Posts

Como a arquitetura em BIM pode auxiliar o ESG nas empresas?

Tempo de leitura: 4 minutos

Metodologia eficiente e focada em resultados, o Building Information Modeling (BIM) é mais do que uma simples representação digital dos projetos de arquitetura, é uma solução estratégica e sustentável para empresas que compreendem a importância das práticas ESG – sigla em inglês para Meio Ambiente, Social e Governança. Como? A metodologia pode ser utilizada como um sistema de gerenciamento que permite ao usuário modelar, organizar, otimizar o planejamento de um projeto de arquitetura ou engenharia, além de facilitar a colaboração entre todas as disciplinas envolvidas. Todas as informações inseridas no projeto transformam-se numa base de dados confiável, que pode ser utilizada para análises qualitativas e quantitativas dos insumos da construção, como volume de materiais, recursos naturais e energia.

Mais ainda: com o BIM é possível criar simulações de construções futuras, facilitando  o entendimento de arquitetos, engenheiros e construtores ao procurarem soluções alinhadas com o conceito de sustentabilidade.

Além da representação digital em 3D de um projeto, o BIM permite o cálculo da incidência de luz solar em telhados, a medição do volume de água a ser incorporado e utilizado na obra e durante a vida útil da edificação, planejamento de redes de energia e infraestrutura, análise do ciclo de vida dos insumos de obra e muito mais! 

Em outubro de 2021, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) realizou o 93º Encontro Nacional da Indústria da Construção (Enic). Durante o evento, o presidente da CBIC, José Carlos Martins, apontou a importância do ESG para a construção civil e a necessidade do setor investir em métodos eficientes, como a adoção de práticas sustentáveis. “É muito importante para nós que o currículo da área esteja aderente à vida que a gente leva hoje. Quando me formei, não era da época do BIM e do ESG”, comenta o presidente.

Hoje, mudar a postura das empresas e adotar as três letrinhas do ESG nos negócios não é só uma tendência de mercado a ser seguida, mas uma necessidade urgente visto os sinais claros de mudanças no clima pela intervenção humana. O setor privado possui grande responsabilidade e capacidade para minimizar os impactos causados no meio ambiente, construir uma sociedade mais consciente e inclusiva, e aprimorar processos administrativos que criem um mundo corporativo ético e sustentável.

Afinal, o que significa ESG na arquitetura?

Fundamental para empresas que já compreenderam a importância do setor empresarial na construção de um mundo sustentável, o termo ganhou a atenção do mundo corporativo em 2004 por meio da publicação “Who cares wins” (Quem se preocupa, vence, em tradução livre para o português) do Pacto Global da ONU, em parceria com o Banco Mundial e outras instituições financeiras, que discorre sobre a importância do gerenciamento dos três pontos do ESG dentro da gestão estratégica e de riscos das instituições financeiras e apresenta algumas estratégias para a compreender e iniciar essa implementação.

Definido como sustentabilidade empresarial, o ESG amplia o foco gerencial de uma empresa, que passa a incluir outros aspectos nas suas métricas:

Environmental (meio ambiente) – Gestão dos impactos ambientais de todos os processos do negócio, tendo como objetivo zerá-los, compensá-los ou minimizá-los dentro da realidade de cada negócio. O objetivo é que essa gestão se estenda a toda a cadeia parceira de cada uma das empresas. Na arquitetura, o foco é desenvolver projetos sustentáveis no que diz respeito a reaproveitamento de materiais, soluções construtivas modulares e desmontáveis, soluções de projeto que reflitam na redução do consumo de energia e levantamento fiel dos insumos utilizados na obra. A realização do impacto ambiental do trabalho do arquiteto, positivo ou negativo, está na obra.  

Social – Gestão dos impactos sociais dos processos, que está diretamente ligado à dimensão ambiental, uma vez que esses dois impactos quase nunca ocorrem sozinhos. Na arquitetura, o trabalho se divide em duas frentes: no cuidado com seus colaboradores e no trabalho conjunto com construtoras e clientes ao pensar nas soluções construtivas, de projeto e na escolha das empresas parceiras que trabalharão juntas no processo de forma sustentável. O aspecto social foca em não restringir os benefícios do crescimento às empresas, mas a todas as pessoas envolvidas.

Governance (Governança) –  Foco tradicional na gestão empresarial, principalmente no que diz respeito ao compliance, essa representação aprimora as partes administrativas de um setor, dando mais transparência e credibilidade da empresa no mercado. Se preocupar com a gestão também importa na arquitetura!

ESG na VZ&CO

Na VZ&CO, desenvolvemos projetos sustentáveis que contribuem com a redução dos impactos ambientais. Para isso, utilizamos todo o potencial da metodologia BIM implementada há 8 anos na nossa empresa para dar suporte aos nossos clientes e, também, às construtoras, seguindo as premissas da sustentabilidade. Tudo isso para que consigam mensurar o impacto de cada decisão de projeto na obra, informação essencial para uma empresa que tem o ESG norteador da sua gestão.

O BIM auxilia no dimensionamento fiel dos materiais e recursos previstos em um projeto de arquitetura, o que se traduz, automaticamente, na melhor utilização dos recursos e redução de resíduos. Ou seja, é possível avaliar antecipadamente o impacto ambiental de uma obra e contorná-la através de novas estratégias projetuais e sustentáveis que diminuam a emissão de CO2 ou melhorem a eficiência energética. Além disso, o BIM garante um projeto mais assertivo e com menores desperdícios em uma obra

Da mesma forma que podemos dimensionar materiais e recursos utilizados com o BIM em uma obra, também podemos mensurar o impacto social positivo para todas as partes envolvidas no processo, principalmente quando tratamos de fornecedores. Nesse caso, o BIM funciona como uma ferramenta de colaboração entre todos os stakeholders de um empreendimento, o que torna o processo mais transparente e confiável quando pensamos em governança.

Sustentabilidade em BIM

Tempo de leitura: 3 minutos

O BIM (Building Information Modeling) é mais do que um método para modelar. Ele é um importante aliado de arquitetos e escritórios comprometidos com a sustentabilidade e a responsabilidade socioambiental, pois permite detalhar todas informações do ciclo de vida de um projeto, calculando com precisão o tempo, os recursos e os custos de materiais para evitar desperdícios. 

“Obras projetadas em BIM têm o consumo de água, energia e materiais de construção otimizados. Por ser um método inteligente e focado em resultados, conseguimos reduzir resíduos e propor soluções sustentáveis, como o melhor  aproveitamento de recursos naturais, reciclagem, aproveitamento de materiais etc”, explica a arquiteta e CEO da VZ&CO, Vera Zaffari.

Por meio da metodologia, arquitetos e clientes conseguem comparar e calcular o que será utilizado com maior exatidão em uma obra. Isso permite a compreensão de todas as partes envolvidas, facilitando o entendimento dos materiais e recursos que serão efetivamente necessários. Além disso, o BIM consegue criar simulações de possíveis cenários futuros, o que ajuda a prever o que pode ser mais útil para manter uma construção sustentável. Para se ter uma ideia, os profissionais podem fazer cálculo solar em telhados, planejar o melhor projeto de redes de energia e infraestrutura, assim como medir o uso de água.

Soluções sustentáveis feitas em BIM e que ajudam a diminuir as toneladas de entulhos produzidos diariamente no setor da construção civil. Números bem claros, chegando a registrar 290,5 toneladas de entulhos por dia em 2019. Destes, somente 21% eram recicláveis. Os dados são da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon).

E para ajudar nesse processo de modificação, preparamos uma listinha com algumas combinações do BIM e sustentabilidade:

Utilização de água na construção – A inteligência permite calcular o quanto de água será utilizado em uma determinada obra. Com isso, é possível pensar em estratégias para reutilizar a água durante a execução da obra e consumir menos.

Uso de materiais – Utilizar o BIM para gerenciar o que será usado na construção reduzem, significativamente, resíduos. Justamente por ser uma metodologia focada em resultados, ela quantifica os materiais e reduz desperdício com métricas mais precisas. Além disso, a tecnologia amplia a visão para selecionar soluções sustentáveis para reduzir o impacto ambiental de um edifício.   

Consumo de energia – O BIM é ótimo para avaliar a eficiência energética de um edifício! Quando combinado com software especializado, ele consegue realizar testes de cada parte da construção para simular e otimizar o que pode ou não melhorar o desempenho de energia do lugar. 

Carbono – Na plataforma, é possível fazer testes para medir e encontrar a melhor alternativa com o menor impacto de carbono. Isso nos ajuda a identificar possibilidades de baixo consumo e que reduzam as emissões durante a obra.  Outro ponto importante para ressaltar é que por meio do BIM, detectamos opções viáveis de economia para manter testes posteriores durante toda a construção. 

Menos refação de trabalho – Quando se projeta em BIM, a interferência durante a obra é mínima. Uma vez que o projeto é todo detalhado e compatibilizado. Com isso, além de não ter que gastar tempo com retrabalho e gastos desnecessários de materiais ou recursos não previstos, o cronograma segue o tempo estimado, com menos correções e idas e vindas de projetos subdivididos. Afinal, o tempo do trabalho humano também é sustentável. 


Na VZ&CO, o BIM é aplicado aos projetos desde 2014 e não é segredo a eficácia do método. Sua aplicação não só permite o desenvolvimento de projetos confiáveis e inovadores, com informações detalhadas, mas precisos por ter uma série de funções que ampliam a visão de uma forma geral. Isso permite grandes vantagens para alinharmos sustentabilidade à arquitetura, pois conseguimos mensurar as informações para aplicá-las, sem exageros, em um projeto arquitetônico. 

VOCÊ SABIA?
Na arquitetura, o ”Green BIM”  ficou conhecido por aplicar técnicas sustentáveis aos projetos por meio da metodologia. Traduzido para o português, o BIM Verde além de auxiliar o arquiteto na hora de projetar, ajudando-o a fazer decisões importantes, ele garante maior impacto referentes ao desempenho e eficiência, pois permite o detalhamento dos recursos e materiais que poderão ser utilizados em uma construção.

Por uma arquitetura mais verde

Tempo de leitura: 5 minutos

Sustentabilidade não é mais uma tendência, mas uma necessidade no universo da arquitetura e da construção civil. Em meio ao aquecimento global, à crise hídrica e à preocupação com a preservação do meio ambiente, não basta projetar edifícios bonitos e funcionais. Eles precisam ser eficientes do ponto de vista socioambiental, sem desperdício de materiais de construção, pensando na reciclagem de recursos e — de preferência — prezando pela eficiência térmica, hídrica e energética do projeto. E isso apenas do ponto de vista ambiental. Em relação ao impacto humano, ele precisa promover a economia local e cuidar do bem-estar dos trabalhadores envolvidos na obra e de seus futuros usuários. 

“Pensar em arquitetura sustentável é buscar alternativas e soluções capazes de diminuir impactos ambientais, como utilização de materiais/revestimentos locais, o aproveitamento de energia solar e a reutilização da água da chuva”, explica a arquiteta da VZ&CO, Caroline Malaggi. 

Um projeto de arquitetura comercial sustentável respeita os conceitos e os padrões de uma marca, mas também busca reduzir os impactos ambientais que ele possa provocar. Nesses casos, os arquitetos podem sugerir soluções mais “verdes”, como a escolha de materiais reciclados, a construção de reservatório de captação de água ou iluminações naturais que reduzam a necessidade do uso de energia elétrica. 

“Antes de iniciar um projeto, conversamos com os nossos clientes para saber quais são as suas necessidades e também fazer sugestões do que podemos utilizar em uma obra. Baseadas nos levantamentos do terreno e da obra, sempre buscamos entregar projetos que atendam às premissas da sustentabilidade”, comenta a arquiteta.

GREEN BIM

Desperdício com material de obra não faz parte do vocabulário da VZ&CO. Justamente por isso, desenvolvemos todos os nossos projetos em BIM — metodologia que permite um projeto mais preciso, possibilitando a extração de quantitativos e racionalização dos materiais que serão utilizados em obra.

“Além de ter os custos reduzidos, obras projetadas em BIM têm o consumo de água e energia otimizados. Justamente por isso, os governos de países como Reino Unido, Canadá e Estados Unidos só contratam projetos desenvolvidos em BIM. Aqui, no Brasil, o governo federal estuda adotar a mesma prática e grandes varejistas, como a Renner, que é nosso cliente, também só trabalham com essa metodologia em seus projetos de lojas”, conta Vera Zaffari, CEO e arquiteta da VZ&CO.

Vale destacar: o problema do desperdício de materiais no setor da construção é real e precisa ser combatido. Para se ter ideia, somente em 2019, foram geradas  290,5 toneladas de entulho por dia no Brasil. Destes, apenas 21% são recicláveis. Os dados da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) alertam para uma realidade que precisa ser modificada.

Quer mais um motivo para realizar projetos sustentáveis? Cerca de 87% dos brasileiros preferem consumir produtos e serviços de empresas que adotam e preservam práticas sustentáveis. Os dados foram divulgados pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) em 2019, resultado de um estudo feito pela Union + Webster — agência  de pesquisa norte-americana.

SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS

Conheça algumas estratégias aplicadas pela VZ&CO em seus projetos arquitetônicos para reduzir o impacto ambiental dos mesmos:

Utilização de placas solares – Ao aproveitar a luz do sol para gerar energia elétrica, empresas economizam na conta de luz e ainda aliviam a pressão que existe hoje sobre o sistema de geração de energia elétrica no Brasil — que sofre com a baixa dos reservatórios de água. Utilizar fontes de energia renováveis é importante na hora de criar um projeto e, por isso, recomenda-se a instalação de placas solares sempre que possível.  

Um dado interessante para empreendimento com mais de uma loja e com o mesmo CNPJ:  caso a energia solar gerada pelas placas de um estabelecimento seja maior do que a utilizada, a empresa poderá transferir os quilowatts remanescentes para outras lojas, mesmo que elas não tenham placas instaladas.

Iluminação natural – O aproveitamento de luz natural pode ser feito por meio de soluções como as clarabóias, zenitais e grandes aberturas. Quando sugeridas aberturas em fachadas, é importante realizar um estudo da incidência solar para que não haja interferência no conforto térmico interno, exigindo um maior tratamento por meio de sistemas de condicionamento de ar.

Automatização de sistemas – Quem disse que não dá para inovar com sustentabilidade? Um método eficiente para ajudar na redução de gastos desnecessários de energia é o uso de sistemas de iluminação inteligente.

“Mesmo com a iluminação natural, alguns empreendimentos precisam de luminárias, mesmo durante o dia. Então, esses sensores verificam se há presença de luz natural suficiente ou não. Se sim, automaticamente as luminárias são desligadas”, exemplifica Caroline.

 

Isolamento térmico – Existem diversas formas de tratamento térmico para deixar os ambientes mais agradáveis, além dos equipamentos de condicionamento de ar. Estratégias como o tratamento de coberturas feitas de mantas e telhados com isolamento térmico reduzem a carga do ambiente, assim como o uso de películas solares em vidros ou a utilização de sistemas brises, que controlam a incidência da entrada de luz de acordo com a orientação solar da fachada.

Reaproveitamento de água pluvial e piso permeável – Aeradores nas torneiras e vaso com caixas acopladas para controlar a vazão da água e telhados com sistemas de aproveitamento da água da chuva por meio de cisternas, são soluções sustentáveis para racionalização e uso da água. As chamadas águas cinzas (água de reaproveitamento), podem ser utilizadas para irrigação, lavagem de calçadas e até mesmo em bacias sanitárias. As técnicas, além de sustentáveis, trazem grandes economias em edificações, principalmente nas de grande escala — condomínios, hotéis, supermercados etc.

Análise de materiais no projeto para  otimização da execução – Especificar e sugerir materiais com fornecimento local nos projetos facilita o transporte, assim otimizando o tempo, a distância da entrega e diminuindo as emissões de carbono.  A construção seca, e quando possível modular, não só diminui desperdícios em obras, mas também acelera o tempo de construção e aumenta a facilidade futura de manutenção do edifício.

The Bow, luxo e preocupação com o meio ambiente

Tempo de leitura: < 1 minuto

thebow2O sucesso na cidade de Calgary, no Canadá, atende pelo nome de The Bow. Trata-se de um edifício de 237 metros de altura que imprime à linha do horizonte sofisticação e modernidade. Contudo, o empreendimento destaca-se ainda mais na área de sustentabilidade, aliando com maestria a arquitetura comercial à preocupação com o meio ambiente.

projeto do The Bow é importante em termos urbanos, sociais e ambientais. A base pública da torre abriga lojas, restaurantes e cafés com tratamento paisagístico. Os andares de escritórios são pontuados por três jardins aéreos de seis andares, que incentivam a ventilação natural e ajudam a reduzir significativamente o consumo de energia.

A forma do edifício foi moldada a partir da análise do clima. A torre virada a sul curva-se em direção ao sol para tirar proveito da luz do dia e do calor. Em relação às curvas para o interior do edifício, a fachada envidraçada é puxada para a frente para criar uma série de átrios que correm por toda a altura da torre. Esses espaços funcionam como zonas de barreiras climáticas, isolando o edifício e ajudando a reduzir significativamente o consumo de energia.

 

Maior prédio comercial movido a energia solar do mundo fica na China

Tempo de leitura: < 1 minuto

PredioSolarChinaCinco leques de painéis solares instalados na cobertura, ocupando uma área de 5 mil m², geram 95% da energia necessária para o Altar do Sol e da Lua, maior edifício comercial do mundo, localizado em Dezhou, na China.

O prédio de 75 mil m² abriga escritórios, centros de pesquisa científica, salas de reunião e treinamento, um centro de exposições e hotel. Além dos painéis solares, que economizam mais de 30% mais energia do que a meta de economia estipulada pelo governo, a concepção do projeto do prédio também foi ecoeficiente, exigindo apenas 1% da quantidade de aço que foi utilizada na construção do Ninho do Pássaro, um dos estádios olímpicos de Pequim.

Em relação ao design, o Altar do Sol e da Lua foi inspirado em um relógio de sol e nos caracteres chineses para sol e lua. A cor branca adotada na fachada simboliza energia limpa, além de ajudar a refletir a luz do sol, reduzindo o calor.

Arquitetura sustentável: uma boa estratégia para projetos comerciais

Tempo de leitura: 4 minutos

Atualmente, a conscientização a respeito dos recursos naturais é indispensável e, cada vez mais, os consumidores exigem das corporações uma mudança de postura em relação ao assunto.

Leia mais