisas do terreno, e o pé direito do ambiente seria alto em relação à escala humana. 

Linhas de iluminação foram criadas entre os corredores — com espaço de rebaixamento de forro nas áreas onde estão dispostos os setores de checkout e hortifruti — para possibilitar uma iluminação mais pontual.

Para viabilizar a implantação da dark store a baixo custo e com aproveitamento máximo da infraestrutura existente, o telhado foi mantido. Está prevista apenas a realização de uma  manutenção e pintura, que ajudará no condicionamento térmico interno melhorado pela instalação de  máquinas climatizadoras.

Área de hortifruti

As câmaras frias foram reaproveitadas e adequadas ao novo uso, bem como as áreas de escritórios e funcionários, que receberam o mesmo conceito industrial. Os ambientes foram repaginados com pequenas alterações e na comunicação visual — através de pinturas e demais elementos — que deixaram o ambiente  mais agradável.

Loja de proximidade

O conceito da marca foi criado com base nas antigas vilas italianas. A ideia é trazer a experiência de compra dessas antigas vilas, com produtos frescos, de qualidade e, principalmente, com atendimento personalizado. Nosso maior desafio foi traduzir esse conceito em um ambiente contemporâneo, trazendo elementos de composição baseado nas vilas italianas que, ao mesmo tempo, trouxessem toda a modernidade que o app Villa Mercato oferece.

No conceito do projeto, trouxemos revestimentos que relembram uma vila italiana, como a pedra e a madeira, juntamente com elementos de composição como cestarias e caixas artesanais, toldos externos e floreiras. Em contraponto, trouxemos elementos contemporâneos através de instalações aparentes e sem forro, além do tratamento em cimento queimado nas paredes, pilares e laje de cobertura. As gôndolas em metalon também fortalecem o conceito mais industrial.

O terreno configura um formato em ‘L” no qual o espaço escolhido para implantação da primeira loja de proximidades fica na fachada principal, sendo a outra fachada para a doca da dark store, com os fluxos totalmente separados e distintos.

Operação

A operação da loja física oferecerá serviços como atendimento de padaria e açougue, que se diferenciam da concorrência. O pão quentinho e a carne em cortes personalizados são as grandes apostas do cliente para oferecer, ao consumidor final, a melhor experiência de compra. Com isso, introduzimos no layout esses espaços ao fundo da loja, com aberturas que permitem a visualização da dark store, integrando as operações e — ao mesmo tempo — fortalecendo o conceito de trazer maior confiabilidade ao e-commerce.

Todo layout da loja foi pensando para explorar ao máximo o número de expositores e gôndolas. Com uma área relativamente pequena para uma loja de proximidades, foi necessário ampliar o espaço, crescendo parte para a área já construída e parte no plano da fachada. 

A loja abrigará, em média, 3 mil itens variados, distribuídos em 78 gôndolas que possuem tamanhos diversos de altura. Para compor todas as situações do layout, utilizamos gôndolas centrais mais altas, bem como nas paredes, e gôndolas mais baixas em corredores mais estreitos — minimizando a sensação de enclausuramento. O projeto foi desenvolvido sempre levando em consideração as visualizações internas, de modo que o cliente consiga fazer uma leitura total do ambiente de qualquer ponto da loja, valorizando as exposições de produtos.

Também criamos, em ambientes estratégicos, rebaixamentos do forro, com tratamento em madeira e iluminação pontual decorativa. O hortifruti traz um caráter de feira, onde as luminárias pendentes serão em cestaria.  Já na adega trabalhamos com o forro amadeirado e luminárias pendentes industriais na mesma cor dos perfilados.

Rollout

Todo o projeto da loja de proximidades foi desenvolvido com base em um conceito de replicação. Como a ideia do cliente é ter mais lojas nesse formato, buscamos materialidades de fácil acesso, gôndolas de linha para possibilitar replicação em grande escala e  pontos em marcenaria em pequenos detalhes para possibilitar a criação de um padrão de rollout.

Lojas Renner Torres: os desafios de uma loja litorânea

Tempo de leitura: 4 minutos

Projetar lojas no litoral é sempre um desafio! Além de otimizar espaços, pensar na usabilidade do ambiente e atender ao modelo de rollout do cliente, precisamos entender as particularidades da região, como a alta umidade, fortes ventos, o calor e a presença de salitre —  responsáveis pela oxidação de metais e desgaste de determinados materiais de construção e acabamentos.

Pensando nisso: ao projetarmos a Renner Torres — no primeiro shopping center da cidade, localizado no litoral gaúcho — tivemos atenção redobrada para compor soluções de projetos que se adaptassem ao local. Afinal, a loja fica localizada em uma rua com acesso direto ao mar, bem na entrada do Vésta Shopping. 

Vale destacar: esta é a terceira loja litorânea feita pela VZ&CO no Rio Grande do Sul.

Fachada da loja na entrada do shopping

NUVEM DE PONTOS

Para ter êxito nesse novo projeto, precisamos estudar todo o local para entender não só a área disponível da construção, mas a delimitação e exigências do shopping. A loja foi composta pela junção de 10 pequenas salas, além dessa peculiaridade, o espaço também possui várias paredes inclinadas e algumas curvas, por isso o escaneamento por nuvem de pontos foi essencial para fazer o mapeamento preciso do espaço disponível. 

Com as informações levantadas e os estudos realizados, conseguimos oferecer as melhores soluções de arquitetura e criar um projeto de qualidade, funcional e que atendesse todas as partes envolvidas. Além disso, o espaço foi todo adaptado para reforçar a experiência omnichannel que o cliente tem apostado para melhorar a vivência do consumidor nas lojas físicas.

PARTICULARIDADES ARQUITETÔNICAS

O shopping foge do padrão que estamos acostumados, possui todas suas lojas voltadas e abertas para a rua. Devido a isso foram também pensadas soluções que contemplassem a constante entrada de sol e a forte incidência de ventos no local. Para a primeira questão foi aplicado nos vidros voltados para a área externa película solar e cortinas rolô, já para solucionar as fortes rajadas de ventos, foi projetada uma antecâmara formada por 2 portas automáticas de correr junto ao acesso.

Lateral da loja

ADAPTAÇÃO DO ROLLOUT

A Renner é um cliente que aplica o método de rollout em seus projetos de arquitetura para manter o padrão de qualidade em todas as lojas físicas. Na loja de Torres, precisamos adaptar algumas partes para atender o cliente e as regras do shopping.

O Vésta Shopping é revestido por pastilhas pretas em seus pilares, vigas e paredes e em sua maior parte possui a fachada envidraçada. Para trazer a marca para a fachada do local, foi revestida a viga do shopping com ACM vermelho, criando a faixa padrão da marca, inserindo a logomarca iluminada em pontos estratégicos. Em alguns pontos também foi criada vitrine para exposição dos produtos e da marca, além de o acesso ser marcado com um pórtico em ACM cinza para estimular a visualização do cliente para este local.

EXPERIÊNCIA DO CLIENTE

A Renner Torres conta com três pavimentos, dois são destinados aos clientes e um para os funcionários. O espaço interno é bastante marcado por pilares, justamente em função de ter sido projetado para várias pequenas lojas. Por isso, foi importante a análise de como deixar o espaço mais permeável apesar das várias barreiras visuais. Para tal foram utilizados pilares com espelhos e uma comunicação visual mais intensa para direcionar o cliente. 

Além disso a loja possui várias áreas de pé direito duplo junto às fachadas, esses espaços foram aproveitados para criar uma sensação de amplitude e também para circulação vertical, deixando a escada de clientes bem visível tanto do lado interno quanto externo da loja.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


FICHA TÉCNICA

  • Nome do cliente: Renner
  • Localização: Torres (RS)
  • Categoria: Arquitetura de Varejo
  • Ano: 2021 Área: 1454.99²
  • Contexto: O clima descontraído e leve da praia recebendo uma novidade no litoral do Rio Grande do Sul: uma nova unidade das lojas Renner na cidade de Torres.
  • Desafio central: Oferecer soluções arquitetônicas para criar um espaço funcional, bastante aberto para a rua, seguro e que atende as todas as necessidades do cliente e do shopping.
  • Diferenciais: – Totalidade da loja com os limites em esquadria voltados para rua; Cuidado com escolha da posição e configuração do acesso devido ao corredor de vento característico de regiões litorâneas.

Visão de negócios, gestão de projetos e inovação são a chave do sucesso da VZ&CO

Tempo de leitura: 3 minutos

A arquitetura de varejo faz mais do que projetar espaços de compras atraentes e de fácil circulação. Ela ajuda a construir um relacionamento sólido entre o consumidor e a marca, ajudando o varejista a oferecer  uma melhor experiência de compras para seus clientes. 

A VZ&CO se especializou no assunto e oferece as melhores soluções arquitetônicas para o mercado de varejo. E como encantar o cliente faz parte do nosso negócio, desenvolvemos estratégias para oferecer a quem nos contrata a  melhor experiência possível, desde os levantamentos iniciais até o processos executivos do projeto.

“Por aqui, a gente não pensa só em projetar com qualidade, porque isso é o mínimo esperado de um escritório.  Nosso foco é fazer arquitetura comercial com um olhar de negócios, com foco nos resultados. Exploramos e desenvolvemos projetos para melhorar a experiência não só dos nossos clientes, mas dos clientes dos nossos clientes, para gerar resultados para todas as partes envolvidas” explica Vera Zaffari, CEO da VZ&CO. 

INOVAÇÃO EM FOCO

Buscar os melhores métodos para atingir resultados é tradição na VZ&CO. Ainda em 2014, após realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil, implementamos a metodologia Building Information Modeling (BIM) em nossos projetos, para torná-los mais assertivos e confiáveis.

“O BIM impactou de forma positiva a cultura de trabalho do nosso time e trouxe benefícios para os nossos clientes. Por ser focado em resultados, conseguimos interligar todas as partes de um projeto para automatizar, diminuir custos na obra, acelerar processos de execução e muito mais”, exemplifica Vera.

A metodologia também facilita a colaboração e a comunicação à distância entre os diferentes profissionais envolvidos no projeto, seja dentro ou fora do nosso escritório. Como o diálogo e a troca de informações é constante e sempre documentada, conseguimos reduzir erros e aumentar a produtividade do time. Para completar, como todo o projeto é construído conjuntamente, existe um significativo aumento na confiabilidade da documentação final entregue ao cliente. 

 

 

“O modelo em BIM ajuda nos processos simples e complexos de um projeto. Alguns exemplos vão desde a visualização a partir de um modelo integrado em três dimensões até a gestão e manutenção do edifício construído”, exemplifica. Ele permite, ainda, trabalhar de maneira interdisciplinar, atendendo até mesmo às demandas de custos, como o de planejamento e sustentabilidade. 

GESTÃO DE QUALIDADE

A equipe da VZ&CO é treinada e qualificada, constantemente, para oferecer as melhores e mais modernas  soluções arquitetônicas para os clientes.  “Desde o início, prezamos pela inovação, por gestão de qualidade e referência no mercado para entregar resultados e confiança aos clientes, por meio de um trabalho único, aliado às mais novas  tecnologias e as melhoras práticas sustentáveis”, pondera.

“Sempre que iniciamos um projeto novo, nossa equipe se divide para entender e atender a todas as necessidades do cliente. Organizamos uma estratégia. Um integrante da equipe fica responsável por desenvolver o template e, o outro, responsável por entender o padrão do cliente para verificar quais as oportunidades de automatizar alguma tarefa e os documentos que serão entregues em cada etapa de projeto, a fim de realizar uma entrega com excelência” explica a sócia e arquiteta da VZ&CO, Alexia Becker. 

Os projetos da VZ&CO são feitos a partir de uma profunda compreensão do programa, do local, das normas que impactam, das necessidades a serem atendidas, dos conceitos a serem mantidos sem deixar de descobrir o potencial do que pode ser entregue no fim. 

“Nossa experiência, conhecimento e recursos são mais eficazes quando ouvimos um ao outro. Trabalhamos uns com os outros e aprendemos uns com os outros. Afinal, além de entregar projetos eficientes, acreditamos na força da experiência, colaboração e na construção de relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros. Sempre olhando para o futuro” finaliza Vera Zaffari. 

Sobre a VZ&CO

Há 22 anos trazendo soluções inteligentes e inovadoras de arquitetura para o mercado, a VZ&CO atua na área comercial e de varejo, além de contar, em seu portfólio, projetos em hotelaria, centros logísticos e de distribuição, restaurantes, centros médicos, shoppings, redes de lojas, supermercados, projetos de renovação e restauro de prédios antigos.

VZA projeta expansão de Lojas Eliane

Tempo de leitura: 2 minutos

eliane2O escritório VZA – Vera Zaffari Arquitetura elaborou o novo projeto dos pontos de venda das Lojas Eliane, rede de varejo de roupas e calçados em franca expansão pelo interior dos estados de São Paulo e Paraná.

elianeAs mudanças representam uma mudança de posicionamento da empresa, que iniciou suas atividades com uma pequena loja em Carlópolis (PR) e hoje busca uma profissionalização em sua gestão.

eliane3“O projeto de Piraju, quarta loja, tem como premissas básicas favorecer o autosserviço e criar ambientes que conversem com seu público-alvo, sem perder o jeito de ser de cidade do interior, onde todos se conhecem”, especifica Vera Zaffari. Facilitar a operação para poder crescer sem perder a identidade é o principal desafio a ser vencido pelo projeto de arquitetura comercial. “Trabalhar com um projeto de loja que seja facilmente replicável, mas que tenha uma conceituação firme, consistente, se faz necessário no momento de expansão das redes de varejo”, ensina a arquiteta.

 

Nova sede da Google em Amsterdã explode em cores

Tempo de leitura: 2 minutos

Google“Nós fornecemos o melhor ambiente possível e vocês fazem o melhor trabalho possível”, costuma afirmar o CEO do Google, Larry Page, a seus funcionários. E ele entrega o que promete, vide a nova sede da empresa em Amsterdã, inspirada na garagem onde a gigante da internet nasceu.

Cores fortes, materiais texturizados e padrões vibrantes, distribuídos numa área de três mil m2, reforçam a experiência retro e celebram a cultura local – na entrada, uma mesa em forma de bicicleta remete à maior frota de magrelas por habitantes do mundo, presente na Holanda.

google3O espaço corporativo foi concebido numa linguagem visual urbana e jovial, que parte desde a estampa de tijolos expostos nas paredes e ilustrações em grafite até as nostálgicas luminárias em neon e mobiliários que lembram brinquedos dos anos 1980, tudo desenvolvido com materiais sustentáveis.

Mesas de pebolim, espreguiçadeiras, sofás com grandes encostos acolchoados e diferentes espaços de convivência reforçam o jeito Google de ser e trabalhar.

Veja mais: http://bit.ly/1rM4VVA .

google2

Patrimônio histórico: Cine Ipiranga, em SP, é tombado

Tempo de leitura: < 1 minuto

ipirangafachadaA Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo tombou o antigo edifício que abrigava o Cine Ipiranga e o Hotel Excelsior, no centro da capital paulista. O projeto do arquiteto Rino Levi data da década de 40.

A ideia é preservar a galeria de entrada, o saguão, as salas de espera e de projeção. Fechado desde 2005, o prédio ainda deverá ser reaberto pela prefeitura da cidade para abrigar um cinema de rua.

O escritório VZA – Vera Zaffari Arquitetura incentiva a restauração e a preservação do patrimônio histórico. É de Vera Zaffari e sua equipe o projeto do Hotel Laghetto Viverone, instalado na Rua Dr. Vale, no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre. Confira detalhes sobre o projeto: http://bit.ly/1qYPp4U .

Leia mais no site Arqbacana sobre o tombamento do prédio do Cine Ipiranga, em São Paulo.

Luel é reinaugurada com projeto da VZA

Tempo de leitura: 2 minutos

LueL_VeraZaffari2Os fundadores da Luel, Luiz Mário Magalhães e Elvete de Oliveira Garcia Sá, receberam convidados, amigos e fornecedores na reinauguração da loja, na sexta-feira (09/05). Vera Zaffari, responsável pelo projeto arquitetônico, prestigiou o evento (os três na foto acima, com Vera no centro).

Luel_fachadaFeliz com a reinauguração, Elvete de Oliveira Garcia Sá destacou a parceria com a VZA. “Ao remodelarmos nossa loja queríamos criar o espaço de uma casa, para que a pessoa que entrasse aqui vislumbrasse a sala de estar, a cozinha, a sala de jantar, o quarto, o closet. E Vera Zaffari e sua equipe pescaram com exatidão e sensibilidade essa ideia. Tudo ficou melhor do que imaginávamos”, resume.

Luel_quartoA Luel passa a atuar em variados segmentos de decoração, representando fabricantes conceituados de móveis planejados em MDF, sofás, poltronas, mesas, cadeiras e outros objetos. Para quem quiser conferir os novos produtos da empresa e a expertise em arquitetura comercial de Vera Zaffari, a loja fica na Av. Ipiranga, 7464, em Porto Alegre.

 

VZA projeta novo layout e decoração da Luel

Tempo de leitura: < 1 minuto

nova logo LUELO escritório VZA – Vera Zaffari Arquitetura foi o escolhido para realizar o novo projeto de layout e decoração da Luel, loja de móveis e decoração que reinaugura nesta sexta-feira, 9 de maio, na Av. Ipiranga, 7464, em Porto Alegre.

Fundada por Luiz Mário Magalhães Sá e Elvete de Oliveira Garcia Sá, a Luel está estabelecida desde o ano passado no moderno edifício Central Business Park, no bairro Jardim Botânico. Inicialmente voltada para a comercialização de móveis planejados, agora a Luel passa a atuar em variados segmentos de decoração, representando fabricantes conceituados de móveis planejados em MDF, sofás, poltronas, mesas, cadeiras e outros objetos. E Vera Zaffari, com sua expertise em arquitetura comercial, projetou a nova loja.