Posts

Por uma arquitetura mais verde

Tempo de leitura: 5 minutos

Sustentabilidade não é mais uma tendência, mas uma necessidade no universo da arquitetura e da construção civil. Em meio ao aquecimento global, à crise hídrica e à preocupação com a preservação do meio ambiente, não basta projetar edifícios bonitos e funcionais. Eles precisam ser eficientes do ponto de vista socioambiental, sem desperdício de materiais de construção, pensando na reciclagem de recursos e — de preferência — prezando pela eficiência térmica, hídrica e energética do projeto. E isso apenas do ponto de vista ambiental. Em relação ao impacto humano, ele precisa promover a economia local e cuidar do bem-estar dos trabalhadores envolvidos na obra e de seus futuros usuários. 

“Pensar em arquitetura sustentável é buscar alternativas e soluções capazes de diminuir impactos ambientais, como utilização de materiais/revestimentos locais, o aproveitamento de energia solar e a reutilização da água da chuva”, explica a arquiteta da VZ&CO, Caroline Malaggi. 

Um projeto de arquitetura comercial sustentável respeita os conceitos e os padrões de uma marca, mas também busca reduzir os impactos ambientais que ele possa provocar. Nesses casos, os arquitetos podem sugerir soluções mais “verdes”, como a escolha de materiais reciclados, a construção de reservatório de captação de água ou iluminações naturais que reduzam a necessidade do uso de energia elétrica. 

“Antes de iniciar um projeto, conversamos com os nossos clientes para saber quais são as suas necessidades e também fazer sugestões do que podemos utilizar em uma obra. Baseadas nos levantamentos do terreno e da obra, sempre buscamos entregar projetos que atendam às premissas da sustentabilidade”, comenta a arquiteta.

GREEN BIM

Desperdício com material de obra não faz parte do vocabulário da VZ&CO. Justamente por isso, desenvolvemos todos os nossos projetos em BIM — metodologia que permite um projeto mais preciso, possibilitando a extração de quantitativos e racionalização dos materiais que serão utilizados em obra.

“Além de ter os custos reduzidos, obras projetadas em BIM têm o consumo de água e energia otimizados. Justamente por isso, os governos de países como Reino Unido, Canadá e Estados Unidos só contratam projetos desenvolvidos em BIM. Aqui, no Brasil, o governo federal estuda adotar a mesma prática e grandes varejistas, como a Renner, que é nosso cliente, também só trabalham com essa metodologia em seus projetos de lojas”, conta Vera Zaffari, CEO e arquiteta da VZ&CO.

Vale destacar: o problema do desperdício de materiais no setor da construção é real e precisa ser combatido. Para se ter ideia, somente em 2019, foram geradas  290,5 toneladas de entulho por dia no Brasil. Destes, apenas 21% são recicláveis. Os dados da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) alertam para uma realidade que precisa ser modificada.

Quer mais um motivo para realizar projetos sustentáveis? Cerca de 87% dos brasileiros preferem consumir produtos e serviços de empresas que adotam e preservam práticas sustentáveis. Os dados foram divulgados pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) em 2019, resultado de um estudo feito pela Union + Webster — agência  de pesquisa norte-americana.

SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS

Conheça algumas estratégias aplicadas pela VZ&CO em seus projetos arquitetônicos para reduzir o impacto ambiental dos mesmos:

Utilização de placas solares – Ao aproveitar a luz do sol para gerar energia elétrica, empresas economizam na conta de luz e ainda aliviam a pressão que existe hoje sobre o sistema de geração de energia elétrica no Brasil — que sofre com a baixa dos reservatórios de água. Utilizar fontes de energia renováveis é importante na hora de criar um projeto e, por isso, recomenda-se a instalação de placas solares sempre que possível.  

Um dado interessante para empreendimento com mais de uma loja e com o mesmo CNPJ:  caso a energia solar gerada pelas placas de um estabelecimento seja maior do que a utilizada, a empresa poderá transferir os quilowatts remanescentes para outras lojas, mesmo que elas não tenham placas instaladas.

Iluminação natural – O aproveitamento de luz natural pode ser feito por meio de soluções como as clarabóias, zenitais e grandes aberturas. Quando sugeridas aberturas em fachadas, é importante realizar um estudo da incidência solar para que não haja interferência no conforto térmico interno, exigindo um maior tratamento por meio de sistemas de condicionamento de ar.

Automatização de sistemas – Quem disse que não dá para inovar com sustentabilidade? Um método eficiente para ajudar na redução de gastos desnecessários de energia é o uso de sistemas de iluminação inteligente.

“Mesmo com a iluminação natural, alguns empreendimentos precisam de luminárias, mesmo durante o dia. Então, esses sensores verificam se há presença de luz natural suficiente ou não. Se sim, automaticamente as luminárias são desligadas”, exemplifica Caroline.

 

Isolamento térmico – Existem diversas formas de tratamento térmico para deixar os ambientes mais agradáveis, além dos equipamentos de condicionamento de ar. Estratégias como o tratamento de coberturas feitas de mantas e telhados com isolamento térmico reduzem a carga do ambiente, assim como o uso de películas solares em vidros ou a utilização de sistemas brises, que controlam a incidência da entrada de luz de acordo com a orientação solar da fachada.

Reaproveitamento de água pluvial e piso permeável – Aeradores nas torneiras e vaso com caixas acopladas para controlar a vazão da água e telhados com sistemas de aproveitamento da água da chuva por meio de cisternas, são soluções sustentáveis para racionalização e uso da água. As chamadas águas cinzas (água de reaproveitamento), podem ser utilizadas para irrigação, lavagem de calçadas e até mesmo em bacias sanitárias. As técnicas, além de sustentáveis, trazem grandes economias em edificações, principalmente nas de grande escala — condomínios, hotéis, supermercados etc.

Análise de materiais no projeto para  otimização da execução – Especificar e sugerir materiais com fornecimento local nos projetos facilita o transporte, assim otimizando o tempo, a distância da entrega e diminuindo as emissões de carbono.  A construção seca, e quando possível modular, não só diminui desperdícios em obras, mas também acelera o tempo de construção e aumenta a facilidade futura de manutenção do edifício.

Você sabe a diferença entre dark stores, transit points e galpões logísticos?

Tempo de leitura: 3 minutos

Essas três soluções de logística trazem ganhos diferentes para quem vende seus produtos online e deseja melhorar sua performance de entregas.

Antes da pandemia, receber um produto em casa em até  três dias era visto com muito bons olhos pelo consumidor. Então, tudo mudou! Agora, o coração do cliente tende a bater mais forte por quem entrega o produto no mesmo dia ou no menor espaço de tempo. E a melhor maneira de fazer isso, é investindo em uma ou mais das seguintes soluções logísticas:

1. Centros de distribuição/Galpões logísticosProjeto de CD do Centro Himalaia

Esses dois nomes são utilizados para definir espaços de armazenagem de produtos localizados em pontos  estratégicos, com acesso às principais rodovias. O objetivo é facilitar a logística das entregas, além de acelerar processos e beneficiar os dois lados — cliente e varejista

“O galpão logístico é estratégico, pois facilita a entrega dos produtos de modo contínuo e direto, reduzindo a necessidade de estoque e, consequentemente, gerando ganhos entre o custo, a armazenagem e o transporte”, explica Vera Zaffari, arquiteta fundadora da VZ&CO.

Para completar, essas estruturas garantem controle de estocagem e distribuição por centralizarem toda a logística de uma operação. Sendo assim, exigem grandes áreas para serem implementados. Seu funcionamento é focado em receber, movimentar, armazenar, separar e expedir mercadorias de forma prática e centralizada. 

Uma das empresas que aposta pesado na estratégia dos centros logísticos é a Amazon — uma das principais referências globais em agilidade de entrega e satisfação do consumidor. Somente aqui no Brasil, ela possui galpões em São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Rio de Janeiro. Essas unidades viabilizam a realização de entregas em até 24 horas nas grandes capitais.

2. Transit points

Diferentemente dos centros de distribuição, o transit point mantém a ideia de acelerar as entregas, mas com uma outra proposta de logística. As mercadorias que chegam a esses espaços já têm seus destinos definidos. Elas chegam com a nota fiscal endereçada aos consumidores finais, podendo ser liberados imediatamente para a entrega local.

“Os transit points são menores no tamanho e maiores em quantidade, garantindo a gestão eficiente das mercadorias, trazendo maior a agilidade para a entregas de produtos comprados em lojas físicas ou na internet. Para a indústria, é um local de armazenamento de produtos saídos da linha de produção. Para o comércio, é um armazém logístico para organizar mercadorias vindas de diversos fornecedores. Lá, esses produtos serão organizados e distribuídos às redes de lojas ou consumidores”, exemplifica Vera. 

As operações realizadas nesses espaços são essenciais para organizar processos, reduzir gastos e melhorar a gestão de riscos e dos estoques. E assim como os centros logísticos, os transit points são econômicos na construção e manutenção dos espaços, por se tratar de uma estrutura simples e gerencial para controlar a distribuição de mercadorias e exigirem uma área menor para implantação.

3. Dark Stores

Eis aqui a mais nova tendência do mercado de varejo. As dark stores são espaços voltados à armazenagem, separação e envio de produtos comprados pela internet. Diferente dos transit point e centros logísticos tradicionais, elas se parecem como um comércio de proximidade, com espaço menor,  localizadas em centros urbanos, mas fechadas ao público.

Um dos projetos de dark store feito pela VZ&CO

Apesar de as dark stores serem fechadas ao público, elas complementam as lojas físicas e seus e-commerces, permitindo que o cliente retire o produto no local ou receba em casa no mesmo dia ou em poucas horas, garantindo a conveniência tão esperada pelo consumidor. Boa parte das dark stores permite ao consumidor retirar suas compras 24 horas por dia, 7 dias por semana. É o máximo de flexibilidade na hora de realizar uma compra. 

“Particularmente, considero uma solução logística inteligente. As dark stores não demandam grandes investimentos de arquitetura ou manutenção, costumam ter localização central, exigem áreas físicas menores, aumentam a visibilidade da marca e ainda ampliam a satisfação do cliente — que pode retirar o produto comprado de forma rápida e prática, como o clique e retire”, complementa a CEO da VZ&CO.

Agora que você já entendeu a diferença entre essas três soluções logísticas, que tal conversar conosco sobre qual delas seria melhor para a sua marca? Estamos à disposição para ajudá-lo!

Visão de negócios, gestão de projetos e inovação são a chave do sucesso da VZ&CO

Tempo de leitura: 3 minutos

A arquitetura de varejo faz mais do que projetar espaços de compras atraentes e de fácil circulação. Ela ajuda a construir um relacionamento sólido entre o consumidor e a marca, ajudando o varejista a oferecer  uma melhor experiência de compras para seus clientes. 

A VZ&CO se especializou no assunto e oferece as melhores soluções arquitetônicas para o mercado de varejo. E como encantar o cliente faz parte do nosso negócio, desenvolvemos estratégias para oferecer a quem nos contrata a  melhor experiência possível, desde os levantamentos iniciais até o processos executivos do projeto.

“Por aqui, a gente não pensa só em projetar com qualidade, porque isso é o mínimo esperado de um escritório.  Nosso foco é fazer arquitetura comercial com um olhar de negócios, com foco nos resultados. Exploramos e desenvolvemos projetos para melhorar a experiência não só dos nossos clientes, mas dos clientes dos nossos clientes, para gerar resultados para todas as partes envolvidas” explica Vera Zaffari, CEO da VZ&CO. 

INOVAÇÃO EM FOCO

Buscar os melhores métodos para atingir resultados é tradição na VZ&CO. Ainda em 2014, após realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil, implementamos a metodologia Building Information Modeling (BIM) em nossos projetos, para torná-los mais assertivos e confiáveis.

“O BIM impactou de forma positiva a cultura de trabalho do nosso time e trouxe benefícios para os nossos clientes. Por ser focado em resultados, conseguimos interligar todas as partes de um projeto para automatizar, diminuir custos na obra, acelerar processos de execução e muito mais”, exemplifica Vera.

A metodologia também facilita a colaboração e a comunicação à distância entre os diferentes profissionais envolvidos no projeto, seja dentro ou fora do nosso escritório. Como o diálogo e a troca de informações é constante e sempre documentada, conseguimos reduzir erros e aumentar a produtividade do time. Para completar, como todo o projeto é construído conjuntamente, existe um significativo aumento na confiabilidade da documentação final entregue ao cliente. 

 

 

“O modelo em BIM ajuda nos processos simples e complexos de um projeto. Alguns exemplos vão desde a visualização a partir de um modelo integrado em três dimensões até a gestão e manutenção do edifício construído”, exemplifica. Ele permite, ainda, trabalhar de maneira interdisciplinar, atendendo até mesmo às demandas de custos, como o de planejamento e sustentabilidade. 

GESTÃO DE QUALIDADE

A equipe da VZ&CO é treinada e qualificada, constantemente, para oferecer as melhores e mais modernas  soluções arquitetônicas para os clientes.  “Desde o início, prezamos pela inovação, por gestão de qualidade e referência no mercado para entregar resultados e confiança aos clientes, por meio de um trabalho único, aliado às mais novas  tecnologias e as melhoras práticas sustentáveis”, pondera.

“Sempre que iniciamos um projeto novo, nossa equipe se divide para entender e atender a todas as necessidades do cliente. Organizamos uma estratégia. Um integrante da equipe fica responsável por desenvolver o template e, o outro, responsável por entender o padrão do cliente para verificar quais as oportunidades de automatizar alguma tarefa e os documentos que serão entregues em cada etapa de projeto, a fim de realizar uma entrega com excelência” explica a sócia e arquiteta da VZ&CO, Alexia Becker. 

Os projetos da VZ&CO são feitos a partir de uma profunda compreensão do programa, do local, das normas que impactam, das necessidades a serem atendidas, dos conceitos a serem mantidos sem deixar de descobrir o potencial do que pode ser entregue no fim. 

“Nossa experiência, conhecimento e recursos são mais eficazes quando ouvimos um ao outro. Trabalhamos uns com os outros e aprendemos uns com os outros. Afinal, além de entregar projetos eficientes, acreditamos na força da experiência, colaboração e na construção de relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros. Sempre olhando para o futuro” finaliza Vera Zaffari. 

Sobre a VZ&CO

Há 22 anos trazendo soluções inteligentes e inovadoras de arquitetura para o mercado, a VZ&CO atua na área comercial e de varejo, além de contar, em seu portfólio, projetos em hotelaria, centros logísticos e de distribuição, restaurantes, centros médicos, shoppings, redes de lojas, supermercados, projetos de renovação e restauro de prédios antigos.

Desmistificando o BIM

Tempo de leitura: 4 minutos

Uma ferramenta prática, eficiente e que foca resultados. Esse é um resumo das entregas do Building Information Modeling (BIM), uma das metodologias de modelagem de projetos mais potentes do mercado. Se você ainda está em dúvidas sobre migrar seus projetos para ele, precisa ler esta matéria.  Aqui, a VZ&CO — que utiliza o BIM em seus projetos desde 2014 — desconstrói 4 mitos sobre a implantação da ferramenta. Confira:

1 – Arquitetura em BIM é mais cara? 

Quando se fala em implementar o BIM, a maioria das pessoas reluta por achar que a mudança pode ser muito cara — um pensamento estranho para quem conhece os benefícios de um projeto correto na execução de uma obra, como os arquitetos. É fato que existe um custo inicial para a mudança dos processos de trabalho, mas assim como em qualquer reforma, o investimento se paga e traz retorno.  Especialmente porque  todo o valor de implantação é compensado pelo ganho de eficiência dos processos internos. Afinal, no BIM evita desperdícios, refação de trabalhos e gera mais confiança para o cliente orçar a obra.  

Outro ponto importante: o sistema conta com uma logística segura. Isso facilita o cálculo da construção e agiliza o processo.

“Uma das vantagens de projetar utilizando o BIM é estimar custos com maior precisão, gerir e diminuir os gastos com processos materiais. À medida em que vamos alterando informações no modelo, o quantitativo é alterado simultaneamente. As informações ficam salvas em tabelas explicativas, dando mais clareza para o cliente entender o que foi feito”, explica a gestora de produção da VZ&CO, Graciela Zaffari.  

2 – O BIM é complexo?

 Não, não é. Assim como em qualquer outro sistema informatizado, é  fundamental treinar a equipe na ferramenta para que ela possa aproveitar todas as funcionalidades do BIM.  Mas a modelagem, em si, não é difícil de executar. Nós, da VZ&CO, buscamos facilitar a introdução dos nossos clientes no processo BIM, junto aos seus setores internos de projetos e obras, facilitando o processo e o manuseio do modelo, assim como agilizando o aprendizado do time.

3 – O BIM é só mais uma representação de modelo 3D

De jeito nenhum!  Por mais que o BIM faça uma representação visual do projeto, ele entrega muito mais do que visualização em três dimensões.  O sistema ajuda a produzir conjuntos de dados digitais e bancos de dados com informações gráficas e não gráficas do projeto. Além do detalhamento de forma virtual, os projetos gerados pode m ser quantificados, coordenados, planejados e podem ter informações recuperadas a qualquer momento, pois o registro fica salvo. São até 8 dimensões de informação que tornam a modelagem do projeto muito mais precisa e eficiente.

4 – O BIM é um software 

 Engana-se quem pensa assim. O BIM não é um software, é uma metodologia de modelagem capaz de aumentar significativamente a precisão e a previsibilidade de um projeto.  A implementação dele traz mudanças em pessoas, processos e tecnologias. Além disso, facilita a comunicação e a colaboração, deixando a modelagem de projetos mais ágil, facilitando os fluxos e a conversa à distância entre diferentes disciplinas. Essa melhoria na gestão do projeto reflete diretamente na redução de erros e no aumento da produtividade de todo o time. 


Otimizando o BIM  

A VZ&CO é referência no suporte à implantação do BIM em empresas. Desde 2014, trabalhamos com essa tecnologia e, desde então, aprendemos a otimizar a metodologia para  impulsionar, ainda mais, nossos  resultados e a qualidade da gestão. 

Listamos, a seguir,  alguns aplicativos complementares que podem ser adicionados ao BIM.  Saiba como elas são aplicadas ao nosso escritório e  como podem ser vantajosas para o seu negócio:

Navisworks – É um software criado para prever falhas de compatibilização, realizar a gestão do projeto ou a obra com a possibilidade de coordenação, integração, análise de custos e logística. Com essa ferramenta, é possível mapear elementos que só eram percebidos na obra. 

Visualização 360º – Com essa ferramenta, é possível oferecer ao cliente uma visualização mais clara do projeto, realizando uma verdadeira tour virtual pelo projeto para que ele consiga entender o espaço. 

Automação com Dynamo ou Phyton – Uma complementação que permite automatizar tarefas e  entregar resultados ainda mais confiáveis, tendo o especial cuidado no gerenciamento, que deve ser  entregue dentro do prazo. 

A  implementação dessas ferramentas trouxeram  resultados positivos na cultura do trabalho, permitindo a colaboração e agilidade nos processos. Os clientes também sentiram a melhora e os benefícios ao receberem os projetos detalhados, por exemplo.

Arquiteta de futuros

Tempo de leitura: 4 minutos

O sotaque não deixa dúvidas: a arquiteta Vera Zaffari é gaúcha, nascida em Cachoeira do Sul. Filha de empresário da Construção Civil e de empresária no ramo de alimentação, ainda criança, descobriu sua paixão pela arquitetura. Em vez de pentear as bonecas, preferia criar casas e ambientes para elas. Interessada por aquele universo, passou a vivenciar com o pai nas obras e entendeu que ali estava o seu futuro. 

“A arquitetura foi sempre a minha paixão. O cheiro da obra, a convivência diária desde pequena em construções, me moldaram e me tornaram o que sou hoje”, comenta Vera, que além de arquiteta, é  uma empreendedora respeitada, com projetos espalhados pelo Brasil, Uruguai e Argentina. 

 

Formada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), de Porto Alegre (RS), Vera aprendeu já no primeiro estágio a se destacar profissionalmente. Antes mesmo de se formar, assumiu a liderança de vários projetos, aprendendo a lidar não só com a execução de projetos, mas também com os clientes. Resultado? Aos 23 anos, foi  convidada a virar sócia do escritório onde atuava.

Depois de alguns anos na profissão, a arquiteta percebeu que havia adquirido uma especialização na área que mais lhe dava prazer: a arquitetura comercial, em função das empresas que atendia. Em 1998, ela deixou a antiga sociedade para empreender por conta própria. Apesar de sentir o frio na barriga —  por ser uma mulher em uma época em que a arquitetura era majoritariamente dominada por homens —, ela  não desanimou e encarou o desafio. Nascia assim a VZ&CO. 

“Não foi fácil impulsionar o meu próprio negócio, mas as portas foram se abrindo por conta da qualidade dos projetos e pela determinação de sair vencedora – era vencer ou vencer. Fui convidada a participar de uma rodada de seleção de escritórios de arquitetura para atender uma grande rede varejista multinacional”, recorda Vera. 

A disputa somou 44 escritórios e deu à Vera o segundo lugar na classificação geral. Foi o suficiente para ela ser contratada. Esse primeiro grande cliente está até hoje na VZ&CO — mais uma prova da excelência não só dos projetos, mas do atendimento do escritório ao varejista.

E vale destacar: a VZ&CO coleciona prêmios em Gestão de Qualidade e projetos de arquitetura, como você pode conferir nesta linha do tempo da empresa

 

GESTÃO INOVADORA  

Logo que começou a empreender, Vera entendeu a importância de ser inovadora para criar diferenciação. Por isso, ela investiu fortemente na qualidade da gestão e na entrega de resultados para os clientes. 

“Nunca quis que a VZ&CO fosse apenas mais uma empresa de arquitetura, mas sim um nome de referência no mercado. Por isso,  fiz inúmeros cursos e MBA em Gestão Empresarial para entender e saber como posicionar o escritório como uma corporação inovadora, que preza pela gestão da qualidade, para entregar resultados e confiabilidade aos clientes”, afirma. 

Há 22 anos no mercado,  a VZ&CO se especializou  em arquitetura comercial e de varejo, mas também tem em seu portfólio projetos em hotelaria, centros de distribuição, restaurantes, arquitetura hospitalar e projetos de renovação e restauro de prédios antigos. 

“Nosso compromisso é entregar um trabalho inovador de qualidade, por meio de tecnologias e práticas sustentáveis. Como gestora,  busco manter relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros, sempre pensando em como deixar o escritório alinhado com o futuro”, complementa Vera.

 

BIM


 

Inovação é um conceito importante na vida de Vera Zaffari. Sempre em busca de trazer mais e melhores resultados para os clientes, ela faz questão de investir em novas tecnologias capazes de agregar valor na realização de projetos, melhorando tanto a qualidade quanto o tempo de entrega.

Em 2014, depois de realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil , Vera decidiu implantar uma das mais modernas ferramentas de modelagem de projetos na VZ&CO: o Building Information Modeling (BIM). Objetivo? Tornar os projetos da empresa o mais precisos e confiáveis possível.

“Por meio do BIM, conseguimos impactar de forma positiva a cultura de trabalho dos nossos arquitetos e, também, os projetos apresentados aos clientes. Por ser uma ferramenta  com foco em resultados, o BIM  interliga todas as partes interessadas, diminui custos, acelera processos de execução e muito mais”, explica.

Sempre em busca de melhores processos e resultados, Vera e equipe estão sempre estudando novas funcionalidades e pluggins para a ferramenta, Com isso, a metodologia está sempre evoluindo, ajudando a VZ&CO a fazer a gestão de projetos de forma assertiva, otimizando a gestão do tempo de obras, evitando custos desnecessários, maximizando o investimento dos clientes.  Outro ponto importante é a visualização do projeto, que pode alcançar a dimensão até 8D ou mais.  

O uso do BIM  também facilita a colaboração e a comunicação a distância, fazendo com que os erros sejam reduzidos e a produtividade seja aumentada. Esse resultado traz confiança na documentação final”, conclui a executiva, que percebeu na sua experiência com a ferramenta uma oportunidade de negócio. Hoje, além de realizar projetos de arquitetura comercial,  a VZ&CO também apoia  empresas com grande fluxo de projetos comerciais a fazer a transição para o BIM. 

Para finalizar, Vera nos conta qual seria — para ela — o segredo do sucesso: “Eu acredito muito na tecnologia e na inovação, por isso as uso em favor de melhorar a qualidade do trabalho que entrego no meu escritório. Como gestora, faço questão de  oferecer o melhor para quem nos contrata e estamos sempre evoluindo para fazer a diferença e trazer resultados felizes para todas as partes interessadas”. 

Comércio de proximidade estreita relação do varejo com o cliente

Tempo de leitura: 3 minutos

Fazer compras com segurança, pertinho de casa, em um ambiente aconchegante é mais que um desejo: é uma necessidade, especialmente em tempos de pandemia. Por isso, grandes marcas de supermercado estão apostando nos chamados mercados de proximidade — versões menores e mais requintadas de suas lojas, especializadas em oferecer uma experiência diferenciada para o consumidor.

No Brasil, as lojas de bairro já correspondem a mais de 40% do volume de vendas em alimentos, higiene e outros produtos encontrados em supermercados. Os dados são de uma pesquisa realizada em 2018 pela GFK — empresa de estudos de mercado alemã. Grandes varejistas como o Grupo Pão de Açúcar, Carrefour e Lojas Americanas investiram nesse novo segmento para melhor atender aos clientes.

“Os mercados de proximidade lembram uma boutique, a lojinha com beleza. É como se você entrasse em uma loja com conceito industrial”, explica Rubiane Schneider, arquiteta da VZ&CO responsável pelos projetos da bandeira Minuto do Grupo Pão de Açúcar, que se enquadra nesse conceito.

Ambiente aconchegante

Os mercadinhos da rede ficam localizados em bairros com demandas específicas de consumo e têm um portfólio próprio de produtos selecionados. Cada fruta, legume ou produto é escolhido a dedo, facilitando a vida do cliente que não precisa perder tempo escolhendo a melhor maçã ou o pão mais fresquinho. Ele pode passear pelos corredores da loja — desenhados para facilitar o deslocamento dele pelo ambiente — e descobrir uma série de novidades que tornarão seu dia a dia mais prazeroso.

 

Quando projetamos uma loja de proximidade, temos o cuidado de criar um ambiente aconchegante, com acessibilidade e ambientes bem setorizados, para facilitar a experiência de compra do cliente”, explica a Rubiane.

 

Na visão da arquiteta, investir nesse setor ajuda a ampliar a visibilidade da marca, já que essas lojas costumam ser abertas em locais estratégicos e atendem públicos diferenciados. “Quem frequenta esses mercados acaba estabelecendo um relacionamento mais forte com a marca, que ela passa a fazer parte da vizinhança e do seu dia a dia”, conclui,

 

Bandeira Minuto

Desde 2014, o Grupo Pão de Açúcar aposta na bandeira  Minuto —  lojas conceito que trabalham essa relação de maior proximidade com o cliente. A intenção da rede é lançar mais 30 unidades com essa visão. Os projetos terão a assinatura da VZ&CO, que assinou contrato em julho de 2020 com a varejista.

Já em fevereiro, inauguramos a primeira unidade na Avenida Marechal Mallet, em Praia Grande (SP). A loja, com 830 m2, é moderna, com acabamento industrial, forro aparente, iluminação com perfilados e blocos de fechamento também aparentes.

Pela conformação do terreno existem duas fachadas no projeto, uma para clientes, com estacionamento, e a outra fachada exclusiva para a carga e descarga de mercadorias. O salão de vendas possui uma área de adega, ao fundo, seguindo o padrão da marca. Também ao fundo, encontra-se uma área de padaria  integrada, com visores de vidros que permitem aos visitantes acompanhar todo o preparo dos pães e da fiambreria.

 

Principal diferencial

Para o Grupo Pão de Açúcar, o principal diferencial desse projeto foi a enorme quantidade de informações técnicas entregues pela VZ&CO.

É isso o que torna nossos projetos únicos: o detalhamento dos desenhos e dos estudos de viabilidade. Nós vamos até o local, estudamos a estrutura como um todo e conseguimos identificar todas as incompatibilidades entre o projeto e a obra,  prevenindo problemas de execução que implicariam em gastos extras para o cliente”, explica a arquiteta.

 

Além disso, todos os projetos da VZ&CO são modelados em BIM (Building Model Information), dentro de visões de 3D, 4D, 5D, 6D,  7D e 8D. “Na prática, a gente pré-constrói a obra no computador. Não entregamos apenas um desenho; entregamos um projeto rico em informações termoacústicas e estruturais. Isso é um ganho não só para o cliente, mas a construtora que vai  executar a obra, pois ela consegue orçar tudo com antecedência e precisão”, conclui.

 

Arquitetura Paramétrica: o encontro perfeito entre a criatividade e a precisão matemática

Tempo de leitura: 4 minutos

O desenho a mão dentro do contexto da arquitetura é um daqueles tópicos sobre os quais parece que quase todo mundo tem uma opinião forte, não é? Mas enquanto muitos lamentam o fato de que as práticas tradicionais estão em declínio desde a revolução industrial, hoje, uma nova geração de arquitetos e designers começou a redefinir e atualizar a noção do “feito a mão” para incluir as mais modernas técnicas de design e fabricação disponíveis. 

Mas fazer a mão ou artesanalmente na era digital é difícil de definir. Para alguns, este processo de desenhar a mão evoca uma pureza de estilo, uma preferência pela prática humana em vez da máquina. Para outros, o desenho arquitetônico feito a mão é uma ode à  arquitetura clássica.

Porém, independente da nossa compreensão do termo “artesanal” dentro da arquitetura, cada vez mais o conhecimento ancestral de pedreiros e artesãos está embutido em um processo de design inteligente usando modelos geométricos feitos em computador – desde montagens de móveis e projetos arquitetônicos que desafiam a gravidade até fluxos de trabalho complexos. 

Com a chegada das inovações, novas habilidades passaram a ser exigidas dos arquitetos. E quando falamos inovações como a arquitetura paramétrica, especificamente, o uso de algoritmos e softwares especializados nos permite expandir, imaginar e criar formas totalmente novas.

Zaha Hadid fez isso brilhantemente e se tornou um dos grandes nomes da arquitetura moderna. Marcou seu nome na história através de suas curvas e formas abstratas, que foram possíveis graças a eles: os algoritmos, os dados e os parâmetros.

Mas afinal, o que são arquitetura e design paramétricos? 

Para facilitar o entendimento de como a arquitetura paramétrica funciona, vamos por partes. 

Primeiro, o arquiteto organiza toda as diretrizes de desenho que precisam ser fornecidas ao software. É papel desse profissional, por exemplo, trazer um direcionamento sobre o tipo de estrutura que irá ser usada em uma fachada e o tipo de vedação. Outras informações como a carta solar, ventos predominantes e informações sobre a localização do projeto também são relevantes de serem inseridas para que o programa faça o cálculo. A partir disso, o software está apto a calcular como essa fachada poderia se formar. 

O programa, então, transforma essas informações em parâmetros, que vão orientar o profissional de arquitetura paramétrica na criação do desenho final. Pela existência da arquitetura paramétrica, é possível hoje, criar um desenho de projeto cheio de curvas abstratas e milimetricamente calculado para receber a quantidade ideal de luz do sol ou ventilação, por exemplo. 

Ainda, durante o processo de trabalho utilizando a arquitetura paramétrica é possível voltar, alterar e incluir informações para mudar as modelagens com muita facilidade. E essa praticidade no dia a dia de trabalho é o que permite que os arquitetos de hoje possam experimentar ainda mais sua criatividade. Mais do que isso, a arquitetura paramétrica reduz o tempo e o desenvolvimento de projetos complexos. 

Como aplicamos princípios da arquitetura paramétrica nos projetos VZ&CO?

Aqui na VZ&CO utilizamos o Dynamo, software de programação visual que torna possível a criação de rotinas, pensadas a partir da análise de fluxos de trabalho padrão dos nossos processos. Com essas práticas,  podemos automatizar todas as ações que são repetitivas, manuais ou mecânicas, economizando tempo e gerando resultados ainda mais confiáveis. Dessa maneira, o arquiteto acaba se tornando responsável somente pelas atividades que exijam dele o ato de pensar, como a criação e gerenciamento dos projetos. 

Na VZ&CO trabalhamos por meio da tecnologia BIM na concepção dos projetos, uma tecnologia que possibilita criar digitalmente modelos virtuais precisos e com informações que serão acompanhados em toda a vida útil de uma edificação. Dentro desta tecnologia existem várias ferramentas que apoiam e complementam o processo e uma delas é o Dynamo. 

Um dos grandes diferenciais do Dynamo é que ele produz rotinas de trabalho que minimizam tempo, falhas e otimizam o projeto. O processo de criação de uma rotina, por exemplo, passa por diversas etapas e a primeira delas é a identificação de um problema, essa etapa surge de um esforço conjunto – onde o problema pode ser identificado por qualquer membro da nossa equipe. Se o problema em questão não puder ser resolvido através do próprio Revit, de forma rápida e simples, observamos que ele possui um outro nível de complexidade, onde a programação visual (Dynamo) se torna necessária.

Para conseguirmos desenvolver uma solução através do Dynamo, precisamos identificar inicialmente as informações fornecidas pelo próprio Revit (dados de entrada). Em seguida tentamos fixar um objetivo (dados de saída), ou seja, a solução que buscamos, que podem ser tarefas, extração de informações do modelo, quantitativos ou até mesmo modelagem e graficação do projeto dentro do Revit. 

Após essa etapa inicial tentamos criar um fluxograma, que tem o objetivo de transformar esses dados de entrada em dados de saída. Nessa etapa é essencial que tenhamos a capacidade de identificar subproblemas e a existência de dados intermediários, pois só assim conseguimos aos poucos ir separando o problema inicial em pequenos problemas. O que fazemos dentro desse fluxo nada mais é do que trabalhar e manipular informações/dados para retirar deles aquilo que precisamos. 

Por fim, nosso fluxo se torna uma rotina, passível a ser utilizada por qualquer membro da equipe de forma simples e rápida, pulando etapas de trabalho e tornando os resultados mais assertivos. Porém, é bom frisarmos que todas as rotinas passam por processo de manutenção após serem criadas e, assim como os demais processos dentro do escritório, as rotinas também estão em constante processo de melhoria e adaptação.

Esse posicionamento surgiu a partir do desejo de otimizar, cada vez mais, nossas entregas – direcionando ao máximo a nossa atenção ao cliente e suas necessidades particulares. 

Por aqui, também acreditamos que o artesanal e o digital caminham de mãos dadas, criando uma mistura que nos permite avançar e inovar todos os dias em nossas entregas.

1º ENCONTRO BIM ASBEA RS e GRAPHO SOFTWARE

Tempo de leitura: < 1 minuto

1380455_545361662210906_1323888611_n

Dia 26 de setembro aconteceu o 1º Evento BIM da Asbea RS em parceria com a Grapho Software, no auditório do Sinduscon. A VZA marcou presença através dos arquitetos Camila Sfreddo, Fernanda Demarco e Gabriel Bachilli. “Foi uma rica experiência ver a apresentação de cases de projetos complexos produzidos em BIM. Os palestrantes trouxeram depoimentos do dia-a-dia da implantação desta metodologia e como ela altera nosso processo de projeto”, comenta a equipe da VZA.

EVENTO BEST SUL

Tempo de leitura: < 1 minuto

image001

A VZA busca conhecimento de softwares BIM que sejam mais adequados à realidade e necessidades do escritório e de seus clientes. No dia 06, os arquitetos Camila Sfreddo e Gabriel Bachilli estiveram presentes no evento da empresa Best Sul, que apresentava as novidades da linha Autodesk 2014 através de cases de sucesso.

“Gostei de ver a integração de várias disciplinas envolvidas em um projeto de arquitetura”. Gabriel Bachilli

MODELO BIM

Tempo de leitura: 2 minutos

Nova geração de desenhos auxiliados por computador altera a cultura das empresas de arquitetura

No teatro Jimbocho, em Tóquio, 650 arquitetos utilizaram o modelo BIM para coordenar por três meses o projeto que gerenciou complexibilidade e arte na obra.

No teatro Jimbocho, em Tóquio, 650 arquitetos utilizaram o modelo BIM para coordenar por três meses o projeto.

A VZA caminha para o BIM (Building Information Modeling ou Modelagem da Informação na Construção), uma referência no desenvolvimento de projetos de arquitetura, modelo para quem busca segurança e agilidade em projetos. O uso traz um conceito diferenciado das ferramentas e tecnologias tradicionais no mercado, requerendo uma adequação não apenas dos profissionais, mas também de todos os processos de gestão da empresa.

O investimento em capacitação, software e hardware que atendem o modelo é grande. Os resultados, porém, compensam de acordo com o arquiteto Gabriel Bachilli, profissional da VZA | Vera Zaffari Arquitetura.

“O BIM permite que a interação entre todas as disciplinas envolvidas nos projetos, mesmo os mais complexos, aconteça de forma ágil e confiável. Além disso, com a possibilidade de alimentação do seu banco de dados é possível estimar o valor de uma construção com bastante rigor ainda na fase de projeto”, diz Gabriel.

O BIM é a nova geração do CAD (computer-aided design, desenho auxiliado por computador), e está alterando a maneira de projetar. “Enquanto no CAD um projeto é desenhado de forma muito similar à régua T, no BIM somos levados a pensar de forma diferente. Saímos da linha e do micro para uma concepção mais detalhada que conduz a um processo mais completo, reduzindo retrabalhos e otimizando o tempo, o que é de grande valia aos nossos clientes.” comenta Gabriel Bachilli.

—————-

LEIA MAIS

No Japão, cerca de 650 arquitetos coordenaram por três meses o projeto do teatro Jimbocho, em Tóquio, com a ferramenta BIM: http://www.piniweb.com.br/construcao/arquitetura/bim-esta-mudando-a-maneira-de-projetar-no-mundo-inteiro-93523-1.asp