Posts

BIM e metaverso: como preparar o mercado para a tendência

Tempo de leitura: 4 minutos

Até 2024, o metaverso receberá R$ 4,5 trilhões em investimentos, segundo levantamento realizado pela Bloomberg Intelligence empresa global de pesquisa do mercado financeiro. Todos os setores da economia serão impactados, inclusive a arquitetura de varejo. E para deixá-lo por dentro do que vem por aí,  fizemos uma entrevista exclusiva com o arquiteto e urbanista, Rogério Lima. Doutorando na Universidade de Lisboa, em Portugal, é mestre em arquitetura pela UFRJ, professor universitário há 21 anos e diretor acadêmico do Master Internacional em BIM Management, da Zigurat. Além disso, realiza pesquisas na área de Sistemas Gerativos aplicados ao BIM. Confira:

O metaverso está em alta e já existem empresas apostando na tecnologia para acompanhar essa nova tendência. Na arquitetura e no BIM, qual será o impacto dessas tecnologias?

RL: Na ótica da arquitetura e do BIM, não existe nada muito definido. O que temos são especulações de como o metaverso será útil para o nosso mercado. Tanto o BIM quanto o metaverso são inovações que trabalham em um ambiente tridimensional.  Existem algumas possibilidades que poderão acontecer quando essa tecnologia estiver mais sólida, como o desenvolvimento de  softwares de projetos totalmente imersivos, permitindo a modelagem das construções diretamente no metaverso

E como seria essa modelagem feita em BIM, utilizando a tecnologia do metaverso?

RL: Na hora de projetar, essa modelagem imersiva vai aumentar a interatividade do projeto. Vai ser como se estivéssemos dentro do projeto, mudando escalas em tempo real, por meio da realidade virtual. E  já que estaremos em um ambiente de criação,  poderei  empurrar a parede, puxar um pouco do teto, mover um objeto do lugar, isso tudo em uma escala real, não só naquela dimensão da projeção em 3D.

Além disso, dentro do BIM, a gente fala muito em colaboração. Há ambientes já criados na metodologia para permitir essa forma de trabalho, como o Common Data Environment (CDE ou Ambiente Comum de Dados, em livre tradução). Eu vejo que o metaverso pode viabilizar a criação de um CDE imersivo, para a coordenação de projetos de arquitetura. Esse espaço vai possibilitar que eu “entre” com a minha equipe — cada um com o seu avatar — e, ali, a gente começa a cocriar um projeto, por exemplo. Poderemos debater as escalas e as diretrizes do projeto como se estivéssemos em uma reunião presencial.

O metaverso nada mais é do que um universo digital. E quando falamos sobre desenvolver projetos de arquitetura para edifícios, lojas comerciais etc, como esse espaço virtual pode impactar no seu desenvolvimento?

RL: O que acho interessante é que, no metaverso, nós não vamos ter restrições físicas. Eu não tenho gravidade no metaverso. O que eu tenho são intempéries. Então não faz frio, não faz calor etc. Talvez, vamos nos preocupar apenas com o  tamanho do lote, mas como não existem limites para criatividade,  a projeção de um prédio no metaverso poderá ser muito mais interessante e muito mais ousado do que um prédio real. Nós, arquitetos, vamos poder experimentar mais possibilidades, mais arte dentro da arquitetura que não conseguimos fazer no mundo real por conta de custo e restrições legais. Então, eu acho que o metaverso vai ser um ótimo lugar de experimentação para a gente criar, inovar, ter um termo artístico mais forte, identidade forte, que tenha uma comunicação forte com aquilo que se está projetando, porque isso vai ter um respaldo aqui fora.

Se essas especulações sobre o metaverso estiverem certas, quais serão os ganhos para o mercado?

RL: Estamos, ainda, em um momento em que tudo está um pouco nebuloso. O que eu digo, agora, não é 100 % certeza de acontecer, mas dá para a gente saber que vai ter, sim, um mercado em funcionamento. Inclusive, algumas empresas  já iniciaram as suas atividades no metaverso. E quando digo “mercado”, é de maneira geral, não só a arquitetura. Já é possível comprar sapatos, roupas, televisão etc no mundo do metaverso. Os produtos são vendidos para um avatar, mas quem paga são pessoas reais.

As mudanças já estão acontecendo, mas em quanto tempo esse universo do metaverso estará consolidado para o BIM e para a arquitetura?

RL: Em média cinco anos para a gente estar com essa ideia mais formatada e, até mesmo, em funcionamento. Até lá, muitos testes serão feitos, assim como as experimentações. Muita gente vai quebrar a cara, Muita gente vai se dar muito bem! Hoje, de maneira geral, já existem muitas empresas empolgadas e tentando criar o seu negócio dentro do metaverso e tudo são fases de especulações e experimentações. Assim como, também, têm as que estão mais retraídas.

Qual é o seu conselho para os comerciantes, empresários e varejistas interessados em atuar no metaverso?

 

RL: Ainda está tudo um pouco incerto, mas eu acho que, independente do seu posicionamento — se está retraído ou empolgado —, você não pode virar as costas para o que está acontecendo. Mesmo que o seu negócio não esteja no metaverso agora, o mínimo a fazer é se instruir sobre o assunto. É preciso entender  como isso pode  afetar a sua empresa, como isso vai impactar a sua vida. Inclusive. Embora eu ache que leve cinco anos mais ou menos para acontecer, haverá oportunidades de  trabalho para as pessoas no metaverso. É uma construção e você precisa estar preparado para quando chegar o momento!


BÔNUS

Em fevereiro deste ano, Rogério Lima  se reuniu com a nossa equipe para debater, um pouco, a relação entre BIM e metaverso. A conversa está disponível em seu canal do Youtube, o BIMverso. Acesse: Metaverso: e o BIM com isso?

Como a arquitetura em BIM pode auxiliar o ESG nas empresas?

Tempo de leitura: 4 minutos

Metodologia eficiente e focada em resultados, o Building Information Modeling (BIM) é mais do que uma simples representação digital dos projetos de arquitetura, é uma solução estratégica e sustentável para empresas que compreendem a importância das práticas ESG – sigla em inglês para Meio Ambiente, Social e Governança. Como? A metodologia pode ser utilizada como um sistema de gerenciamento que permite ao usuário modelar, organizar, otimizar o planejamento de um projeto de arquitetura ou engenharia, além de facilitar a colaboração entre todas as disciplinas envolvidas. Todas as informações inseridas no projeto transformam-se numa base de dados confiável, que pode ser utilizada para análises qualitativas e quantitativas dos insumos da construção, como volume de materiais, recursos naturais e energia.

Mais ainda: com o BIM é possível criar simulações de construções futuras, facilitando  o entendimento de arquitetos, engenheiros e construtores ao procurarem soluções alinhadas com o conceito de sustentabilidade.

Além da representação digital em 3D de um projeto, o BIM permite o cálculo da incidência de luz solar em telhados, a medição do volume de água a ser incorporado e utilizado na obra e durante a vida útil da edificação, planejamento de redes de energia e infraestrutura, análise do ciclo de vida dos insumos de obra e muito mais! 

Em outubro de 2021, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) realizou o 93º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic). Durante o evento, o presidente da CBIC, José Carlos Martins, apontou a importância do ESG para a construção civil e a necessidade do setor investir em métodos eficientes, como a adoção de práticas sustentáveis. “É muito importante para nós que o currículo da área esteja aderente à vida que a gente leva hoje. Quando me formei, não era da época do BIM e do ESG”, comenta o presidente.

Hoje, mudar a postura das empresas e adotar as três letrinhas do ESG nos negócios não é só uma tendência de mercado a ser seguida, mas uma necessidade urgente visto os sinais claros de mudanças no clima pela intervenção humana. O setor privado possui grande responsabilidade e capacidade para minimizar os impactos causados no meio ambiente, construir uma sociedade mais consciente e inclusiva, e aprimorar processos administrativos que criem um mundo corporativo ético e sustentável.

Afinal, o que significa ESG na arquitetura?

Fundamental para empresas que já compreenderam a importância do setor empresarial na construção de um mundo sustentável, o termo ganhou a atenção do mundo corporativo em 2004 por meio da publicação “Who cares wins” (Quem se preocupa, vence, em tradução livre para o português) do Pacto Global da ONU, em parceria com o Banco Mundial e outras instituições financeiras, que discorre sobre a importância do gerenciamento dos três pontos do ESG dentro da gestão estratégica e de riscos das instituições financeiras e apresenta algumas estratégias para a compreender e iniciar essa implementação.

Definido como sustentabilidade empresarial, o ESG amplia o foco gerencial de uma empresa, que passa a incluir outros aspectos nas suas métricas:

Environmental (meio ambiente) – Gestão dos impactos ambientais de todos os processos do negócio, tendo como objetivo zerá-los, compensá-los ou minimizá-los dentro da realidade de cada negócio. O objetivo é que essa gestão se estenda a toda a cadeia parceira de cada uma das empresas. Na arquitetura, o foco é desenvolver projetos sustentáveis no que diz respeito a reaproveitamento de materiais, soluções construtivas modulares e desmontáveis, soluções de projeto que reflitam na redução do consumo de energia e levantamento fiel dos insumos utilizados na obra. A realização do impacto ambiental do trabalho do arquiteto, positivo ou negativo, está na obra.  

Social – Gestão dos impactos sociais dos processos, que está diretamente ligado à dimensão ambiental, uma vez que esses dois impactos quase nunca ocorrem sozinhos. Na arquitetura, o trabalho se divide em duas frentes: no cuidado com seus colaboradores e no trabalho conjunto com construtoras e clientes ao pensar nas soluções construtivas, de projeto e na escolha das empresas parceiras que trabalharão juntas no processo de forma sustentável. O aspecto social foca em não restringir os benefícios do crescimento às empresas, mas a todas as pessoas envolvidas.

Governance (Governança) –  Foco tradicional na gestão empresarial, principalmente no que diz respeito ao compliance, essa representação aprimora as partes administrativas de um setor, dando mais transparência e credibilidade da empresa no mercado. Se preocupar com a gestão também importa na arquitetura!

ESG na VZ&CO

Na VZ&CO, desenvolvemos projetos sustentáveis que contribuem com a redução dos impactos ambientais. Para isso, utilizamos todo o potencial da metodologia BIM implementada há 8 anos na nossa empresa para dar suporte aos nossos clientes e, também, às construtoras, seguindo as premissas da sustentabilidade. Tudo isso para que consigam mensurar o impacto de cada decisão de projeto na obra, informação essencial para uma empresa que tem o ESG norteador da sua gestão.

O BIM auxilia no dimensionamento fiel dos materiais e recursos previstos em um projeto de arquitetura, o que se traduz, automaticamente, na melhor utilização dos recursos e redução de resíduos. Ou seja, é possível avaliar antecipadamente o impacto ambiental de uma obra e contorná-la através de novas estratégias projetuais e sustentáveis que diminuam a emissão de CO2 ou melhorem a eficiência energética. Além disso, o BIM garante um projeto mais assertivo e com menores desperdícios em uma obra

Da mesma forma que podemos dimensionar materiais e recursos utilizados com o BIM em uma obra, também podemos mensurar o impacto social positivo para todas as partes envolvidas no processo, principalmente quando tratamos de fornecedores. Nesse caso, o BIM funciona como uma ferramenta de colaboração entre todos os stakeholders de um empreendimento, o que torna o processo mais transparente e confiável quando pensamos em governança.

BIM e arquitetura: como essa união aumenta a produtividade na Construção Civil

Tempo de leitura: 4 minutos

O futuro da indústria da construção civil já começou. Em 2017, um estudo apresentado no Fórum Econômico Mundial apontou que, nos 10 anos seguintes, essa indústria passaria por transformações tecnológicas e de inovação para tornar os processos mais produtivos, evitando desperdícios. E tudo isso seria possível por meio dos projetos desenvolvidos em BIM — metodologia utilizada para projetar, gerenciar e compatibilizar todas informações de um projeto ou obra.

De acordo com o Fórum, a perspectiva é que a  construção civil seja planejada e simulada em todas as etapas por meio do BIM por se tratar de uma tecnologia que oferece recursos e condições para gerar mais impacto de produtividade na indústria 4.0. Para se ter uma base, a implementação do sistema pode reduzir os custos totais do ciclo de vida de uma construção em 20%, assegurando melhorias no tempo de conclusão.

Nas construções de prédios comerciais, por exemplo, o estudo de caso realizado pelo Boston Consulting Group empresa de consultoria americana especializada , apontou que o impacto no custo total do ciclo de vida reduziria em 15%. Já no tempo de construção, em 30%.

Passados cinco anos da divulgação do estudo, é possível perceber como o BIM e suas tecnologias vêm impactando positivamente a indústria da arquitetura e da construção civil. Tendo em vista os resultados positivos na eficiência e economia de recursos com o uso da metodologia, em 2017 foi criado o Comitê Estratégico de Implementação da plataforma BIM, com o intuito de definir estratégias e diretrizes para estimular o desenvolvimento e implantação da tecnologia no Brasil. Para a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a expectativa é que ocorra um aumento de 10% na produtividade do setor com a implementação da metodologia BIM em larga escala no país.

Nos projetos de arquitetura, o BIM, além de conseguir simular todas as etapas de qualquer obra [antes, durante e o pós-construção], permite o acompanhamento real dos projetos e simulação digital da construção. As representações dos projetos em BIM são feitas em 3D e possibilita a detecção de conflitos entre disciplinas envolvidas.

Além da modelagem de um projeto de arquitetura, o BIM conta com uma logística segura, auxilia no controle de custo, possui ferramentas com foco na sustentabilidade e é totalmente interdisciplinar. 

Um passo à frente

Três anos antes do BIM ser citado no Fórum Econômico Mundial, a VZ&CO já tinha implementado a metodologia  por meio do Revit. A tecnologia otimizou a gestão entre as diferentes equipes, garantindo projetos significativamente mais compatibilizados e assertivos, dando mais eficiência no fornecimento de dados e precisão nas informações de um projeto.

Por ser uma metodologia totalmente inovadora e tecnológica, o BIM também permite a criação de aprimoramentos [plugins e ferramentas] dentro do sistema para melhorar não só o funcionamento de cada etapa do projeto de arquitetura ou engenharia, mas a possibilidade de colaboração e comunicação entre os envolvidos da obra. Esse processo reduz erros e aumenta a agilidade na produção da documentação final do projeto – a metodologia BIM permite a compatibilização de todas as informações de um projeto em um sistema seguro de banco de dados.

Benefícios do BIM para setores da construção civil

Redução de erros e incompatibilidades do projeto O BIM é focado em resultados, por isso a tecnologia permite cálculos precisos e assertivos para evitar erros dentro de um projeto de arquitetura ou engenharia. Com as informações compatibilizadas no banco de dados, o BIM permite prever as possíveis incompatibilidades da obra evitando refações durante a construção.

Produtividade – A tecnologia BIM permite o mapeamento de todas as etapas e uma estimativa mais precisa do tempo de execução do projeto e da obra. Por ter um sistema totalmente digital e seguro, com todas as disciplinas envolvidas, é possível monitorar o que está sendo feito  em todas as áreas. Além disso, o BIM reforça a importância do trabalho em equipe por promover  a multidisciplinaridade nos projetos.  

Práticas sustentáveis – O BIM auxilia na redução dos impactos ambientais. Por possuir ferramentas que possibilitam detalhar e medir tudo o que será utilizado em uma obra, a tecnologia permite realizar o mapeamento  do consumo de água, gera dados sobre a eficiência energética do edifício e consegue calcular o consumo de todos os materiais a serem utilizados na construção, o que nos permite buscar soluções mais sustentáveis e que gerem menor quantidade de resíduos durante a etapa de projeto.


Você sabia? 

O governo federal brasileiro publicou, em 2020, o Decreto 10.306 para regulamentar o uso do BIM na execução direta ou indireta de obras e serviços de engenharia ou arquitetura realizada por órgãos e pelas entidades da administração pública federal. A fase de implementação passou a valer a partir de 2021. Países como Reino Unido, Austrália, Canadá e Estados Unidos já exigiam a utilização do sistema  BIM em projetos custeados por seus governos.  

Aplicações estratégicas do BIM na arquitetura de varejo

Tempo de leitura: 4 minutos

A arquitetura comercial é aliada para aumentar o fluxo de clientes e as vendas dentro das lojas de varejo. Ainda mais quando se trata de projetar espaços atemporais, inovadores e de qualidade, pois a arquitetura comercial e de varejo utiliza técnicas e soluções inteligentes para garantir o funcionamento de cada loja dentro do mercado e que ofereçam não só comodidade aos clientes, mas experiências diferenciadas. Uma delas é o uso do Building Information Modeling (BIM) — metodologia utilizada dentro da arquitetura e construção civil para projetar, gerenciar e consolidar todas informações de etapas, processos e execuções de qualquer construção.

Por meio do seu sistema automatizado e totalmente digital, é possível unir todas as disciplinas de um projeto de arquitetura [arquitetos, engenheiros e construtores] e criar modelos virtuais precisos de uma edificação, permitindo a inclusão de dados como o cálculo energético, controle de materiais, orçamento e muito mais! Essas informações, além de auxiliar no fluxo de um projeto de arquitetura, também permitem a visualização completa do que está sendo feito. E como a inteligência é focada em resultados, ela diminui refações de um layout arquitetônico, aumenta a produtividade e ainda reduz gastos e o risco mitigado de uma construção.

O BIM NA PRÁTICA

Implementado em nosso escritório de arquitetura desde 2014, inicialmente através do Revit, o BIM já mostrou a sua essencialidade estratégica dentro dos nossos projetos de arquitetura para o varejo e revolucionou os trabalho feito pelo time da VZ&CO, pois além da confiabilidade das informações, ele automatizou processos repetitivos com segurança e ampliou a comunicação entre as disciplinas.   

Com o apoio da inteligência aos projetos de arquitetura, é possível acompanhar todas as etapas de uma obra de forma digital, desde a fase inicial de planejamento até mesmo o pós-construção. O que é uma vantagem para os lojistas e varejistas, pois o BIM prevê a funcionalidade das lojas e o seu desempenho com os insumos até chegar o momento das primeiras manutenções da edificação.

“O BIM permite cálculos precisos e facilita a compreensão de quando uma loja de varejo vai precisar de manutenção ou alguma reforma simples. Como a metodologia une uma série de informações em uma base de dados, a gente consegue prever processos e já se antecipar para reduzir gastos”, comenta a arquiteta Alexia Becker, arquiteta especializada em arquitetura comercial de varejo.  

Além disso, ele prevê as incompatibilidades no projeto de arquitetura, a percepção de possíveis interferências e riscos durante o ciclo de vida da construção. Confira, abaixo, como o uso da metodologia BIM é estratégica para os projetos de arquitetura comercial e de varejo, e saiba a importância dele ao seu negócio:

Redução de erros nos projetos de arquitetura e minimização de gastos com materiais – Uma das vantagens de se projetar aplicando o BIM aos projetos de arquitetura comercial e de varejo, é estimar custos com mais precisão e certeza. Assim, com as informações todas consolidadas, o arquivo digital permite a gestão e organização do  que vai ser gasto com material para a construção . A cada alteração que for realizada no modelo do projeto de arquitetura,  o BIM atualiza, automaticamente, o quantitativo da obra e salva as informações em tabelas detalhadas, facilitando a compreensão do que foi feito, pelo cliente e todas as disciplinas envolvidas no projeto.

Coordenação aprimorada e visualização completa de um projeto de arquitetura – O BIM é uma metodologia interdisciplinar e multifuncional. Ele auxilia no processamento de projetos de arquitetura simples e complexos, sempre focando nos resultados. Por se tratar de um modelo digital, a colaboração e comunicação a distância entre as disciplinas se tornam possíveis e ajuda na construção dos processos projetuais e no desempenho de cada execução do projeto. 

Ele entrega mais do que a representação do projeto em 3D, pois o BIM constrói um conjunto de bancos de dados digitais com informações gráficas e não gráficas do projeto de arquitetura. As informações ficam registradas e salvas, podendo chegar até 8 dimensões de informação que tornam a estrutura do projeto arquitetônico mais precisa e eficiente.

Gestão de qualidade, manutenção de lojas e sustentabilidade – Aplicar o BIM aos projetos de arquitetura comercial de varejo permite a coordenação das operações e manutenção das instalações, rastreando os dados da construção com segurança, além de possibilitar planos de manutenção e suporte técnico. Além disso, o BIM permite análises sustentáveis de energia e consumo a partir do modelo gerado, ajudando a reduzir o consumo de recursos naturais e permitindo o controle de desperdícios.

Uso de templates – Com a aplicação do BIM, conseguimos realizar projetos de forma muito mais ágil, através de templates no modelo. Dessa forma, conseguimos ter todos os padrões do cliente, com informações de materiais, descrição de itens de construção já pré-configurados, o que facilita muito a modelagem do projeto e garante informações e dados do modelo muito mais assertivos e padronizados, sem necessidade de extensas revisões.

Complementações de ferramentas – o BIM permite a implementação de meios para complementar a compreensão dos projetos de arquitetura para que os clientes entendam cada etapa da implementação. O nosso escritório aprimorou alguns plugins dentro da metodologia para apoiar na resolução de problemas, garantindo agilidade e precisão dentro dos modelos de projetos. 

Utilizamos a nuvem de pontos para ter um ganho exponencial na precisão dos levantamentos das lojas; o Navisworks para prever falhas de compatibilização; o Dynamo para automatizar tarefas e a Visualização 360º para permitir que o cliente tenha uma visão mais clara do projeto de arquitetura.

 

Você sabe como funciona um projeto de rollout na arquitetura?

Tempo de leitura: 3 minutos

Está precisando expandir a sua rede de lojas físicas no varejo, mantendo a mesma qualidade e padrão, mas ainda não sabe como? Não se preocupe, pois existe uma solução arquitetônica inteligente que garante o crescimento do negócio com segurança, eficácia e ainda aumenta a competitividade dentro do mercado varejista! Trata-se do rollout — técnica utilizada na arquitetura para projetar layouts precisos e replicá-los em qualquer lugar do mundo.

Na prática, um bom projeto de rollout assegura a replicação dos valores, identidade e princípios de uma marca por meio da arquitetura de seus espaços físicos. Assim, sempre que o consumidor entrar numa loja de varejo — não importa que ela esteja no interior, em uma capital ou até mesmo em outro país —, ele reconhecerá aquele ambiente e terá uma experiência de compras muito mais agradável e afetiva.

Outra vantagem do rollout é o fato de ele ser adaptável. Sempre que identificamos alguma solução que esteja funcionando muito bem em uma loja  [tecnologias, equipamentos, instalações, revestimentos etc], é possível replicar as melhorias nos próximos projetos ou até mesmo em reformas.

Vale destacar: grandes marcas do varejo e clientes da VZ&CO, como a Renner, C&A, Lojas Americanas, Centauro, Decathlon, Via Laser e Boticário já aplicam o método em suas unidades físicas, em diferentes regiões, dentro e fora do Brasil. E eles fazem isso justamente por compreender a importância e os benefícios dessa solução arquitetônica.

AS VANTAGENS DO ROLLOUT NO VAREJO

Dentro do mercado, o rollout apoia a expansão segura e prática de uma rede. Por meio dos layouts padronizados e um sistema de gestão de qualidade, a implementação do modelo costuma ser econômica e assertiva. 

Por manter a padronização e identificar melhorias para serem replicadas, o rollout de arquitetura agiliza etapas, antecipa tendências e se sobressai frente à concorrência, pois a tecnologia amplia a competitividade. 

ETAPAS E METODOLOGIA APLICADAS NA VZ&CO

Nosso escritório se especializou em projetos de rollout para oferecer sempre as melhores soluções arquitetônicas para os varejistas. A cada novo projeto, implementamos melhorias para serem estendidas a toda rede. 

Utilizando o BIM, construímos digitalmente a representação da construção com dados e análises de possíveis interferências. A técnica permite o desenvolvimento simultâneo de um maior número de projetos.

Na prática, nossos projetos de rollout seguem três etapas:

Pesquisa – fase inicial de qualquer projeto. Aqui, nossos arquitetos entendem os processos, desejos e padrões dos clientes. Essa etapa é essencial para que consigamos deixar claro a essência da marca na criação do layout arquitetônico, garantindo que todos os novos estabelecimentos físicos sejam coerentes à padronização.

Estratégia – Depois de compreender os processos, criamos a estratégia de desenvolvimento para ser estruturado ao BIM. Para cada cliente, desenvolvemos templates exclusivos, reunindo todos os dados coletados para garantir que o processo seja ágil e assertivo, com a certeza de padronização em todas as unidades físicas da rede.

Criação do projeto em BIM – O projeto é desenvolvido no Revit, adaptando estratégias e soluções às lojas. Aqui, unimos tudo para garantir a funcionalidade de todos os projetos complementares e priorizamos o fluxo contínuo de melhorias para gerar, em cada projeto, insumos para aprimorar todas as etapas.

Villa Mercato e VZ&CO: uma parceria para inovar o varejo

Tempo de leitura: 5 minutos

Com o aumento das compras online, nasceu a ideia do cliente Villa Mercato, um projeto inovador que promete entrega rápida e de qualidade, com atendimento personalizado. 

O começo

Buscando atender um público altamente selecionado, que prioriza a comodidade em compras de supermercado,  a  Villa Mercato criou seu primeiro aplicativo. E para  viabilizar a logística da plataforma, com todas as necessidades que o projeto de implantação demandava, o cliente procurou a VZ&CO — em função da nossa experiência no atendimento de grandes redes de supermercados.

No briefing, o cliente nos trouxe algumas necessidades do negócio que precisariam estar contempladas no processo, como agilidade e confiabilidade, além de um baixo custo de implantação inicial do Centro de Distribuição (denominado dark store) para atender a plataforma digital.

O projeto contempla o atendimento da plataforma digital através de um Centro de Distribuição que ao invés de separar os produtos selecionados no pedido, diretamente da gôndolas do próprio supermercado, ele conta com um estoque dedicado ao e-commerce, funcionando como uma loja fechada ao público. Por isso a denominação de dark store (loja escura), com shopper’s exclusivos para essa seleção. Com esse processo, a operação ganha agilidade e qualidade, que é o diferencial prometido pelo cliente.

O projeto

Para atender às demandas do cliente na implantação do  projeto, trabalhamos em conjunto com o cliente durante o desenvolvimento da plataforma digital. Nesse processo, entendemos as principais preocupações  da operação e traduzimos em um layout funcional, com iluminação adequada e a mesma identidade que está sendo criada digitalmente.

Além do espaço denominado dark store, o projeto também conta com a implantação de lojas de proximidades para atender o público de forma física, melhorando ainda mais a experiência de compra ao cliente — o que fortalece o produto digital e a marca. Essas lojas serão inicialmente implantadas na cidade de Maringá (PR), sendo a primeira junto à dark store.

O projeto foi dividido em duas etapas de execução: dark store (que será inicialmente implantada) e loja de proximidades. O terreno escolhido foi em um antigo galpão logístico, onde anteriormente estava instalada uma empresa de distribuição de laticínios. Portanto, todas as câmaras frias existentes, deveriam ser reaproveitadas no projeto.

Dark Store

O layout da área da dark store foi desenvolvido em parceria com uma consultoria de logística e as gôndolas foram distribuídas configurando ruas internas, que permitirão uma rápida separação dos pedidos.

Desenvolvemos um conceito de caráter industrial para o espaço, valorizando as gôndolas/porta paletes, neutralizando o restante com pinturas onde a cor da marca está presente e valorizada. A comunicação visual foi o ponto mais explorado do projeto, que precisaria ser funcional.  Através da logomarca do cliente, exploramos formas que delimitam espaços e humanizaram o ambiente.

Projeto da dark store feita pela VZ&CO

Os tons neutros de cinza foram aplicados no piso e nas paredes com intuito de contribuir na eficiência da iluminação. Para o projeto luminotécnico, foi contratada uma consultoria que analisou todos os condicionantes para propiciar um ambiente agradável e com iluminação adequada, já que a iluminação natural em grande escala não seria possível pois a edificação está implantada nas divisas do terreno, e o pé direito do ambiente seria alto em relação à escala humana. 

Linhas de iluminação foram criadas entre os corredores — com espaço de rebaixamento de forro nas áreas onde estão dispostos os setores de checkout e hortifruti — para possibilitar uma iluminação mais pontual.

Para viabilizar a implantação da dark store a baixo custo e com aproveitamento máximo da infraestrutura existente, o telhado foi mantido. Está prevista apenas a realização de uma  manutenção e pintura, que ajudará no condicionamento térmico interno melhorado pela instalação de  máquinas climatizadoras.

Área de hortifruti

As câmaras frias foram reaproveitadas e adequadas ao novo uso, bem como as áreas de escritórios e funcionários, que receberam o mesmo conceito industrial. Os ambientes foram repaginados com pequenas alterações e na comunicação visual — através de pinturas e demais elementos — que deixaram o ambiente  mais agradável.

Loja de proximidade

O conceito da marca foi criado com base nas antigas vilas italianas. A ideia é trazer a experiência de compra dessas antigas vilas, com produtos frescos, de qualidade e, principalmente, com atendimento personalizado. Nosso maior desafio foi traduzir esse conceito em um ambiente contemporâneo, trazendo elementos de composição baseado nas vilas italianas que, ao mesmo tempo, trouxessem toda a modernidade que o app Villa Mercato oferece.

No conceito do projeto, trouxemos revestimentos que relembram uma vila italiana, como a pedra e a madeira, juntamente com elementos de composição como cestarias e caixas artesanais, toldos externos e floreiras. Em contraponto, trouxemos elementos contemporâneos através de instalações aparentes e sem forro, além do tratamento em cimento queimado nas paredes, pilares e laje de cobertura. As gôndolas em metalon também fortalecem o conceito mais industrial.

O terreno configura um formato em ‘L” no qual o espaço escolhido para implantação da primeira loja de proximidades fica na fachada principal, sendo a outra fachada para a doca da dark store, com os fluxos totalmente separados e distintos.

Operação

A operação da loja física oferecerá serviços como atendimento de padaria e açougue, que se diferenciam da concorrência. O pão quentinho e a carne em cortes personalizados são as grandes apostas do cliente para oferecer, ao consumidor final, a melhor experiência de compra. Com isso, introduzimos no layout esses espaços ao fundo da loja, com aberturas que permitem a visualização da dark store, integrando as operações e — ao mesmo tempo — fortalecendo o conceito de trazer maior confiabilidade ao e-commerce.

Todo layout da loja foi pensando para explorar ao máximo o número de expositores e gôndolas. Com uma área relativamente pequena para uma loja de proximidades, foi necessário ampliar o espaço, crescendo parte para a área já construída e parte no plano da fachada. 

A loja abrigará, em média, 3 mil itens variados, distribuídos em 78 gôndolas que possuem tamanhos diversos de altura. Para compor todas as situações do layout, utilizamos gôndolas centrais mais altas, bem como nas paredes, e gôndolas mais baixas em corredores mais estreitos — minimizando a sensação de enclausuramento. O projeto foi desenvolvido sempre levando em consideração as visualizações internas, de modo que o cliente consiga fazer uma leitura total do ambiente de qualquer ponto da loja, valorizando as exposições de produtos.

Também criamos, em ambientes estratégicos, rebaixamentos do forro, com tratamento em madeira e iluminação pontual decorativa. O hortifruti traz um caráter de feira, onde as luminárias pendentes serão em cestaria.  Já na adega trabalhamos com o forro amadeirado e luminárias pendentes industriais na mesma cor dos perfilados.

Rollout

Todo o projeto da loja de proximidades foi desenvolvido com base em um conceito de replicação. Como a ideia do cliente é ter mais lojas nesse formato, buscamos materialidades de fácil acesso, gôndolas de linha para possibilitar replicação em grande escala e  pontos em marcenaria em pequenos detalhes para possibilitar a criação de um padrão de rollout.

Lojas Renner Torres: os desafios de uma loja litorânea

Tempo de leitura: 4 minutos

Projetar lojas no litoral é sempre um desafio! Além de otimizar espaços, pensar na usabilidade do ambiente e atender ao modelo de rollout do cliente, precisamos entender as particularidades da região, como a alta umidade, fortes ventos, o calor e a presença de salitre —  responsáveis pela oxidação de metais e desgaste de determinados materiais de construção e acabamentos.

Pensando nisso: ao projetarmos a Renner Torres — no primeiro shopping center da cidade, localizado no litoral gaúcho — tivemos atenção redobrada para compor soluções de projetos que se adaptassem ao local. Afinal, a loja fica localizada em uma rua com acesso direto ao mar, bem na entrada do Vésta Shopping. 

Vale destacar: esta é a terceira loja litorânea feita pela VZ&CO no Rio Grande do Sul.

Fachada da loja na entrada do shopping

NUVEM DE PONTOS

Para ter êxito nesse novo projeto, precisamos estudar todo o local para entender não só a área disponível da construção, mas a delimitação e exigências do shopping. A loja foi composta pela junção de 10 pequenas salas, além dessa peculiaridade, o espaço também possui várias paredes inclinadas e algumas curvas, por isso o escaneamento por nuvem de pontos foi essencial para fazer o mapeamento preciso do espaço disponível. 

Com as informações levantadas e os estudos realizados, conseguimos oferecer as melhores soluções de arquitetura e criar um projeto de qualidade, funcional e que atendesse todas as partes envolvidas. Além disso, o espaço foi todo adaptado para reforçar a experiência omnichannel que o cliente tem apostado para melhorar a vivência do consumidor nas lojas físicas.

PARTICULARIDADES ARQUITETÔNICAS

O shopping foge do padrão que estamos acostumados, possui todas suas lojas voltadas e abertas para a rua. Devido a isso foram também pensadas soluções que contemplassem a constante entrada de sol e a forte incidência de ventos no local. Para a primeira questão foi aplicado nos vidros voltados para a área externa película solar e cortinas rolô, já para solucionar as fortes rajadas de ventos, foi projetada uma antecâmara formada por 2 portas automáticas de correr junto ao acesso.

Lateral da loja

ADAPTAÇÃO DO ROLLOUT

A Renner é um cliente que aplica o método de rollout em seus projetos de arquitetura para manter o padrão de qualidade em todas as lojas físicas. Na loja de Torres, precisamos adaptar algumas partes para atender o cliente e as regras do shopping.

O Vésta Shopping é revestido por pastilhas pretas em seus pilares, vigas e paredes e em sua maior parte possui a fachada envidraçada. Para trazer a marca para a fachada do local, foi revestida a viga do shopping com ACM vermelho, criando a faixa padrão da marca, inserindo a logomarca iluminada em pontos estratégicos. Em alguns pontos também foi criada vitrine para exposição dos produtos e da marca, além de o acesso ser marcado com um pórtico em ACM cinza para estimular a visualização do cliente para este local.

EXPERIÊNCIA DO CLIENTE

A Renner Torres conta com três pavimentos, dois são destinados aos clientes e um para os funcionários. O espaço interno é bastante marcado por pilares, justamente em função de ter sido projetado para várias pequenas lojas. Por isso, foi importante a análise de como deixar o espaço mais permeável apesar das várias barreiras visuais. Para tal foram utilizados pilares com espelhos e uma comunicação visual mais intensa para direcionar o cliente. 

Além disso a loja possui várias áreas de pé direito duplo junto às fachadas, esses espaços foram aproveitados para criar uma sensação de amplitude e também para circulação vertical, deixando a escada de clientes bem visível tanto do lado interno quanto externo da loja.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


FICHA TÉCNICA

  • Nome do cliente: Renner
  • Localização: Torres (RS)
  • Categoria: Arquitetura de Varejo
  • Ano: 2021 Área: 1454.99²
  • Contexto: O clima descontraído e leve da praia recebendo uma novidade no litoral do Rio Grande do Sul: uma nova unidade das lojas Renner na cidade de Torres.
  • Desafio central: Oferecer soluções arquitetônicas para criar um espaço funcional, bastante aberto para a rua, seguro e que atende as todas as necessidades do cliente e do shopping.
  • Diferenciais: – Totalidade da loja com os limites em esquadria voltados para rua; Cuidado com escolha da posição e configuração do acesso devido ao corredor de vento característico de regiões litorâneas.

Por uma arquitetura mais verde

Tempo de leitura: 5 minutos

Sustentabilidade não é mais uma tendência, mas uma necessidade no universo da arquitetura e da construção civil. Em meio ao aquecimento global, à crise hídrica e à preocupação com a preservação do meio ambiente, não basta projetar edifícios bonitos e funcionais. Eles precisam ser eficientes do ponto de vista socioambiental, sem desperdício de materiais de construção, pensando na reciclagem de recursos e — de preferência — prezando pela eficiência térmica, hídrica e energética do projeto. E isso apenas do ponto de vista ambiental. Em relação ao impacto humano, ele precisa promover a economia local e cuidar do bem-estar dos trabalhadores envolvidos na obra e de seus futuros usuários. 

“Pensar em arquitetura sustentável é buscar alternativas e soluções capazes de diminuir impactos ambientais, como utilização de materiais/revestimentos locais, o aproveitamento de energia solar e a reutilização da água da chuva”, explica a arquiteta da VZ&CO, Caroline Malaggi. 

Um projeto de arquitetura comercial sustentável respeita os conceitos e os padrões de uma marca, mas também busca reduzir os impactos ambientais que ele possa provocar. Nesses casos, os arquitetos podem sugerir soluções mais “verdes”, como a escolha de materiais reciclados, a construção de reservatório de captação de água ou iluminações naturais que reduzam a necessidade do uso de energia elétrica. 

“Antes de iniciar um projeto, conversamos com os nossos clientes para saber quais são as suas necessidades e também fazer sugestões do que podemos utilizar em uma obra. Baseadas nos levantamentos do terreno e da obra, sempre buscamos entregar projetos que atendam às premissas da sustentabilidade”, comenta a arquiteta.

GREEN BIM

Desperdício com material de obra não faz parte do vocabulário da VZ&CO. Justamente por isso, desenvolvemos todos os nossos projetos em BIM — metodologia que permite um projeto mais preciso, possibilitando a extração de quantitativos e racionalização dos materiais que serão utilizados em obra.

“Além de ter os custos reduzidos, obras projetadas em BIM têm o consumo de água e energia otimizados. Justamente por isso, os governos de países como Reino Unido, Canadá e Estados Unidos só contratam projetos desenvolvidos em BIM. Aqui, no Brasil, o governo federal estuda adotar a mesma prática e grandes varejistas, como a Renner, que é nosso cliente, também só trabalham com essa metodologia em seus projetos de lojas”, conta Vera Zaffari, CEO e arquiteta da VZ&CO.

Vale destacar: o problema do desperdício de materiais no setor da construção é real e precisa ser combatido. Para se ter ideia, somente em 2019, foram geradas  290,5 toneladas de entulho por dia no Brasil. Destes, apenas 21% são recicláveis. Os dados da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) alertam para uma realidade que precisa ser modificada.

Quer mais um motivo para realizar projetos sustentáveis? Cerca de 87% dos brasileiros preferem consumir produtos e serviços de empresas que adotam e preservam práticas sustentáveis. Os dados foram divulgados pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) em 2019, resultado de um estudo feito pela Union + Webster — agência  de pesquisa norte-americana.

SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS

Conheça algumas estratégias aplicadas pela VZ&CO em seus projetos arquitetônicos para reduzir o impacto ambiental dos mesmos:

Utilização de placas solares – Ao aproveitar a luz do sol para gerar energia elétrica, empresas economizam na conta de luz e ainda aliviam a pressão que existe hoje sobre o sistema de geração de energia elétrica no Brasil — que sofre com a baixa dos reservatórios de água. Utilizar fontes de energia renováveis é importante na hora de criar um projeto e, por isso, recomenda-se a instalação de placas solares sempre que possível.  

Um dado interessante para empreendimento com mais de uma loja e com o mesmo CNPJ:  caso a energia solar gerada pelas placas de um estabelecimento seja maior do que a utilizada, a empresa poderá transferir os quilowatts remanescentes para outras lojas, mesmo que elas não tenham placas instaladas.

Iluminação natural – O aproveitamento de luz natural pode ser feito por meio de soluções como as clarabóias, zenitais e grandes aberturas. Quando sugeridas aberturas em fachadas, é importante realizar um estudo da incidência solar para que não haja interferência no conforto térmico interno, exigindo um maior tratamento por meio de sistemas de condicionamento de ar.

Automatização de sistemas – Quem disse que não dá para inovar com sustentabilidade? Um método eficiente para ajudar na redução de gastos desnecessários de energia é o uso de sistemas de iluminação inteligente.

“Mesmo com a iluminação natural, alguns empreendimentos precisam de luminárias, mesmo durante o dia. Então, esses sensores verificam se há presença de luz natural suficiente ou não. Se sim, automaticamente as luminárias são desligadas”, exemplifica Caroline.

 

Isolamento térmico – Existem diversas formas de tratamento térmico para deixar os ambientes mais agradáveis, além dos equipamentos de condicionamento de ar. Estratégias como o tratamento de coberturas feitas de mantas e telhados com isolamento térmico reduzem a carga do ambiente, assim como o uso de películas solares em vidros ou a utilização de sistemas brises, que controlam a incidência da entrada de luz de acordo com a orientação solar da fachada.

Reaproveitamento de água pluvial e piso permeável – Aeradores nas torneiras e vaso com caixas acopladas para controlar a vazão da água e telhados com sistemas de aproveitamento da água da chuva por meio de cisternas, são soluções sustentáveis para racionalização e uso da água. As chamadas águas cinzas (água de reaproveitamento), podem ser utilizadas para irrigação, lavagem de calçadas e até mesmo em bacias sanitárias. As técnicas, além de sustentáveis, trazem grandes economias em edificações, principalmente nas de grande escala — condomínios, hotéis, supermercados etc.

Análise de materiais no projeto para  otimização da execução – Especificar e sugerir materiais com fornecimento local nos projetos facilita o transporte, assim otimizando o tempo, a distância da entrega e diminuindo as emissões de carbono.  A construção seca, e quando possível modular, não só diminui desperdícios em obras, mas também acelera o tempo de construção e aumenta a facilidade futura de manutenção do edifício.

Dark stores: solução inteligente para logística

Tempo de leitura: 3 minutos

As vendas no comércio eletrônico já se tornaram realidade na vida dos brasileiros. Apenas entre janeiro e março de 2021, as compras online somaram R$ 35,2 bilhões, registrando o aumento de 72,2% comparado ao ano anterior. Os dados são da Neotrust. 

Para acompanhar o ritmo de expansão, grandes marcas do varejo investem em soluções inteligentes para complementar a oferta das lojas físicas e também de seus e-commerces. E um jeito eficiente de fazer isso é apostando nas dark stores — espaços para armazenagem, separação e envio de produtos comprados online. Diferentemente dos galpões logísticos tradicionais, as dark stores parecem lojas comuns localizadas em centros urbanos, mas fechadas ao público.  

Gigantes do mundo do varejo, como Carrefour e Walmart, estão inaugurando “lojas escuras” em diferentes regiões do mundo. Em alguns estabelecimentos, os clientes podem inclusive retirar os produtos comprados pela internet nesses pequenos galpões. Como esses espaços não são pensados para receber pessoas, eles não podem acessar, mas conseguem retirar a compra já embalada, em um sistema drive through ou “clique e retire”

Para explicar o potencial das dark stores para o mercado de varejo, convidamos uma especialista no assunto: a arquiteta Vera Zaffari, CEO da VZ&CO. Confira: 

Por que os varejistas deveriam investir na construção de dark stores

VZ: Esse modelo de galpão logístico está ganhando espaço, porque ajuda a melhorar a experiência e conveniência do cliente, que pode escolher se prefere receber o produto  em casa em um breve tempo ou retirá-lo na loja física. Além de facilitar o atendimento pelos canais de compras, esse modelo oferece conveniência, qualidade e o investimento ao varejista é reduzido. Afinal, esses espaços de armazenagem são menores do que um galpão logístico tradicional. Na prática, esses empreendimentos lembram o tamanho e localidade de um comércio de proximidade, pois normalmente estão localizados em centros urbanos. 

O conceito de dark stores não é novo, mas tem se tornado mais popular agora, depois da pandemia. Por que isso aconteceu? 

VZ: É praxe que os consumidores busquem mais comodidade, qualidade e valor na hora de fazer suas compras. A pandemia apenas acelerou esse movimento, que já era crescente, de ampliação do consumo online. Acontece que muitas lojas físicas não estavam preparadas para atender as demandas de seus e-commerces. Muitas não tinham um planejamento logístico consistente, com centros de distribuições, transit points e dark stores.  Agora, o varejo começou a buscar soluções de arquitetura para se adaptar a essa realidade e, por isso, aumentou o interesse pelas dark stores. Particularmente, considero uma estratégia inteligente porque essas lojas não demandam grandes investimentos de arquitetura ou manutenção, têm localização central, exigem áreas físicas menores, aumentam a visibilidade da marca e ainda ampliam a satisfação do cliente — que pode retirar o produto comprado de forma rápida e prática, como o clique e retire.

Você disse que uma das vantagens desse modelo no varejo é a conveniência. Por quê?  

VZ: Se pararmos para pensar, ninguém quer passar horas para realizar uma compra, nem esperar muito tempo para receber um produto em casa. As dark stores solucionam esses dois problemas. Isso porque elas oferecem economia ativa, 24 horas por dia e 7 dias por semana, possibilitando o máximo de flexibilidade ao cliente para realizar uma compra. Tudo sem fila, espaços lotados e sem problema de estacionamento. Assim é mais fácil compreender o porquê dessa logística funcionar. 

Quais os ganhos dessa solução para os varejistas? 

VZ: Como são modelos menores de galpões logísticos, o investimento não é tão alto quanto investir em um centro de distribuição, por exemplo. E eles são colocados em áreas residenciais, em pontos estratégicos para atender a todos. Pelo espaço não oferecer essa opção de presença física para comprar, os lugares podem ser menores e exigirão menores custos na manutenção estética. O projeto de arquitetura é otimizado, focando na organização do espaço e em estratégias para facilitar as retiradas dos produtos. Além disso, a qualidade e o frescor dos produtos (no caso de alimentos) poderão ser melhor gerenciados. Pelos produtos serem vendidos online, poderão ser armazenados em condições ideais, sem exageros e sem a preocupação de algo faltar. Além disso, nas dark stores os donos do varejo podem controlar melhor o estoque, evitando desperdícios. 

E para os clientes? 

VZ: Oferecer a possibilidade de escolher se quer receber o produto ou fazer a retirada, passa segurança e satisfação. Se o consumidor tiver urgência e preferir não esperar o serviço de entrega, a opção do clique e retire é rápida e com fácil acesso, já que o espaço não está distante de bairros residenciais. Além disso, pelo lugar estar bem localizado, o valor do frete também é reduzido na hora do fechamento da compra.

Arquiteta de futuros

Tempo de leitura: 4 minutos

O sotaque não deixa dúvidas: a arquiteta Vera Zaffari é gaúcha, nascida em Cachoeira do Sul. Filha de empresário da Construção Civil e de empresária no ramo de alimentação, ainda criança, descobriu sua paixão pela arquitetura. Em vez de pentear as bonecas, preferia criar casas e ambientes para elas. Interessada por aquele universo, passou a vivenciar com o pai nas obras e entendeu que ali estava o seu futuro. 

“A arquitetura foi sempre a minha paixão. O cheiro da obra, a convivência diária desde pequena em construções, me moldaram e me tornaram o que sou hoje”, comenta Vera, que além de arquiteta, é  uma empreendedora respeitada, com projetos espalhados pelo Brasil, Uruguai e Argentina. 

Formada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), de Porto Alegre (RS), Vera aprendeu já no primeiro estágio a se destacar profissionalmente. Antes mesmo de se formar, assumiu a liderança de vários projetos, aprendendo a lidar não só com a execução de projetos, mas também com os clientes. Resultado? Aos 23 anos, foi  convidada a virar sócia do escritório onde atuava.

Depois de alguns anos na profissão, a arquiteta percebeu que havia adquirido uma especialização na área que mais lhe dava prazer: a arquitetura comercial, em função das empresas que atendia. Em 1998, ela deixou a antiga sociedade para empreender por conta própria. Apesar de sentir o frio na barriga —  por ser uma mulher em uma época em que a arquitetura era majoritariamente dominada por homens —, ela  não desanimou e encarou o desafio. Nascia assim a VZ&CO. 

“Não foi fácil impulsionar o meu próprio negócio, mas as portas foram se abrindo por conta da qualidade dos projetos e pela determinação de sair vencedora – era vencer ou vencer. Fui convidada a participar de uma rodada de seleção de escritórios de arquitetura para atender uma grande rede varejista multinacional”, recorda Vera. 

A disputa somou 44 escritórios e deu à Vera o segundo lugar na classificação geral. Foi o suficiente para ela ser contratada. Esse primeiro grande cliente está até hoje na VZ&CO — mais uma prova da excelência não só dos projetos, mas do atendimento do escritório ao varejista.

E vale destacar: a VZ&CO coleciona prêmios em Gestão de Qualidade e projetos de arquitetura, como você pode conferir nesta linha do tempo da empresa

 GESTÃO INOVADORA  

Logo que começou a empreender, Vera entendeu a importância de ser inovadora para criar diferenciação. Por isso, ela investiu fortemente na qualidade da gestão e na entrega de resultados para os clientes. 

“Nunca quis que a VZ&CO fosse apenas mais uma empresa de arquitetura, mas sim um nome de referência no mercado. Por isso,  fiz inúmeros cursos e MBA em Gestão Empresarial para entender e saber como posicionar o escritório como uma corporação inovadora, que preza pela gestão da qualidade, para entregar resultados e confiabilidade aos clientes”, afirma. 

Há 22 anos no mercado,  a VZ&CO se especializou  em arquitetura comercial e de varejo, mas também tem em seu portfólio projetos em hotelaria, centros de distribuição, restaurantes, arquitetura hospitalar e projetos de renovação e restauro de prédios antigos. 

“Nosso compromisso é entregar um trabalho inovador de qualidade, por meio de tecnologias e práticas sustentáveis. Como gestora,  busco manter relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros, sempre pensando em como deixar o escritório alinhado com o futuro”, complementa Vera.

BIM


 

Inovação é um conceito importante na vida de Vera Zaffari. Sempre em busca de trazer mais e melhores resultados para os clientes, ela faz questão de investir em novas tecnologias capazes de agregar valor na realização de projetos, melhorando tanto a qualidade quanto o tempo de entrega.

Em 2014, depois de realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil , Vera decidiu implantar uma das mais modernas ferramentas de modelagem de projetos na VZ&CO: o Building Information Modeling (BIM). Objetivo? Tornar os projetos da empresa o mais precisos e confiáveis possível.

“Por meio do BIM, conseguimos impactar de forma positiva a cultura de trabalho dos nossos arquitetos e, também, os projetos apresentados aos clientes. Por ser uma ferramenta  com foco em resultados, o BIM  interliga todas as partes interessadas, diminui custos, acelera processos de execução e muito mais”, explica.

Sempre em busca de melhores processos e resultados, Vera e equipe estão sempre estudando novas funcionalidades e pluggins para a ferramenta, Com isso, a metodologia está sempre evoluindo, ajudando a VZ&CO a fazer a gestão de projetos de forma assertiva, otimizando a gestão do tempo de obras, evitando custos desnecessários, maximizando o investimento dos clientes.  Outro ponto importante é a visualização do projeto, que pode alcançar a dimensão até 8D ou mais.  

O uso do BIM  também facilita a colaboração e a comunicação a distância, fazendo com que os erros sejam reduzidos e a produtividade seja aumentada. Esse resultado traz confiança na documentação final”, conclui a executiva, que percebeu na sua experiência com a ferramenta uma oportunidade de negócio. Hoje, além de realizar projetos de arquitetura comercial,  a VZ&CO também apoia  empresas com grande fluxo de projetos comerciais a fazer a transição para o BIM. 

Para finalizar, Vera nos conta qual seria — para ela — o segredo do sucesso: “Eu acredito muito na tecnologia e na inovação, por isso as uso em favor de melhorar a qualidade do trabalho que entrego no meu escritório. Como gestora, faço questão de  oferecer o melhor para quem nos contrata e estamos sempre evoluindo para fazer a diferença e trazer resultados felizes para todas as partes interessadas”.