Posts

Laghetto Viverone: quando a arquitetura de hotel gera valor para a marca

Tempo de leitura: 5 minutos

O mais novo hotel da rede Laghetto Viverone, localizado na cidade de Canela, na Serra Gaúcha, tem a assinatura da VZ&CO. O conceito do projeto traduz a cultura e o aconchego da região, famosa por sua hospitalidade e um dos destinos turísticos mais visitados do país.

Em 2016, recebemos o convite da Forma Espaços — cliente com o qual já desenvolvemos outros projetos de arquitetura de hotel — para projetar um novo complexo para a rede Viverone. Para tanto, tivemos de unir um programa de necessidades bem arrojado, em um terreno repleto de desafios e, ainda, atender à legislação municipal, que nos trazia várias limitações.

O programa de necessidades buscava, além de um projeto de arquitetura de hotel, uma experiência completa de hospedagem em um espaço contemporâneo, multifuncional e ainda aconchegante, que traduzisse a experiência de hospedagem da Serra Gaúcha. Buscamos, através da escolha dos materiais, traduzir essa cultura que tanto se buscava: os tons de cinza remetem ao frio e a madeira traz o aconchego da hospitalidade.

Além da hospedagem, esse projeto de arquitetura de hotel contempla, no pavimento do acesso principal, espaços do lobby e vários lounges. Junto a estes, projetamos espaços de lazer como piscina térmica, espaço fitness, sauna, kids, jogos, além de um restaurante, um centro de convenções e ambientes com cobertura de vidro que fazem a ligação entre as torres na base.

O terreno possui um aclive de mais ou menos 4m, que foram totalmente aproveitados na proposta de projeto de arquitetura do hotel. Como tínhamos restrições de altura em função da legislação, aproveitamos o declive para criar áreas de subsolo semi-enterradas, viabilizando então o estacionamento e as áreas de serviço que não demandam conexão com o meio externo.

Todo o projeto de arquitetura do hotel foi desenvolvido através da metodologia BIM, que nos proporcionou elaborar estudos precisos e completos da topografia local. Conseguimos entender os volumes de escavação e aterro para definir, junto ao cliente, os níveis de projeto e custos de implantação.

Com os níveis validados, tivemos de realizar diversos estudos de layout que atendesse todo o programa de necessidades que a rede Laghetto Viverone exigia para o padrão desta arquitetura de hotel. Com isso, o projeto foi dividido em base e torres. Estas últimas foram divididas em três para atender tanto às exigências da legislação local quanto ao número de apartamentos necessários à operação do hotel. As torres abrigam os apartamentos, que são conectados através da base/térreo onde se encontram todas as áreas de lazer e recepção.

Soluções de projeto

Entre as soluções do projeto de arquitetura de hotel, podemos destacar algumas determinantes para a estratégia de aproveitamento máximo do terreno e de viabilidade para a obra:

Aproveitamento do aclive do terreno para concepção do subsolo

Tiramos partido da topografia do terreno, aliado às estratégias de setorização dos usos, deixando todas áreas de serviço no espaço menos nobre do terreno. Também mostramos ao cliente um estudo de custos de movimentações de terra, antes mesmo de a obra começar — uma análise que só foi possível pelo uso da metodologia BIM.

 Aproveitamento máximo das alturas limites da legislação

Como tínhamos uma limitação de altura em função da legislação municipal, realizamos o aproveitamento máximo das alturas permitidas no projeto de arquitetura do hotel. Nas áreas de sótão, sob o telhado, inserimos suítes com o madeiramento do telhado aparente. Tal solução proporciona um ambiente aconchegante, trazendo um ganho de áreas e uma experiência diferenciada ao hóspede, similar às residências da Serra Gaúcha. Esse aproveitamento foi fruto de muitos estudos no BIM em relação às alturas do telhado, respeitando os valores mínimos exigidos e o conforto dos usuários.

Tecnologias construtivas para reduzir o tempo de obra

Na base das torres tivemos de utilizar um sistema construtivo convencional com vigas, pilares e vedações em função dos grandes vãos exigidos pelos usos. Já nas torres, pela facilidade de modulação, conseguimos viabilizar o uso de alvenaria estrutural e steel frame no sótão — tecnologias construtivas que proporcionam uma maior velocidade e assertividade na obra, reduzindo os tempos de execução. Diversas compatibilizações foram realizadas no BIM para proporcionar essa conexão entre tecnologias construtivas diversas e modulações.

Coberturas leves na conexão entre torres

Para ampliarmos as áreas de lounge/lazer na base e ainda proporcionar a conexão entre as torres, coberturas metálicas foram projetadas para dar maior permeabilidade e leveza ao projeto. Essas coberturas foram pensadas de forma a criar espaços mais contemplativos e conectados ao ambiente externo, com o seu teto e painéis em vidro que permitem uma maior visualização sem contar com a ampliação da iluminação natural nesses espaços.

Planejando um conceito

Aconchego, conforto, experiência e a sensação de lar, esses foram os conceitos utilizados para criação da arquitetura de hotel do Laghetto Viverone Canela. Trazer aos hóspedes do hotel, uma experiência diferenciada e única, através da arquitetura. 

Pensamos em cada detalhe no projeto para que a arquitetura estivesse totalmente conectada a paisagem da Serra Gaúcha, criando espaços contemplativos, materialidades da região e que traduzisse essa experiência.

O conceito do projeto mescla o contemporâneo e a cultura através do uso de telhado, pele de vidro, grandes aberturas de vãos e tudo conectado em meio às cores que se mesclam à paisagem. Nossa maior preocupação foi sempre privilegiar o espaço onde estamos inseridos, respeitando o entorno. 

Projeto de interiores: Silvia Benedetti

Visão estratégica

A contratação da VZ&CO para a realização deste projeto de arquitetura de hotel agregou enorme valor ao Hotel Laghetto Viverone. Nossa equipe conseguiu ampliar a capacidade de hospedagem do empreendimento, aumentando, portanto, sua capacidade de gerar resultados.  Além disso, nossa experiência no mercado de varejo trouxe ao empreendimento uma visão mais estratégica de como potencializar a experiência do hóspede em espaços de uso comum, como o restaurante, as lojas de conveniência e os salões de eventos.

Para completar, o uso da metodologia BIM trouxe mais precisão para o projeto e assertividade para a obra. Um projeto de arquitetura de hotel que tem tudo para conquistar a Serra Gaúcha.

Projeto de interiores: Silvia Benedetti

 

GALERIA DE FOTOS


FICHA TÉCNICA

  • Nome do cliente: Forma Espaços
  • Projeto: Hotel Laghetto Viverone
  • Localização: Canela (RS)
  • Categoria: Hotel
  • Ano: 2020 Área: 11.389,57m²
  • Desafio: Criar um complexo hoteleiro multifuncional, que oferecesse uma experiência completa ao cliente, unindo hospedagem de alto padrão, comodidade, lazer, gastronomia e a possibilidade de participar/realizar grandes evento
  • Diferenciais: Projeto realizado dentro de um terreno em aclive, aproveitando ao máximo os espaços disponíveis; Adequação à legislação do município, prevendo o uso de telhados e de materiais originais da Serra, para combinar os elementos e traduzi-los em projeto de arquitetura de hotel contemporâneo e de destaque para a cidade; Além de projetar áreas de lazer aos hóspedes, o projeto de arquitetura do hotel também previu espaços para abrigar eventos de grande porte, com salas de convenções em um pavimento exclusivo.

O impacto do metaverso na arquitetura de varejo

Tempo de leitura: 4 minutos

O mercado está mais digital e com o foco bem centrado ao metaverso  universo digital que explora diversas tecnologias, como realidade aumentada, inteligência artificial para criar interações e muito mais. Com a ascensão tecnológica e o avanço da era digital, lojistas e varejistas têm se adaptado para seguir o ritmo e adequar suas lojas físicas às lojas virtuais para continuar oferecendo experiências diferenciadas ao público. Se você ainda está pensando em como o metaverso vai impactar o seu negócio no varejo, nós temos uma excelente notícia: o método abre diversas possibilidades dentro da arquitetura de varejo, permitindo que profissionais da arquitetura desenvolvam soluções inteligentes e que são adaptáveis tanto às lojas físicas, quanto às virtuais.

Até 2024, a previsão é que o mercado do metaverso cresça cerca de R$ 4,5 trilhões e movimente a economia. Os dados são de um levantamento realizado pela Bloomberg Intelligence — empresa global de pesquisa sobre o mercado financeiro.

Pensando na imersão do metaverso e como ele pode transformar o mercado, o Facebook mudou o nome para Meta com o intuito de se aprofundar neste universo virtual e explorar diferentes formas de oferecer experiências diferenciadas aos clientes. Além disso, a gigante da tecnologia pretende abrir lojas físicas no varejo  para ampliar produtos e serviços da marca, como óculos com câmeras embutidas e modelos do Oculus para atrelar a vivência da loja física à tecnologia do metaverso. Excelente estratégia dentro do varejo para atrair o público aos espaços físicos, inovar no atendimento e impulsionar a venda dentro da loja.

Apesar do metaverso ter ganho destaque por causa do anúncio feito por Mark Zuckerberg à sua companhia, grandes marcas do varejo, como a Gucci, Nike, Renner e Carrefour já estão investindo na tecnologia para expandir a atuação e unificar serviços de lojas físicas às digitais.

O varejo no metaverso

Realidade virtual famosa em empresas de tecnologia, o metaverso ganhou espaço no mercado de varejo para ampliar as experiências dos clientes nas lojas e potencializar as vendas no setor. A Renner, cliente da VZ&CO desde 2010, já adentrou neste mercado inovador para expandir o nome da marca e comercializar os produtos das lojas. Em parceria com o Fortnitejogo multiplayer que já trabalha com o conceito de metaverso com diferentes marcas do varejo —, a rede varejista de moda inaugurou uma loja virtual dentro da plataforma online, e ainda realizou um levantamento interativo com os jogadores para selecionar estampas dos catálogos presentes nas lojas físicas da rede de varejo

No varejo de supermercados, o grupo francês Carrefour comprou um terreno no The Sandbox para ampliar a experiência de compras dos clientes da rede de varejo. O domínio corresponde a 30 supermercados e é um investimento para que a rede de supermercados  entenda o que o metaverso proporciona e como ele pode impulsionar as vendas no mercado de varejo.  

Arquitetura de varejo e projetos para o metaverso

Assim como as lojas físicas precisam de um plano de arquitetura, as lojas virtuais dentro do metaverso precisarão seguir um projeto arquitetônico capaz de interligar funcionalidades tecnológicas, programação e design à arquitetura destes espaços para oferecer experiências diferenciadas aos internautas.

Dentro do mercado de metaverso, a arquitetura pode ser feita por meio de uma criação virtual, e ainda ser comercializada por meio de criptomoedas e NFTs. O espaço, além de ser aberto, permite a interação de diferentes profissionais, como arquitetos, designers e programadores, em busca de desenvolver interfaces diferenciadas e de fácil acesso. E isso não está longe do que já é feito dentro da arquitetura e o uso do BIM.

A metodologia digital é utilizada dentro da arquitetura e construção civil para fazer representações em 3D das construções, permitindo a visualização de cada etapa do projeto arquitetônico. No metaverso, o BIM pode ser utilizado para desenvolver e potencializar os projetos de lojas virtuais.  

Confira algumas vantagens:

O BIM é uma metodologia inteligente e focada em resultados. O método, que já fornece representações digitais em 3D, pode ir além do seu uso tradicional, simulando comportamentos reais de uma maneira digital;

Por ser uma inteligência digital, os projetos de arquitetura podem ser adaptados para funcionarem dentro do mundo virtual;

Os dados digitais dos projetos  no metaverso podem ser transferidos e compatibilizados ao sistema BIM.

 

Aplicações estratégicas do BIM na arquitetura de varejo

Tempo de leitura: 4 minutos

A arquitetura comercial é aliada para aumentar o fluxo de clientes e as vendas dentro das lojas de varejo. Ainda mais quando se trata de projetar espaços atemporais, inovadores e de qualidade, pois a arquitetura comercial e de varejo utiliza técnicas e soluções inteligentes para garantir o funcionamento de cada loja dentro do mercado e que ofereçam não só comodidade aos clientes, mas experiências diferenciadas. Uma delas é o uso do Building Information Modeling (BIM) — metodologia utilizada dentro da arquitetura e construção civil para projetar, gerenciar e consolidar todas informações de etapas, processos e execuções de qualquer construção.

Por meio do seu sistema automatizado e totalmente digital, é possível unir todas as disciplinas de um projeto de arquitetura [arquitetos, engenheiros e construtores] e criar modelos virtuais precisos de uma edificação, permitindo a inclusão de dados como o cálculo energético, controle de materiais, orçamento e muito mais! Essas informações, além de auxiliar no fluxo de um projeto de arquitetura, também permitem a visualização completa do que está sendo feito. E como a inteligência é focada em resultados, ela diminui refações de um layout arquitetônico, aumenta a produtividade e ainda reduz gastos e o risco mitigado de uma construção.

O BIM NA PRÁTICA

Implementado em nosso escritório de arquitetura desde 2014, inicialmente através do Revit, o BIM já mostrou a sua essencialidade estratégica dentro dos nossos projetos de arquitetura para o varejo e revolucionou os trabalho feito pelo time da VZ&CO, pois além da confiabilidade das informações, ele automatizou processos repetitivos com segurança e ampliou a comunicação entre as disciplinas.   

Com o apoio da inteligência aos projetos de arquitetura, é possível acompanhar todas as etapas de uma obra de forma digital, desde a fase inicial de planejamento até mesmo o pós-construção. O que é uma vantagem para os lojistas e varejistas, pois o BIM prevê a funcionalidade das lojas e o seu desempenho com os insumos até chegar o momento das primeiras manutenções da edificação.

“O BIM permite cálculos precisos e facilita a compreensão de quando uma loja de varejo vai precisar de manutenção ou alguma reforma simples. Como a metodologia une uma série de informações em uma base de dados, a gente consegue prever processos e já se antecipar para reduzir gastos”, comenta a arquiteta Alexia Becker, arquiteta especializada em arquitetura comercial de varejo.  

Além disso, ele prevê as incompatibilidades no projeto de arquitetura, a percepção de possíveis interferências e riscos durante o ciclo de vida da construção. Confira, abaixo, como o uso da metodologia BIM é estratégica para os projetos de arquitetura comercial e de varejo, e saiba a importância dele ao seu negócio:

Redução de erros nos projetos de arquitetura e minimização de gastos com materiais – Uma das vantagens de se projetar aplicando o BIM aos projetos de arquitetura comercial e de varejo, é estimar custos com mais precisão e certeza. Assim, com as informações todas consolidadas, o arquivo digital permite a gestão e organização do  que vai ser gasto com material para a construção . A cada alteração que for realizada no modelo do projeto de arquitetura,  o BIM atualiza, automaticamente, o quantitativo da obra e salva as informações em tabelas detalhadas, facilitando a compreensão do que foi feito, pelo cliente e todas as disciplinas envolvidas no projeto.

Coordenação aprimorada e visualização completa de um projeto de arquitetura – O BIM é uma metodologia interdisciplinar e multifuncional. Ele auxilia no processamento de projetos de arquitetura simples e complexos, sempre focando nos resultados. Por se tratar de um modelo digital, a colaboração e comunicação a distância entre as disciplinas se tornam possíveis e ajuda na construção dos processos projetuais e no desempenho de cada execução do projeto. 

Ele entrega mais do que a representação do projeto em 3D, pois o BIM constrói um conjunto de bancos de dados digitais com informações gráficas e não gráficas do projeto de arquitetura. As informações ficam registradas e salvas, podendo chegar até 8 dimensões de informação que tornam a estrutura do projeto arquitetônico mais precisa e eficiente.

Gestão de qualidade, manutenção de lojas e sustentabilidade – Aplicar o BIM aos projetos de arquitetura comercial de varejo permite a coordenação das operações e manutenção das instalações, rastreando os dados da construção com segurança, além de possibilitar planos de manutenção e suporte técnico. Além disso, o BIM permite análises sustentáveis de energia e consumo a partir do modelo gerado, ajudando a reduzir o consumo de recursos naturais e permitindo o controle de desperdícios.

Uso de templates – Com a aplicação do BIM, conseguimos realizar projetos de forma muito mais ágil, através de templates no modelo. Dessa forma, conseguimos ter todos os padrões do cliente, com informações de materiais, descrição de itens de construção já pré-configurados, o que facilita muito a modelagem do projeto e garante informações e dados do modelo muito mais assertivos e padronizados, sem necessidade de extensas revisões.

Complementações de ferramentas – o BIM permite a implementação de meios para complementar a compreensão dos projetos de arquitetura para que os clientes entendam cada etapa da implementação. O nosso escritório aprimorou alguns plugins dentro da metodologia para apoiar na resolução de problemas, garantindo agilidade e precisão dentro dos modelos de projetos. 

Utilizamos a nuvem de pontos para ter um ganho exponencial na precisão dos levantamentos das lojas; o Navisworks para prever falhas de compatibilização; o Dynamo para automatizar tarefas e a Visualização 360º para permitir que o cliente tenha uma visão mais clara do projeto de arquitetura.

 

Varejo 4.0: como o 5G vai potencializar as lojas físicas e os supermercados

Tempo de leitura: 5 minutos

A tecnologia vai trazer as pessoas de volta para as lojas físicas. Não, você não leu errado! Até julho deste ano, 26 capitais brasileiras e o Distrito Federal deverão estar conectadas ao 5G. É o que prevê o cronograma da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Com isso, o varejo poderá se conectar em altíssima velocidade a programas de inteligência artificial, realidade aumentada e até mesmo ao tão falado metaverso, atraindo consumidores ávidos por novas experiências de consumo. 

“O 5G é mais do que uma rede de conexão à internet de alta velocidade. Ele é uma tecnologia capaz de tornar a experiência dos consumidores nas lojas físicas melhor do que as que ele teria em uma loja virtual, por meio de realidade aumentada ou inteligência artificial. Percebo que a pandemia acelerou a transformação digital e o público ficou ainda mais exigente. Estar atento ao 5G e aos avanços da tecnologia é de suma importância para quem quer inovar e conquistar clientes”, explica Vera Zaffari, CEO da VZ&CO.

De fato, o 5G tem potencial para deixar as lojas físicas muito mais atraentes e gostosas de visitar. Justamente por isso, a Amazon — marketplace que nasceu digital — agora aposta em lojas físicas repletas de novas tecnologias. As chamadas Amazon Go são lojas de conveniência 100% automatizadas, que já são um referência de comodidade para o consumidor. Você entra, escolhe o que quer e sai da unidade física sem precisar passar por um caixa. Como?  Sensores identificam tudo o que você coloca no carrinho e vai computando os valores automaticamente por meio de uma inteligência artificial. Quando você deixa a loja de varejo, ela envia a informação direto para o seu cartão de crédito.  Tudo é feito digitalmente, sem check-out e sem delongas. Um procedimento que já existe, mas que será potencializado com a chegada do 5G, garantindo a velocidade e a segurança da operação.

Hoje, nos Estados Unidos, existem pelo menos 27 lojas físicas abertas neste modelo, incluindo o Amazon Go Grocery — tipo de estabelecimento que oferece produtos, jantares prontos e itens essenciais para a casa.

Nova realidade no varejo e supermercados

Aqui no Brasil, grandes redes do varejo, como a C&A —  cliente da VZ&CO desde 2020 —  estão avaliando novas maneiras de  potencializar as vendas por meio do 5G.  O objetivo é deixar as lojas mais inteligentes, otimizar processos e aumentar a comodidade do cliente, que contará em breve com novas possibilidades de efetuar pagamentos, sem necessariamente passar por um caixa. Já está em estudo, também, a implantação de um centro de distribuição totalmente operado por robôs. Fala-se, inclusive, na possibilidade de utilizar drones para transportar mercadorias nesses ambientes.

Para os supermercados e demais lojas físicas, o 5G também abre uma gama de novas oportunidades, como os controles inteligentes e automatizados dos estoques, ferramentas para controle de consumo de luz e robôs que facilitem a administração dos negócios aos varejistas.

E já que a tecnologia está em processo de implementação no Brasil, confira um pouco do que ela pode oferecer ao seu negócio e transformar ainda mais o funcionamento de suas lojas físicas:

União do metaverso para evoluir as experiências do cliente – se estamos falando em como a tecnologia 5G transformará as lojas físicas e o varejo em breve, não podemos deixar de lado o uso do metaverso para potencializar as experiências. A terminologia para explicar um universo digital, imersivo, compartilhado e colaborativo, utiliza  realidade aumentada, inteligência artificial e outras tecnologias para criar um mundo totalmente online, capaz de oferecer inúmeras formas de interação e relações.

A tecnologia já está sendo utilizada por várias marcas do varejo para atrelar experiências físicas às digitais, como a Nike, Gucci, Renner e muito mais. A Renner, que é nossa cliente, inaugurou uma loja dentro do Fortnite para convidar o público a votarem em estampas e produtos que serão comercializados em suas lojas físicas. Outros gigantes da indústria que estão se preparando para essa nova tecnologia são Carrefour e Walmart. 

“Arquitetura e tecnologia caminham de mãos dadas. Uma prova disso é o BIM, que hoje já cria projetos totalmente digitais e em 3D. Eficiente para quem precisa construir lojas nesse mundo e adaptá-las para uma nova realidade de vendas digitais e físicas”, comenta a arquiteta, Vera Zaffari.

Otimização de serviços – com os avanços tecnológicos, as pessoas querem mais comodidade e opções de consumo. Além da alta velocidade de conexão, o 5G permitirá novas experiências de compras, até mesmo com pagamentos touchless, otimizando o tempo e até dando mais transparência aos clientes sobre produtos e serviços. 

Por meio do 5G, é possível que o consumidor tenha acesso mais rápido e em tempo real com o que está comprando, conseguindo monitorar a origem dos alimentos, o tempo que levou para ser colhido, dicas de receitas e até mesmo combinar com os ingredientes que já têm em casa por meio de tecnologias, como é o caso da rede Hema Supermarket — supermercado de loja física do Grupo Alibaba, na China. Por meio de uma tecnologia de leitura digital, o consumidor consegue mirar a câmera do celular no código de barras e acessar todas as informações de determinado produto.

Eficiência e ecossistema – além de todas as experiências de compra, o 5G, com o uso da internet das coisas, também será um grande aliado para empresas que buscam maior eficiência operacional, reduzindo o consumo de recursos naturais e tornando mais eficaz o controle de desperdícios. A tecnologia facilitará a conexão dos equipamentos e suas bases de controle, tornando a manutenção das lojas físicas uma verdadeira ciência exata, baseada em dados.  

Outra possibilidade é o suporte que a tecnologia dará para aumentar a produtividade dentro de uma obra, pois será possível utilizar mais equipamentos e inteligências para auxiliar na redução de desperdício e obtenção de projetos mais sustentáveis.


Serviços que já funcionam e serão otimizados para expandir o varejo

Velocidade e uso simultâneo da rede para compras mais rápidas  — já que um dos lemas do 5G é velocidade, por que não permitir um acesso rápido aos clientes? A conexão mais ágil ajuda na hora que um cliente quiser fazer um pagamento por Pix ou utilizar alguma plataforma de pagamento dentro da loja física. Sem contar que a tecnologia será potente, o que facilita a múltiplas conexões de usuários sem gerar instabilidade e oscilações no ambiente.

A rede francesa de supermercados, Carrefour, utiliza a tecnologia Scan & Go — que permite escanear o código de barras dos produtos nas lojas físicas e fazer o pagamento direto no aplicativo, sem necessidade de enfrentar caixa — em algumas unidades Express. No varejo de moda, a Renner conta com um serviço que já permite os clientes realizarem pagamentos pelo celular.  

Atendimento personalizado com a Internet das Coisas — alguns dos projetos que realizamos para lojas físicas da Centauro já contam com  provadores inovadores, munidos de inteligência artificial. O cliente pode escolher produtos por meio do escaneamento do código de barra, visualizá-lo em diferentes cores e tamanhos e ver quais outros ítens combinam com ele. Tudo isso, sem precisar sair da cabine. E se decidir pelo produto, ele pode ser pago diretamente do provador.

Como o rollout ajuda na expansão das lojas físicas no varejo?

Tempo de leitura: 3 minutos

Um método seguro, eficiente e que gera ainda mais agilidade na hora de projetar e construir uma obra. São essas as principais características de um projeto rollout — processo utilizado na arquitetura para manter o padrão de qualidade de uma rede. O método garante a padronização de uma marca em qualquer lugar do mundo, permitindo a adaptação e replicação dos pontos físicos com segurança, sem deixar de preservar todos os conceitos e referências da marca. Além disso, quando o rollout é utilizado, é possível identificar melhorias que podem ser aplicadas em todos os espaços da rede, tanto em uma reforma quanto em uma loja nova.

Com o avanço tecnológico e a vivência do “novo normal”, grandes varejistas aplicam essa solução arquitetônica para expandir suas unidades no varejo, oferecendo experiências diferenciadas ao consumidor em um espaço totalmente planejado, aconchegante e com a mesma padronização. Isso tudo acontece, pois o método é focado em entregar resultados de longo prazo.

Na arquitetura de varejo, a técnica é essencial para deixar uma rede de lojas mais competitiva, transformando cada melhoria em um processo fácil de replicação em todas as unidades. Investir em rollout é um passo importante para empresas interessadas em expandir seu nome no varejo de forma segura, rápida e de um jeito inovador.

Confira, abaixo, alguns ganhos do rollout para o seu negócio:

Padronização e preservação da identidade visual em qualquer lugar – O consumidor se encanta com o visual e os diferenciais da loja física. Por isso, a essência do rollout está em preservar cada detalhe, como as cores, a iluminação, os revestimentos e acabamentos, além de pensar no fluxo de pessoas. Quando dizemos sobre manter o padrão de um ambiente físico, também pensamos nos pontos estratégicos da loja. Isso envolve o mobiliário, onde e como os produtos serão expostos, a localização de cada seção, sempre adequada às peculiaridades da região onde está inserida a loja. Ao entrar em determinada loja física, o consumidor vai saber exatamente onde ir e o que procurar sem dificuldade. 

Agilidade nos processos de execução – Por ser focado em entregar qualidade de longo prazo, com um sistema de gestão eficiente, a implementação do rollout é ágil e econômica. Com o objetivo de agilizar etapas, os layouts em rollout já apresentam o que cada projeto deve conter, por isso a padronização é importante. Com os conceitos e padrões definidos,  é possível saber o que vai ser feito e aplicar tudo de uma maneira inteligente, abrangendo a rede completa.

Por exemplo: para as lojas Renner, temos um rollout definido. Sempre que iniciamos alguma reforma ou uma obra nova, verificamos o processo para aplicá-lo ao nosso projeto de arquitetura. Em sincronia com o cliente e o uso do BIM, construímos, digitalmente, a edificação seguindo a padronização e vamos analisando todos os possíveis problemas, aplicação de novas tecnologias no ponto de venda integrando stakeholders, antecipando inviabilidades no processo e, também, possibilitando o desenvolvimento simultâneo de mais projetos.  

Diminuição de custos e uso de materiais –  Um bom projeto de rollout é capaz de reduzir gastos desnecessários para uma empresa. Isso acontece, por exemplo, pois o método busca sempre incluir insumos e equipamentos iguais e disponíveis em qualquer região do país através de negociações de grandes aquisições. Na hora de aplicar o método, os materiais e revestimentos são estudados, pesquisados e atualizados sempre no seu arquivo. Além dos valores, tudo é pensado para que eles se adaptem aos diversos locais de instalação, condições climáticas e regionalidade. 

Antecipação de tendências e replicação – Aplicar rollout nos projetos de arquitetura é entender o que funcionou. A cada aplicação, é possível estudar todo o espaço e entender o que está dando certo e o que não está. Quando uma melhoria é identificada, ela passa a ser replicada nos próximos projetos para garantir a eficiência operacional em toda a cadeia do processo de expansão de uma rede.

Em 2021, projetamos diversas lojas Renner. Uma delas foi a unidade no centro de Bagé, no Rio Grande do Sul. Nessa loja, adaptamos o projeto de rollout da marca para aplicá-lo utilizando a cor branca para a pintura das instalações, equilibrando a iluminação e amplitude de todo o espaço que possuía um pé direito existente baixo.

Arquitetura e varejo: conheça os detalhes da nova loja C&A

Tempo de leitura: 3 minutos

Iniciar um novo cliente é sempre uma aventura maravilhosa, com muitas trocas e muitos desafios! São reuniões frequentes de alinhamento para entender expectativas e sanar todas as dúvidas para aprender o padrão existente da marca; pensar na aplicabilidade de cada loja e atender o modelo de rollout para garantir a expansão no varejo.

Em 2020, tivemos o prazer de comemorar a conquista de vários novos clientes, entre eles a C&A uma das maiores redes de varejo do mundo. A rede varejista procurou a VZ&CO com um desafio: projetar espaços físicos funcionais que atendesse as necessidades da marca, mantendo a padronização de qualidade para continuar oferecendo as melhores experiências aos clientes.

Alinhamentos iniciais com o cliente

Nós, da VZ&CO, procuramos ir sempre além do que é proposto, visualizando possibilidades de melhoria nos nossos processos internos para não só otimizar, mas oferecer ainda mais qualidade na entrega do resultado final. No caso da C&A, a partir das soluções de padronização recebidas, estruturamos um template BIM com todas as informações necessárias, configurações de materialidade e famílias a serem aplicadas aos projetos para termos a extração de quantitativos mais apurada.  Além disso, criamos checklists e cronogramas para possibilitar a visualização de informações importantes ao decorrer do projeto,  garantindo a qualidade das entregas.

Desenvolvimento do projeto

Em novembro, tivemos a oportunidade de participar da inauguração de um projeto da nossa autoria: a C&A Park Shopping Canoas, localizada na região metropolitana de Porto Alegre (RS). Ter uma loja inaugurando próxima a nossa sede nos proporcionou uma experiência que ainda não tínhamos vivenciado com esse cliente. 

Toda a equipe realizou  o mapeamento preciso do espaço disponível, acompanhou o andamento da obra desde a demolição do shell existente. Essa supervisão possibilitou  a visualização de  interferências e peculiaridades da loja desde o primeiro momento, permitindo que o nosso time compreendesse todo o conceito do projeto para oferecer as melhores soluções de arquitetura e evitar  o surgimento de surpresas no decorrer da obra.

 

Diferenciais e desafios do projeto

O grande diferencial dessa loja é a quantidade de área de fachada para os corredores do shopping. Junto à equipe de arquitetura da C&A, tivemos atenção redobrada para compor uma solução que fizesse sentido em relação ao shopping: estudamos as circulações verticais e horizontais, os sentidos e a intensidade dos fluxos. 

Resultado? Planejamos um acesso totalmente estratégico em frente a subida das escadas rolantes, aplicamos revestimento 3D e logo da C&A em pontos com boa visualização dos consumidores inclusive de outros pavimentos do shopping, com vitrines e fachadas envidraçadas para melhor  visualização dos produtos e  interior da loja.

Outro grande desafio desse projeto foi a coordenação e compatibilização dos projetos de infraestrutura em relação ao projeto estrutural do mezanino. Com o auxílio da visualização 3D dos modelos, a utilização de plugins que detectam colisões e diversos alinhamentos com nossos parceiros, tivemos maior facilidade para organizar o entreforro e entregar um projeto bem resolvido aos executores.

Sucesso na entrega do projeto C&A Park Shopping Canoas

A constante troca entre cliente, projetistas, gerenciadora e construtora foi fundamental para cumprir essa entrega com êxito! A colaboração de todos os interessados em ver essa linda loja inaugurada enriqueceu o processo, ultrapassando os obstáculos encontrados pelo caminho e resultou em uma loja eficiente e completa para seu público e colaboradores.


FICHA TÉCNICA

  • Dados do projeto: C&A Park Shopping Canoas.
  • Endereço: Av. Farroupilha, 4545, Canoas / RS.
  • Ano: 2021 Área: 494.42 m² ABL  e aproximadamente 2.000 m² construídos.
  • Arquitetos: Arq. Vera Zaffari, Arq. Alexia Becker, Arq. Luisa Nunes, Acad. Gabriel Crispim, Acad. Giovanna Parisotto, Acad. Kamila Santos.

Sustentabilidade em BIM

Tempo de leitura: 3 minutos

O BIM (Building Information Modeling) é mais do que um método para modelar. Ele é um importante aliado de arquitetos e escritórios comprometidos com a sustentabilidade e a responsabilidade socioambiental, pois permite detalhar todas informações do ciclo de vida de um projeto, calculando com precisão o tempo, os recursos e os custos de materiais para evitar desperdícios. 

“Obras projetadas em BIM têm o consumo de água, energia e materiais de construção otimizados. Por ser um método inteligente e focado em resultados, conseguimos reduzir resíduos e propor soluções sustentáveis, como o melhor  aproveitamento de recursos naturais, reciclagem, aproveitamento de materiais etc”, explica a arquiteta e CEO da VZ&CO, Vera Zaffari.

Por meio da metodologia, arquitetos e clientes conseguem comparar e calcular o que será utilizado com maior exatidão em uma obra. Isso permite a compreensão de todas as partes envolvidas, facilitando o entendimento dos materiais e recursos que serão efetivamente necessários. Além disso, o BIM consegue criar simulações de possíveis cenários futuros, o que ajuda a prever o que pode ser mais útil para manter uma construção sustentável. Para se ter uma ideia, os profissionais podem fazer cálculo solar em telhados, planejar o melhor projeto de redes de energia e infraestrutura, assim como medir o uso de água.

Soluções sustentáveis feitas em BIM e que ajudam a diminuir as toneladas de entulhos produzidos diariamente no setor da construção civil. Números bem claros, chegando a registrar 290,5 toneladas de entulhos por dia em 2019. Destes, somente 21% eram recicláveis. Os dados são da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon).

E para ajudar nesse processo de modificação, preparamos uma listinha com algumas combinações do BIM e sustentabilidade:

Utilização de água na construção – A inteligência permite calcular o quanto de água será utilizado em uma determinada obra. Com isso, é possível pensar em estratégias para reutilizar a água durante a execução da obra e consumir menos.

Uso de materiais – Utilizar o BIM para gerenciar o que será usado na construção reduzem, significativamente, resíduos. Justamente por ser uma metodologia focada em resultados, ela quantifica os materiais e reduz desperdício com métricas mais precisas. Além disso, a tecnologia amplia a visão para selecionar soluções sustentáveis para reduzir o impacto ambiental de um edifício.   

Consumo de energia – O BIM é ótimo para avaliar a eficiência energética de um edifício! Quando combinado com software especializado, ele consegue realizar testes de cada parte da construção para simular e otimizar o que pode ou não melhorar o desempenho de energia do lugar. 

Carbono – Na plataforma, é possível fazer testes para medir e encontrar a melhor alternativa com o menor impacto de carbono. Isso nos ajuda a identificar possibilidades de baixo consumo e que reduzam as emissões durante a obra.  Outro ponto importante para ressaltar é que por meio do BIM, detectamos opções viáveis de economia para manter testes posteriores durante toda a construção. 

Menos refação de trabalho – Quando se projeta em BIM, a interferência durante a obra é mínima. Uma vez que o projeto é todo detalhado e compatibilizado. Com isso, além de não ter que gastar tempo com retrabalho e gastos desnecessários de materiais ou recursos não previstos, o cronograma segue o tempo estimado, com menos correções e idas e vindas de projetos subdivididos. Afinal, o tempo do trabalho humano também é sustentável. 


Na VZ&CO, o BIM é aplicado aos projetos desde 2014 e não é segredo a eficácia do método. Sua aplicação não só permite o desenvolvimento de projetos confiáveis e inovadores, com informações detalhadas, mas precisos por ter uma série de funções que ampliam a visão de uma forma geral. Isso permite grandes vantagens para alinharmos sustentabilidade à arquitetura, pois conseguimos mensurar as informações para aplicá-las, sem exageros, em um projeto arquitetônico. 

VOCÊ SABIA?
Na arquitetura, o ”Green BIM”  ficou conhecido por aplicar técnicas sustentáveis aos projetos por meio da metodologia. Traduzido para o português, o BIM Verde além de auxiliar o arquiteto na hora de projetar, ajudando-o a fazer decisões importantes, ele garante maior impacto referentes ao desempenho e eficiência, pois permite o detalhamento dos recursos e materiais que poderão ser utilizados em uma construção.

Por uma arquitetura mais verde

Tempo de leitura: 5 minutos

Sustentabilidade não é mais uma tendência, mas uma necessidade no universo da arquitetura e da construção civil. Em meio ao aquecimento global, à crise hídrica e à preocupação com a preservação do meio ambiente, não basta projetar edifícios bonitos e funcionais. Eles precisam ser eficientes do ponto de vista socioambiental, sem desperdício de materiais de construção, pensando na reciclagem de recursos e — de preferência — prezando pela eficiência térmica, hídrica e energética do projeto. E isso apenas do ponto de vista ambiental. Em relação ao impacto humano, ele precisa promover a economia local e cuidar do bem-estar dos trabalhadores envolvidos na obra e de seus futuros usuários. 

“Pensar em arquitetura sustentável é buscar alternativas e soluções capazes de diminuir impactos ambientais, como utilização de materiais/revestimentos locais, o aproveitamento de energia solar e a reutilização da água da chuva”, explica a arquiteta da VZ&CO, Caroline Malaggi. 

Um projeto de arquitetura comercial sustentável respeita os conceitos e os padrões de uma marca, mas também busca reduzir os impactos ambientais que ele possa provocar. Nesses casos, os arquitetos podem sugerir soluções mais “verdes”, como a escolha de materiais reciclados, a construção de reservatório de captação de água ou iluminações naturais que reduzam a necessidade do uso de energia elétrica. 

“Antes de iniciar um projeto, conversamos com os nossos clientes para saber quais são as suas necessidades e também fazer sugestões do que podemos utilizar em uma obra. Baseadas nos levantamentos do terreno e da obra, sempre buscamos entregar projetos que atendam às premissas da sustentabilidade”, comenta a arquiteta.

GREEN BIM

Desperdício com material de obra não faz parte do vocabulário da VZ&CO. Justamente por isso, desenvolvemos todos os nossos projetos em BIM — metodologia que permite um projeto mais preciso, possibilitando a extração de quantitativos e racionalização dos materiais que serão utilizados em obra.

“Além de ter os custos reduzidos, obras projetadas em BIM têm o consumo de água e energia otimizados. Justamente por isso, os governos de países como Reino Unido, Canadá e Estados Unidos só contratam projetos desenvolvidos em BIM. Aqui, no Brasil, o governo federal estuda adotar a mesma prática e grandes varejistas, como a Renner, que é nosso cliente, também só trabalham com essa metodologia em seus projetos de lojas”, conta Vera Zaffari, CEO e arquiteta da VZ&CO.

Vale destacar: o problema do desperdício de materiais no setor da construção é real e precisa ser combatido. Para se ter ideia, somente em 2019, foram geradas  290,5 toneladas de entulho por dia no Brasil. Destes, apenas 21% são recicláveis. Os dados da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) alertam para uma realidade que precisa ser modificada.

Quer mais um motivo para realizar projetos sustentáveis? Cerca de 87% dos brasileiros preferem consumir produtos e serviços de empresas que adotam e preservam práticas sustentáveis. Os dados foram divulgados pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) em 2019, resultado de um estudo feito pela Union + Webster — agência  de pesquisa norte-americana.

SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS

Conheça algumas estratégias aplicadas pela VZ&CO em seus projetos arquitetônicos para reduzir o impacto ambiental dos mesmos:

Utilização de placas solares – Ao aproveitar a luz do sol para gerar energia elétrica, empresas economizam na conta de luz e ainda aliviam a pressão que existe hoje sobre o sistema de geração de energia elétrica no Brasil — que sofre com a baixa dos reservatórios de água. Utilizar fontes de energia renováveis é importante na hora de criar um projeto e, por isso, recomenda-se a instalação de placas solares sempre que possível.  

Um dado interessante para empreendimento com mais de uma loja e com o mesmo CNPJ:  caso a energia solar gerada pelas placas de um estabelecimento seja maior do que a utilizada, a empresa poderá transferir os quilowatts remanescentes para outras lojas, mesmo que elas não tenham placas instaladas.

Iluminação natural – O aproveitamento de luz natural pode ser feito por meio de soluções como as clarabóias, zenitais e grandes aberturas. Quando sugeridas aberturas em fachadas, é importante realizar um estudo da incidência solar para que não haja interferência no conforto térmico interno, exigindo um maior tratamento por meio de sistemas de condicionamento de ar.

Automatização de sistemas – Quem disse que não dá para inovar com sustentabilidade? Um método eficiente para ajudar na redução de gastos desnecessários de energia é o uso de sistemas de iluminação inteligente.

“Mesmo com a iluminação natural, alguns empreendimentos precisam de luminárias, mesmo durante o dia. Então, esses sensores verificam se há presença de luz natural suficiente ou não. Se sim, automaticamente as luminárias são desligadas”, exemplifica Caroline.

 

Isolamento térmico – Existem diversas formas de tratamento térmico para deixar os ambientes mais agradáveis, além dos equipamentos de condicionamento de ar. Estratégias como o tratamento de coberturas feitas de mantas e telhados com isolamento térmico reduzem a carga do ambiente, assim como o uso de películas solares em vidros ou a utilização de sistemas brises, que controlam a incidência da entrada de luz de acordo com a orientação solar da fachada.

Reaproveitamento de água pluvial e piso permeável – Aeradores nas torneiras e vaso com caixas acopladas para controlar a vazão da água e telhados com sistemas de aproveitamento da água da chuva por meio de cisternas, são soluções sustentáveis para racionalização e uso da água. As chamadas águas cinzas (água de reaproveitamento), podem ser utilizadas para irrigação, lavagem de calçadas e até mesmo em bacias sanitárias. As técnicas, além de sustentáveis, trazem grandes economias em edificações, principalmente nas de grande escala — condomínios, hotéis, supermercados etc.

Análise de materiais no projeto para  otimização da execução – Especificar e sugerir materiais com fornecimento local nos projetos facilita o transporte, assim otimizando o tempo, a distância da entrega e diminuindo as emissões de carbono.  A construção seca, e quando possível modular, não só diminui desperdícios em obras, mas também acelera o tempo de construção e aumenta a facilidade futura de manutenção do edifício.

Visão de negócios, gestão de projetos e inovação são a chave do sucesso da VZ&CO

Tempo de leitura: 3 minutos

A arquitetura de varejo faz mais do que projetar espaços de compras atraentes e de fácil circulação. Ela ajuda a construir um relacionamento sólido entre o consumidor e a marca, ajudando o varejista a oferecer  uma melhor experiência de compras para seus clientes. 

A VZ&CO se especializou no assunto e oferece as melhores soluções arquitetônicas para o mercado de varejo. E como encantar o cliente faz parte do nosso negócio, desenvolvemos estratégias para oferecer a quem nos contrata a  melhor experiência possível, desde os levantamentos iniciais até o processos executivos do projeto.

“Por aqui, a gente não pensa só em projetar com qualidade, porque isso é o mínimo esperado de um escritório.  Nosso foco é fazer arquitetura comercial com um olhar de negócios, com foco nos resultados. Exploramos e desenvolvemos projetos para melhorar a experiência não só dos nossos clientes, mas dos clientes dos nossos clientes, para gerar resultados para todas as partes envolvidas” explica Vera Zaffari, CEO da VZ&CO. 

INOVAÇÃO EM FOCO

Buscar os melhores métodos para atingir resultados é tradição na VZ&CO. Ainda em 2014, após realizar diversas pesquisas dentro e fora do Brasil, implementamos a metodologia Building Information Modeling (BIM) em nossos projetos, para torná-los mais assertivos e confiáveis.

“O BIM impactou de forma positiva a cultura de trabalho do nosso time e trouxe benefícios para os nossos clientes. Por ser focado em resultados, conseguimos interligar todas as partes de um projeto para automatizar, diminuir custos na obra, acelerar processos de execução e muito mais”, exemplifica Vera.

A metodologia também facilita a colaboração e a comunicação à distância entre os diferentes profissionais envolvidos no projeto, seja dentro ou fora do nosso escritório. Como o diálogo e a troca de informações é constante e sempre documentada, conseguimos reduzir erros e aumentar a produtividade do time. Para completar, como todo o projeto é construído conjuntamente, existe um significativo aumento na confiabilidade da documentação final entregue ao cliente. 

 

 

“O modelo em BIM ajuda nos processos simples e complexos de um projeto. Alguns exemplos vão desde a visualização a partir de um modelo integrado em três dimensões até a gestão e manutenção do edifício construído”, exemplifica. Ele permite, ainda, trabalhar de maneira interdisciplinar, atendendo até mesmo às demandas de custos, como o de planejamento e sustentabilidade. 

GESTÃO DE QUALIDADE

A equipe da VZ&CO é treinada e qualificada, constantemente, para oferecer as melhores e mais modernas  soluções arquitetônicas para os clientes.  “Desde o início, prezamos pela inovação, por gestão de qualidade e referência no mercado para entregar resultados e confiança aos clientes, por meio de um trabalho único, aliado às mais novas  tecnologias e as melhoras práticas sustentáveis”, pondera.

“Sempre que iniciamos um projeto novo, nossa equipe se divide para entender e atender a todas as necessidades do cliente. Organizamos uma estratégia. Um integrante da equipe fica responsável por desenvolver o template e, o outro, responsável por entender o padrão do cliente para verificar quais as oportunidades de automatizar alguma tarefa e os documentos que serão entregues em cada etapa de projeto, a fim de realizar uma entrega com excelência” explica a sócia e arquiteta da VZ&CO, Alexia Becker. 

Os projetos da VZ&CO são feitos a partir de uma profunda compreensão do programa, do local, das normas que impactam, das necessidades a serem atendidas, dos conceitos a serem mantidos sem deixar de descobrir o potencial do que pode ser entregue no fim. 

“Nossa experiência, conhecimento e recursos são mais eficazes quando ouvimos um ao outro. Trabalhamos uns com os outros e aprendemos uns com os outros. Afinal, além de entregar projetos eficientes, acreditamos na força da experiência, colaboração e na construção de relacionamentos duradouros com os nossos clientes e parceiros. Sempre olhando para o futuro” finaliza Vera Zaffari. 

Sobre a VZ&CO

Há 22 anos trazendo soluções inteligentes e inovadoras de arquitetura para o mercado, a VZ&CO atua na área comercial e de varejo, além de contar, em seu portfólio, projetos em hotelaria, centros logísticos e de distribuição, restaurantes, centros médicos, shoppings, redes de lojas, supermercados, projetos de renovação e restauro de prédios antigos.

Transit Point: investimento com retorno certo!

Tempo de leitura: 4 minutos

Com a pandemia, as vendas pela internet dispararam no Brasil. Foram 301 milhões de compras apenas em 2020, de acordo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Alta de 68% em relação ao ano anterior. Nesse cenário,  cresceu também a pressão por entregas mais rápidas a custo cada vez menores, fato que tem levado grandes varejistas a reverem seus processos de logística e distribuição. Para eles, temos uma ótima notícia: existe uma solução arquitetônica econômica e eficiente, capaz de reduzir significativamente os custos e os prazos de entrega de uma loja virtual. Trata-se dos  transit points —  pontos intermediários de armazenagem e logística que atende regiões distantes dos armazéns centrais. 

“Com o crescimento do e-commerce, cresce a demanda por galpões logísticos menores e em maior quantidade, localizados mais próximos dos centros urbanos para atender mais regiões e com mais agilidade. Muitas empresas adicionaram ao modelo tradicional de ter um centro de distribuição central, vários transit poits, com várias unidades menores e mais dispersas geograficamente”, explica Vera Zaffari, CEO da VZ&CO, escritório de arquitetura especializado em varejo, com histórico de projetos voltados aos centros de distribuição, transit point, cross docking, condomínio logístico etc.

Investir em transit points é uma  estratégia-chave para empresas interessadas em expandir suas operações online.

“A gestão eficiente da logística confere um melhor desempenho para o varejo.  Para a indústria, é um espaço de armazenamento de produtos saídos da linha de produção. Para o comércio, é um armazém logístico para organizar mercadorias vindas de diversos fornecedores, para serem consolidadas e enviadas para as redes de lojas ou consumidores”, acrescenta Vera. 

As operações realizadas em transit point são fundamentais para  reduzir  custos, organizar processos, eliminar pontos de estrangulamento, melhorar a gestão de riscos e dos estoques, além de agilizar a distribuição dos produtos. Assim, a empresa é capaz de oferecer ao cliente uma melhor experiência na compra, fato que aumenta a satisfação, a fidelidade e os índices de recompra. 

 

AS VANTAGENS DO TRANSIT POINT NO VAREJO

Diferentemente dos centros de armazenagem comuns, o transit point é um galpão logístico menor e não um espaço para o estoque de produtos.  Por ser menor e estar estrategicamente localizado nos pontos mais próximos dos centros urbanos, eles são capazes de atender com mais eficiência e rapidez as áreas mais afastadas dos armazéns centrais, atuando como um corredor de passagem das mercadorias. 

Por não exigir grandes estruturas de armazenagem, eles são financeiramente econômicos tanto no momento da construção quanto na manutenção dos espaços. 

“Os transit points  não necessitam de um grande investimento construtivo. Trata-se de uma estrutura mais simples e gerencial, para controlar a distribuição dos produtos”, exemplifica Vera. 

Outra característica importante destes galpões: as mercadorias que chegam já têm seus destinos definidos. Cada produto  já chega com a respectiva nota fiscal endereçada aos clientes finais, podendo ser expedidos imediatamente para a entrega local. Isso acaba otimizando e conferindo maior agilidade às operações da empresa. 

PROJETOS DA VZ&CO 

 

A VZ&CO tem em seu portfólio diversos  projetos na área de transit point, centros de distribuição (CD) e galpões logísticos. No momento, temos dois projetos em execução: a expansão de um CD da Leroy Merlin e um armazém logístico que será inaugurado nos próximos meses na cidade de Dois Irmãos (RS).  

A expansão do CD da Leroy Merlin visa a automatização do sistema integrado de armazenagem de pisos. A área total conta com 21.163m², aproximadamente.

“Este será o primeiro CD da Leroy Merlin para armazenagem de pisos e sua aplicação implica em cuidados especiais no Brasil. Desenvolvemos o layout implementando as salas de administrativos, sanitários, docas de recebimento e expedição, circulação externa e interna etc, e estamos atuando ativamente na compatibilização dos projetos complementares de contenção, estruturas de concreto e metálica”, explica o arquiteto Bruno Garcia, da VZ&CO.

Além dessa expansão, o escritório também está em curso com o case de um armazém logístico na cidade de Dois Irmãos (RS). Em um espaço de quase 37000 m², a VZ&CO projetou o plano de arquitetura para o melhor funcionamento do condomínio logístico, além de agilizar processos. 

“Fizemos um estudo do terreno para saber o que iria funcionar. Era mais estreito, com a largura inferior ao comprimento, então projetamos com atenção para a circulação de caminhões, com o pátio de manobras e as docas em apenas um lado do galpão industrial. Isso auxilia a logística de operação do cliente”, conta Vera Zaffari. 

Outro ponto importante da execução da obra: os arquitetos do projeto também pensaram em possíveis ampliações do espaço conforme a necessidade das demandas. “O projeto está sendo desenvolvido em fases e tem previsão de duas ampliações no futuro. Por isso, norteamos a setorização do CD, determinando a posição das docas, do estacionamento e da área administrativa em espaços que podem ser ampliados”, finaliza Vera.